(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Waldyr O’Dwyer: Líder aos 97 Anos

Especial Comentários 16 de abril de 2014

Devido aos feriados da Semana Santa e Tiradentes as repartições públicas, o judiciário e o comércio estarão fechados nas seguintes datas:


A condicionante guerra e paz, que deu título a um dos mais célebres romances do escritor russo Lev Tolstoi, permeia com a vida do capitão Waldyr O’Dwyer. Soldado do Exército brasileiro combateu na Itália contra o exército de Hitler, na II Guerra Mundial. De volta ao Brasil, é um homem de contínua ação. Múltiplas iniciativas e empreendimentos ao curso de toda sua existência em tempos de paz, o descrevem ainda nos dias de hoje. Sua rotina diária inclui exercícios físicos e horas de empenho diário na atividade empresarial e classista. E isto aos 97 anos de idade e plenamente saudável.

Aprendeu as primeiras letras com a renomada poetisa e escritora Cecília Meireles. Ele afirma que “o melhor amigo do homem não é o cachorro, mas os livros”. Estudou na Academia de Comércio do Rio de Janeiro e fez o curso de contador, em 1937. Ingressou no Serviço de Contabilidade e de Pessoal do Departamento Nacional de Estrada de Ferro. Completou a Faculdade de Ciências Políticas e Econômicas, no ano de 1938.

FORMAÇÃO MILITAR

Mesmo ano ingressou no Centro de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR), no Rio de Janeiro, concluindo-o em 1940, sendo convocado para o Serviço Ativo.De imediato foi designado para estagiar, no 3º Regimento de Infantaria de São Gonçalo, sob o comando do então Cel. Euclides Zenóbio da Costa, que o promoveu a 2º tenente. Naquele mesmo ano, como 1º tenente, apresentou-se voluntariamente à Força Expedicionária Brasileira (FEB),
Em plena II Guerra Mundial seguiu para a Itália, como integrante da FEB. Jána Itália fez o curso de Comando de Pelotão e Patrulha. Atuou na Ofensiva da Primavera,que foi a última operação dos Aliados na Itália.

RETORNO AO BRASIL

Ex-pracinha Waldyr O’Dwyer prevaleceu-se de sua prerrogativa de escolher em que unidade desejava servir. Apresentou requerimento de transferência para o 6º BC, sediado em Santos (SP). Ao fim de algum tempo, o 6º BC foi determinado a regressar à sua sede de origem, em Ipameri, Goiás, de onde fora deslocado devido à II Guerra. O efetivo do 6º BC, tendo Waldir O’Dwyer como comandante, desembarcou na cidade goiana de Ipameri, em 21 de abril de 1946.

O GRANDE AMOR

No mesmo dia de sua chegada a Ipameri, conheceu a jovem Hertha Leyser. Ao fim de oito meses casaram-se no dia 28 de dezembro. Após a viagem de lua de mel, algumas surpresas na vida militar: o Batalhão de Ipameri foi transformado em Companhia e ele designado seu comandante. Em março de 1948, foi comunicado que seria em breve transferido para São Paulo.
Mas, a convite de seu sogro, Gustavo Leyser, demitiu-se do serviço ativo do Exército, em 1948. Passou a integrar a diretoria das Indústrias Reunidas Santa Cruz, em Ipameri, da área de charque, curtume e calçados.

MUDANÇA PARA ANÁPOLIS

Em 1959, juntamente com um grupo de investidores, adquiriu o Frigorífico de Goiás (Frigoiás), em Anápolis. Com isto a família O’Dwyer mudou-se para esta cidade definitivamente, em 1960.
A 14 de março de 1963, associado à sua cunhada, Leda Leyser e aos empresários Virgílio de Barros Monteiro e Juarez Machado, fundou a Anadiesel. Na administração do prefeito Eurípedes Junqueira (1974/75), convidado, exerceu a presidência da Pavimentadora de Anápolis.

ATIVIDADES CLASSISTAS

Sua atuação no segmento classista persiste até os dias atuais.Ele incentivou a criação do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Anápolis, do qual foi o primeiro presidente e reeleito para vários mandatos. No Sindicato Rural de Anápolis exerceu diversos cargos de diretoria. Foi um dos fundadores da Cooperativa Agropecuária de Anápolis.
A mais difícil missão do capitão Waldyr O’Dwyer “e também a mais gratificante de todas”,segundo ele, foi a de síndico da Indústria Têxtil de Anápolis. Com o apoio dos governos municipal, estadual e federal levou a cabo o desafio de fazer voltar a funcionar a empresa.
A Companhia Goiana de Fiação e Tecelagem de Algodão funcionou até 1958. Naquele ano foi adquirida por um grupo chinês, que a denominou Anatex – Indústria Têxtil. Em 1972, entrou em processo falimentar, sendo Waldyr O’Dwyer nomeado síndico da massa falida. Ele conseguiu conduzir o processo até a aquisição pela Vicunha Indústrias Reunidas. E assim funcionou até 1999. A área do antigo parque industrial têxtil, na atualidade é um centro comercial.

Waldyr O’Dwyer é detentor do Diploma de Honra ao Mérito (1991) por seu papel de destaque na fundação do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Anápolis; em 1970, recebeu a Medalha do Mérito Industrial, conferida pela Fieg; a Associação Comercial e Industrial de Anápolis conferiu-lhe o Diploma de Honra ao Mérito; da Confederação Nacional das Indústrias recebeu, a 8 de outubro de 1997, a mais alta distinção da indústria brasileira – a Ordem do Mérito; é Cidadão Honorário de Ipameri e de Anápolis; em 1979, o Governo de Goiás e a Prefeitura Municipal de Goiânia concederam-lhe o Diploma de Personalidade do Ano; numa iniciativa do jornal “O Popular”, o Diploma de Mérito de Goianidade, foi-lhe outorgado em 1992, conferida pela Associação Goiana de Imprensa. No dia 15 de dezembro de 2005 foi agraciado pela Câmara Municipal de Anápolis com a comenda “Dr. Henrique Antônio Santillo”. Quando das celebrações do primeiro centenário de Anápolis, em 2007, recebeu a comenda “Zeca Baptista”.

Com o governador Marconi Perillo

Waldyr O’Dwyer salta a barreira do tempo
VIDA FAMILIAR
Nasceu a 12 de julho de 1916, no Rio de Janeiro, filho de Pedro O’Dwyer e de Guiomar Paiva O’Dwyer.
Na década de 50, nasceram os filhos. Primeiro, William, em 1950. Seis anos depois, Cynthia. Dona Herta faleceu em Anápolis, em agosto de 1982.
Ainda hoje, aos 97 anos de idade, o Capitão Waldyr diariamente dá expediente na sua empresa, a Anadiesel. Seu grande sonho dos dias atuais está perto de ser consolidado: a ativação da Plataforma Multimodal de Goiás, sediada em Anápolis.

Autor(a): Julio Alves

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Especial

Equipe realiza Seminário de Educação em Kuito

12/01/2018

A equipe que participa do projeto EDUKA+ANGOLA realizou entre os dias 03 a 05 de janeiro, na cidade do Kuito, na província d...

Força tarefa investiga morte de agentes prisionais em Anápolis

05/01/2018

Em entrevista coletiva na manhã da última quarta-feira, 03, o Delegado Geral da Polícia Civil, Álvaro Cássio, anunciou a...

RETROSPECTIVA 2017 - Um ano de muitas conquistas para o setor cultural anapolino

29/12/2017

O ano de 2018 foi positivo para o setor cultural de Anápolis, apesar das dificuldades enfrentadas pela Prefeitura. A avalia...

RETROSPECTIVA 2017 - A economia tenta retornar aos trilhos do desenvolvimento

29/12/2017

Balanço do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho revelou que 2016 fechou com saldo negativ...