(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Vereadores “esperneiam”, mas ficam sem emendas

Política Comentários 12 de fevereiro de 2010

No ano passado, teria sido feito um acordo para que o prefeito Antônio Gomide acatasse duas emendas de cada vereador à Lei Orçamentária Anual. Mas todas foram vetadas, e ponto final


O veto do prefeito Antônio Gomide às emendas apresentadas pelos vereadores, tanto no Plano Plurianual para o período 2010 a 2013 como na Lei Orçamentária Anual do exercício financeiro de 2010, provocaram desconforto e descontentamento entre alguns parlamentares da base de apoio. Houve, até, um ensaio de rebeldia. Mas, ao final, os vetos foram mantidos por unanimidade, a exceção de um voto contrário dado pelo vereador Valmir Jacinto (PR) às emendas na LOA.
O vereador Carlos Antônio (PSC), que havia declarado publicamente que não votaria favorável a vetos, reposicionou-se, dizendo que não o faria se houvesse “prejuízo ao município”. Depois, voltou a dizer que vai manter essa posição ao longo do mandato. O vereador Assef Nabem (PMDB), lembrou que havia um compromisso de o prefeito acatar pelo menos duas emendas de cada vereador. Mas não houve essa complacência. Para Valmir Jacinto, as justificativas dos vetos também não convenceram, algumas alegando “inconveniência administrativa” ou “contrariedade do interesse público”. Na opinião do edil, não foram apontadas ilegalidades em parte das emendas. “Os critérios técnicos foram recheados de justificativas fúteis”, reclamou.
No plano político, uma discussão polêmica sobre a qualidade dos serviços de tapa-buraco vem sendo puxada pelo vereador Wesley Silva (PMDB). Segundo ele, por estar buscando a massa asfáltica a 80 quilômetros do município, a mesma estaria chegando fora da temperatura. Além disso, ele observou que ao fazer o corte e a limpeza do buraco, a terra é jogada para o meio fio e não é recolhida. O pronunciamento do vereador ganhou apoio dos vereadores Gina Tronconi (PPS) e Mauro Severiano (PDT), mas foi contestado pela líder do Governo Municipal, vereadora Dinamélia Rabelo (PT), que prometeu levar um laudo atestando que a massa asfáltica aplica está dentro das especificações. O vereador Wesley Silva, ainda em sua fala, remeteu o problema ao passado, dizendo que fazer asfalto “sonrisal” é uma prática antiga, incluindo o governo de 1997 a 2000. Ou seja, do ex-prefeito Adhemar Santillo, uma das principais lideranças de seu próprio partido, o PMDB.

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Política

Nova estrutura administrativa entra na pauta de sessão extra na Câmara

17/01/2019

Nesta sexta-feira, 18, a Câmara Municipal se reúne em sessão extraordinária, para a apreciação de 10 projetos que trami...

Mudanças na equipe no início da segunda metade do governo

17/01/2019

Na segunda parte de seu mandato, o Prefeito Roberto Naves está promovendo uma série de mudanças na estrutura da máquina a...

Núcleo de assessoria é a principal novidade da Reforma Administrativa

17/01/2019

Uma das principais mudanças na estrutura da Administração Municipal, a criação de um núcleo composto por seis assessori...

Situação fiscal do Estado provoca embate entre Caiado e Marconi

10/01/2019

A situação fiscal de Goiás tem elevado o tom do debate entre o atual Governador, Ronaldo Caiado (DEM) e o ex-Governador Ma...