(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

União contra violência na escola

Educação Comentários 15 de junho de 2009


Encontrar caminhos para solucionar o problema da indisciplina escolar, agravado pelo crescimento da violência. Esse é o desfio que foi lançado, em 2007, para a elaboração da Carta de Intenções, com a participação do Juizado da Infância e Juventude, da Promotoria da Infância e Juventude, da Delegacia da Infância e Juventude, Polícia Militar, Conselho Tutelar, Postura, Subsecretaria Regional de Educação e representantes das redes municipal e estadual de ensino.
Na última quarta-feira,10, um novo encontro com parte das representações que ajudaram a redigir o documento, voltaram a se reunir, com o propósito de avaliar resultados e propor mudanças à Carta de Intenções. O trabalho foi coordenado pelo juiz Carlos Limongi Sterse e pelo promotor Carlos Alexandre Marques, ambos ligados à área da Infância e Juventude; pela secretária Municipal de Educação, Virgínia Maria Pereira de Melo; e pela subsecretaria regional de Educação, Juliana de Oliveira Almada. A reunião foi no Teatro Municipal e contou com a participação de gestores e coordenadores das unidades de ensino, de representação do Conselho Tutelar e subseção da OAB. O vice-prefeito João Gomes representou o Poder Executivo.
Durante o debate, o promotor Carlos Alexandre apresentou o resultado de uma pesquisa divulgada em nível nacional, mostrando a visão dos pais em relação às escolas. Na pesquisa, segundo ele, ficou destacado que o rigor e a disciplina são apontados como fundamentais no trabalho dos gestores escolares. Com relação aos problemas mais graves enxergados pelos pais nas escolas, as maiores preocupações foram: as brigas entre alunos, pichação de muros, as ocorrências de furtos e roubos e as drogas.
Dentre as várias propostas foram colocadas para o novo texto da Carta de Intenções, duas foram sugeridas pelo promotor Carlos Alexandre: a criação de um mecanismo de apoio para professores vítimas de agressão física ou verbal e a criação de equipes nas escolas, preparadas para fazer a mediação de conflitos, com participação de professores, pais e alunos, que receberiam preparo adequado por quadros técnicos especializados do Ministério Público.
Na ocasião, o juiz Carlos Limongi Sterse anunciou que, a partir do segundo semestre, 10 Agentes de Proteção Voluntária, com apoio institucional e logístico do Juizado da Infância e da Adolescência, vão percorrer as unidades escolares de bicicleta e fazer um contato mais direto com os gestores das unidades podendo, inclusive, fazer visita à casa dos pais para verificar faltas freqüentes de alunos.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

Baixe o PDF de Edições Anteriores

Arte em Propaganda Arte em Propaganda

+ de Notícias Educação

Atlas Escolar envolve escolas e universidades

08/11/2018

A Prefeitura Municipal, através da Secretaria de Educação, e as universidades Estadual de Goiás (UEG) e Federal de Goiás...

Pesquisadores da UniEVANGÉLICA realizam trabalho inédito no Direito

02/11/2018

O Núcleo de Pesquisa em Direito da UniEVANGÉLICA (NPDU) realiza há quatro meses um trabalho inédito para uma instituiçã...

Cursinho PreparaAção realiza aulão musical com cerca de 400 alunos

02/11/2018

O Aulão Musical, organizado pelo PreparAção – cursinho oferecido pela Prefeitura de Anápolis – reuniu mais de 400 est...

Curso de Medicina da UniEVANGÉLICA tem selo SAEME de qualidade de ensino

25/10/2018

“O nosso desejo é que o aluno não seja apenas tecnicamente formado, mas que seja um cidadão bem formado, tenha valores ...