(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Vacina contra a dengue poderá ser adaptada

Saúde Comentários 19 de fevereiro de 2016

Voluntários começam a ser imunizados contra a dengue ainda em fevereiro


A vacina brasileira contra a dengue está na fase final de testes, o ensaio clínico, em que voluntários são imunizados e então monitorados para a eficácia do produto. De acordo com o que o diretor do Instituto Butantan, Jorge Kalil, afirmou à Agência FAPESP, a partir desta vacina é possível adapta-la para criar um imunizante contra o Zika vírus.
Segundo ele, uma das possibilidades seria inserir no vírus vacinal da dengue um gene codificador de uma proteína-chave do Zika vírus. Outra ideia seria criar um vírus Zika atenuado, usando método semelhante ao empregado no desenvolvimento da vacina da dengue.
O início das imunizações dos voluntários com a vacina contra a dengue está previsto ainda para o mês de fevereiro. O diretor ressaltou que por mais que estejamos vivendo uma crise aguda de Zika, não podemos minimizar o efeito da dengue no país, que ainda mata e deve vir com muita força neste ano.
O Instituto Butantan integra a recém-criada Rede Zika, que é uma força-tarefa para investigar o problema e já deu início a pesquisas voltadas ao desenvolvimento de um soro que poderia ser aplicado em gestantes infectadas para combater o Zika vírus circulante no organismo antes que ele cause danos ao feto.

Sobre a vacina
Questionado se a disseminação do vírus Zika poderia atrapalhar os resultados clínicos da vacina da dengue, Kalil disse que “nossa principal preocupação deverá ser capacitar os centros para fazer o diagnóstico com precisão, distinguindo os casos de Zika e dengue. Fora isso, não vejo problema”.
Sobre a possibilidade de uma vacina contra o Zika a partir da vacina contra a dengue e o tempo que ela demoraria para chegar até a população, Kalil disse à Agência FAPESP que “(os testes) tem de começar tudo de novo, mas talvez o processo ande um pouco mais rápido, pois seria muito semelhante ao que foi feito e já mostramos que o método é seguro. Diante da pressa, teríamos de conversar com as autoridades sanitárias”.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Mudanças no programa Farmácia Popular preocupam vereadores

22/06/2017

O Vereador Antônio Gomide (PT) falou na tribuna, na última segunda-feira, 19, sobre o possível fechamento da Farmácia Pop...

Município anuncia importantes reformulações na área da saúde

15/06/2017

Uma das áreas mais sensíveis da Administração, a pasta da Saúde, tem desafios que extrapolam os limites do Município. P...

Anvisa ouve reivindicações dos laboratórios goianos

15/06/2017

Anápolis recebeu, no último dia 09, a presença do médico sanitarista e epidemiologista, Jarbas Barbosa da Silva Júnior, ...

Projeto atende a quase 800 pacientes que estavam na fila

26/05/2017

Há dois anos, a auxiliar de limpeza, Lídia dos Reis, 38, sentia fortes dores de vesícula. As pedras acumuladas no órgão ...