(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Vacinação contra Aftosa foi sucesso em Goiás

Geral Comentários 05 de julho de 2013

Cobertura atingiu índices altamente satisfatórios, segundo a Agrodefesa


O índice vacinal do rebanho de bovinos e bubalinos em Goiás durante a primeira etapa da Campanha de Vacinação contra a Febre Aftosa foi de 99,21. De um rebanho de 21 milhões, 423 mil e 546 cabeças, foram imunizadas contra a doença 20 milhões, 922 mil e 166 cabeças. No montante de 21 milhões ainda estão os animais reservados, aqueles não precisam ser vacinados porque foram declarados para abate pelo produtor dentro de um prazo de 60 dias após o fim da vacinação.
Quem realizar a vacinação sem a presença de servidor da Agrodefesa, fora da etapa, conforme legislação, o procedimento será considerado inválido. Caso o produtor opte por não abater os animais dentro dos 60 dias após o término da etapa, o mesmo deve procurar o escritório da Agrodefesa onde se localiza a propriedade, agendar a vacinação com o servidor, solicitar a autorização para compra de vacina no respectivo escritório e providenciar a compra em revenda autorizada. Este procedimento sem a autuação por não vacinação, em R$ 7,00/cabeça, só é possível dentro do prazo de 60 dias e disponível somente para aqueles produtores com bovinos e bubalinos reservados”, acrescenta Antônio Leal.
Para verificar essa e outras situações, como as propriedades que não constam do cadastro de vacinação contra a febre aftosa ou deixaram de vacinar seu rebanho, fiscais estaduais agropecuários de todas as unidades operacionais locais estão a campo promovendo um ‘arrastão’, que teve início assim que findou o prazo legal de imunização, que é de cinco dias após realizado o procedimento. “Fora da etapa é obrigatório o acompanhamento das vacinações pelo Serviço Veterinário Oficial”, acrescenta.
O número de propriedades com vacinação assistida, ou seja, toda a vacinação do rebanho acompanhada pela Agrodefesa, é de 1.918 propriedades rurais em todo o Estado. “Todas as propriedades inadimplentes só podem movimentar animais para entrada ou saída após a regularização da situação sanitária, a partir da vacinação assistida pela Agrodefesa. A pequena parcela de produtores inadimplentes pode melhorar ainda mais a cobertura vacinal do rebanho goiano, deixando o índice mais perto dos 100%.
Para a segunda etapa da Campanha de Vacinação contra a Febre Aftosa marcada para o mês de novembro, a Agrodefesa já solicitou ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) a redução da faixa etária do rebanho de 24 para 12 meses, porém, ainda aguarda parecer do órgão de defesa sanitária. “Estamos trabalhando diuturnamente para que alcancemos mais essa vitória para o Estado e, dessa forma, possamos ficar cada vez mais perto da certificação do Estado como zona livre da febre aftosa sem vacinação”, finalizou o presidente da Agrodefesa.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

Baixe o PDF de Edições Anteriores

Arte em Propaganda Arte em Propaganda

+ de Notícias Geral

Palestra para adolescentes que cometeram delitos

07/12/2018

Ressignificação. A palavra que representa dar um novo sentido à vida foi a mais repetida no 1º Ciclo de Palestras Socioed...

CAPS Crescer vai emitir Carteira do Autista

07/12/2018

O CAPSi Crescer Anápolis soma às suas atividades regulares do dia 18 de dezembro, a emissão da Carteira de Identificação...

V Curso de primeiros socorros para os acadêmicos e alunos da UniATI

07/12/2018

“O tempo e a habilidade do socorrista é crucial no atendimento. Nossa missão é replicar conhecimento. Essa iniciativa é...

Trajetórias de vidas depois de passados 80 anos

07/12/2018

“Acima dos 80, rumo à velocidade da luz”. Este é o título do livro produzido pelo empresário anapolino Célio de Oliv...