(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

União contra violência na escola

Educação Comentários 15 de junho de 2009


Encontrar caminhos para solucionar o problema da indisciplina escolar, agravado pelo crescimento da violência. Esse é o desfio que foi lançado, em 2007, para a elaboração da Carta de Intenções, com a participação do Juizado da Infância e Juventude, da Promotoria da Infância e Juventude, da Delegacia da Infância e Juventude, Polícia Militar, Conselho Tutelar, Postura, Subsecretaria Regional de Educação e representantes das redes municipal e estadual de ensino.
Na última quarta-feira,10, um novo encontro com parte das representações que ajudaram a redigir o documento, voltaram a se reunir, com o propósito de avaliar resultados e propor mudanças à Carta de Intenções. O trabalho foi coordenado pelo juiz Carlos Limongi Sterse e pelo promotor Carlos Alexandre Marques, ambos ligados à área da Infância e Juventude; pela secretária Municipal de Educação, Virgínia Maria Pereira de Melo; e pela subsecretaria regional de Educação, Juliana de Oliveira Almada. A reunião foi no Teatro Municipal e contou com a participação de gestores e coordenadores das unidades de ensino, de representação do Conselho Tutelar e subseção da OAB. O vice-prefeito João Gomes representou o Poder Executivo.
Durante o debate, o promotor Carlos Alexandre apresentou o resultado de uma pesquisa divulgada em nível nacional, mostrando a visão dos pais em relação às escolas. Na pesquisa, segundo ele, ficou destacado que o rigor e a disciplina são apontados como fundamentais no trabalho dos gestores escolares. Com relação aos problemas mais graves enxergados pelos pais nas escolas, as maiores preocupações foram: as brigas entre alunos, pichação de muros, as ocorrências de furtos e roubos e as drogas.
Dentre as várias propostas foram colocadas para o novo texto da Carta de Intenções, duas foram sugeridas pelo promotor Carlos Alexandre: a criação de um mecanismo de apoio para professores vítimas de agressão física ou verbal e a criação de equipes nas escolas, preparadas para fazer a mediação de conflitos, com participação de professores, pais e alunos, que receberiam preparo adequado por quadros técnicos especializados do Ministério Público.
Na ocasião, o juiz Carlos Limongi Sterse anunciou que, a partir do segundo semestre, 10 Agentes de Proteção Voluntária, com apoio institucional e logístico do Juizado da Infância e da Adolescência, vão percorrer as unidades escolares de bicicleta e fazer um contato mais direto com os gestores das unidades podendo, inclusive, fazer visita à casa dos pais para verificar faltas freqüentes de alunos.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Educação

Saúde na Escola conta com 100% de adesão em Goiás

15/03/2019

Os 246 municípios goianos se cadastraram no Programa Saúde na Escola com apoio da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás ...

Institutos Federais vão formar novos agentes digitais

07/03/2019

Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IFs) terão até 29 de março para aderir ao Programa Nacional d...

UniEVANGÉLICA amplia parcerias com as universidades estrangeiras

07/03/2019

O Centro Universitário de Anápolis – UniEVANGÉLICA é uma instituição que oferece várias oportunidades para que seus ...

UniEVANGÉLICA amplia parcerias com as universidades estrangeiras

07/03/2019

O Centro Universitário de Anápolis – UniEVANGÉLICA é uma instituição que oferece várias oportunidades para que seus ...