(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Vereadora suspeita de repasse a ONG

Cidade Comentários 21 de agosto de 2010

Parlamentar do PPS achou estranha a destinação de recursos públicos a instituição desconhecida na Cidade


A vereadora Gina Tronconi (PPS) trouxe para o debate, na Câmara Municipal, uma discussão que, segundo ela, no mínimo, deve ser analisada com maior profundidade não só em Anápolis, mas em Goiás e no País. Trata-se da questão de repasses de recursos para organizações não governamentais, as chamadas ONGs. Como exemplo, ela citou o caso de uma entidade denominada Centro Brasileiro de Protagonismo Juvenil (CBPJ) que, conforme levantou junto ao Portal da Transparência, obteve, no final do ano passado, um repasse de quase R$ 1,7 milhão do Governo Federal, por meio da Secretaria de Direitos Humanos do Paraná.
A vereadora soube que a entidade tinha sua sede na cidade, no Bairro Santa Izabel, e de posse dessa informação, solicitou a uma pessoa de sua confiança, que fosse averiguar o tipo de trabalho que a instituição desenvolve com crianças e adolescente na área cultural, para saber como esse trabalho estaria sendo feito em benefício desse público, no município, ou, que poderia vir a ser feito.
A informação que a vereadora diz ter recebido, da pessoa que foi até à sede da ONG, é que, no seu endereço está uma residência e que, ao lado dessa residência, mora o presidente, que teria informado que a ONG não estaria desenvolvendo, naquela data, nenhum projeto em Anápolis, mas teria projetos em outros estados. O homem entregou um cartão de visitas, o qual contém o nome da instituição e também uma logomarca da Universidade Estadual de Goiás. No entanto, a vereadora diz não ter elementos para saber se há alguma relação da CBPJ com a UEG.
Gina Tronconi salientou que os dados apresentados não têm caráter de denúncia, pois pretende averiguar o caso de forma mais ampla. No entanto, disse ter estranhado uma entidade sediada no Município receber uma quantia tão relevante e não desenvolver algum projeto, enquanto há várias outras instituições que promovem ações na cidade e estão carentes de recursos. A vereadora, em princípio, não pensa ainda em acionar o Ministério Público. Primeiro, ela quer levantar a situação com o presidente da ONG e saber, realmente, como a mesma funciona e a sua atuação na cidade. “Estou alertando sobre essa questão de repasses para as ONGs e, digo de passagem, não sou contra essas organizações”, pontuou.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Cidade

UniEVANGÉLICA apoiou evento voltado a idosos

16/11/2017

A UniEVANGÉLICA participou das celebrações dos 15 anos do Instituto de Seguridade Social de Anápolis – ISSA, vinculado ...

Município vai ter encontro do Projeto Goiás 2038

16/11/2017

A secretaria estadual de Desenvolvimento Econômico (SED-GO) reunirá representantes do Governo Municipal e da sociedade orga...

Fechamento de bares mais cedo volta à discussão em Anápolis

16/11/2017

Proposta já aplicada em várias cidades brasileiras e defendida por muitas outras, inclusive Anápolis, a limitação de hor...

Mudança extingue a 137ª Zona e remaneja mais de 46 mil eleitores

09/11/2017

Mais de 46 mil eleitores da 137ª zona eleitoral de Anápolis devem ser remanejados para as 3ª, 141ª e 144ª zonas eleitora...