(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Usucapião extrajucial

Contexto Jurídico Comentários 26 de outubro de 2017


O USUCAPIÃO, também chamado de prescrição aquisitiva, é uma das formas de aquisição da propriedade de bem móvel ou imóvel por meio da posse ininterrupta durante prazo certo e determinado estabelecido em Lei. Pode ser realizado de diversas formas, mas o Código de Processo Civil de 2015 inseriu uma nova possibilidade de Usucapião Extrajudicial processado diretamente perante o Cartório de Registro de Imóveis da Comarca em que é situado o Bem Imóvel usucapiendo.
Apesar de já haver instituto semelhante, foi realizada uma significativa ampliação e desburocratização. A inovação faz parte do processo de desjudicialização do Direito, garantindo maior celeridade e praticidade, ainda que obedecendo determinados ritos e pressupostos. É admissível em casos que há consenso e disponibilidade dos direitos envolvidos – Partes envolvidas, plena capacidade, objeto lícito, dentre outros -, com objetivo de agilizar a atividade jurisdicional.
O pedido deve ser formulado pelo Interessado na titulação da posse exercida por certo e específico prazo, de forma ininterrupta, sem objeção do proprietário e/ou de terceiros, necessariamente, assistido por Advogado e acompanhado de documentos, dentre os quais: *prova documental pré-constituída que ateste a posse prolongada do Bem Imóvel; *Certidões negativas de distribuição; Justo título, se houver e prova da quitação de tributos e taxas e quaisquer outros que evidenciem a posse, como contratos de prestação de serviço no Imóvel, correspondências, memorial descritivo elaborada por Engenheiro Civil, Técnico em Agrimensura ou Agrônomo, com anotação de responsabilidade técnica.
Recebido o Requerimento Administrativo, devidamente instruída com a documentação acima referida, o Oficial procederá à prenotação do Livro de protocolo e a autuará. Em seguida, deve ser publicado Edital em Jornal de grande circulação, às expensas do Interessado, para que terceiros tomem conhecimento do fato e, querendo, impugnem ao pedido.
Sem dúvida, é um substancial avanço às relações cotidianas imobiliárias e que, até recente momento deveriam ser judicializadas, resultando em elevado custo; lapso temporal considerável; cumprimento de prazos e diligências inúmeras, que agora podem ser efetivadas com segurança e equilíbrio, sem prejuízo da celeridade, fundamental no contexto atual.


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Contexto Jurídico

Divórcio: Como fica a partilha do imóvel financiado?

14/09/2018

Este é um questionamento frequente entre os casais que decidem se separar antes da quitação de um financiamento bancário....

A interpretação de contratos coligados, uma análise do tema

06/09/2018

Contratos coligados são definidos como: “os que, embora distintos, estão ligados por uma cláusula acessória, implícita...

Sobre Tributos e a Não Vinculação dos Impostos

30/08/2018

Quando se fala em cobrança de tributo por parte do Estado, a primeira coisa que vem a mente de muitas pessoas é somente o f...

Informações sobre Alienação do Estabelecimento Empresarial – Contrato de Trespasse são úteis para o sistema econômico

23/08/2018

É muito comum, na prática empresarial, que um empresário venda a outro uma universalidade de bens pertencentes à pessoa j...