(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Usucapião extrajucial

Contexto Jurídico Comentários 26 de outubro de 2017


O USUCAPIÃO, também chamado de prescrição aquisitiva, é uma das formas de aquisição da propriedade de bem móvel ou imóvel por meio da posse ininterrupta durante prazo certo e determinado estabelecido em Lei. Pode ser realizado de diversas formas, mas o Código de Processo Civil de 2015 inseriu uma nova possibilidade de Usucapião Extrajudicial processado diretamente perante o Cartório de Registro de Imóveis da Comarca em que é situado o Bem Imóvel usucapiendo.
Apesar de já haver instituto semelhante, foi realizada uma significativa ampliação e desburocratização. A inovação faz parte do processo de desjudicialização do Direito, garantindo maior celeridade e praticidade, ainda que obedecendo determinados ritos e pressupostos. É admissível em casos que há consenso e disponibilidade dos direitos envolvidos – Partes envolvidas, plena capacidade, objeto lícito, dentre outros -, com objetivo de agilizar a atividade jurisdicional.
O pedido deve ser formulado pelo Interessado na titulação da posse exercida por certo e específico prazo, de forma ininterrupta, sem objeção do proprietário e/ou de terceiros, necessariamente, assistido por Advogado e acompanhado de documentos, dentre os quais: *prova documental pré-constituída que ateste a posse prolongada do Bem Imóvel; *Certidões negativas de distribuição; Justo título, se houver e prova da quitação de tributos e taxas e quaisquer outros que evidenciem a posse, como contratos de prestação de serviço no Imóvel, correspondências, memorial descritivo elaborada por Engenheiro Civil, Técnico em Agrimensura ou Agrônomo, com anotação de responsabilidade técnica.
Recebido o Requerimento Administrativo, devidamente instruída com a documentação acima referida, o Oficial procederá à prenotação do Livro de protocolo e a autuará. Em seguida, deve ser publicado Edital em Jornal de grande circulação, às expensas do Interessado, para que terceiros tomem conhecimento do fato e, querendo, impugnem ao pedido.
Sem dúvida, é um substancial avanço às relações cotidianas imobiliárias e que, até recente momento deveriam ser judicializadas, resultando em elevado custo; lapso temporal considerável; cumprimento de prazos e diligências inúmeras, que agora podem ser efetivadas com segurança e equilíbrio, sem prejuízo da celeridade, fundamental no contexto atual.


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Contexto Jurídico

Ato de desídia. Faltar sem justificativa é motivo para justa causa

17/01/2019

Segundo entendimento da 1ª turma julgadora do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região, faltar ao trabalho por mais de ...

Pensando em abrir seu próprio negócio? Vejaos principais tributos pagos por uma empresa:

10/01/2019

O que mais assusta os empreendedores e donos de negócios são os valores a serem pagos e a burocracia ao abrirem uma empresa...

Código de Defesa do Consumidor X Convenção de Varsóvia Controvérsias quanto às indenizações

20/12/2018

O transporte aéreo de passageiros é configurado como uma relação consumerista, haja visto que, a Companhia Aérea enquadr...

Teletrabalho. Reforma Trabalhista

13/12/2018

Inicialmente é necessário esclarecer que o teletrabalho é o serviço prestado, de forma preponderante, fora das dependênc...