(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Trabalho do Centro de referência reduz o sofrimento de famílias

Cidadania Comentários 29 de junho de 2017

Órgão é composto de equipe muldisciplinar que presta assistência aos núcleos familiares em condições de vulnerabilidade


“Num primeiro momento pensei que não iria mais conseguir viver. Foi quando recebi o atendimento dessas pessoas”, diz. O desabafo é de uma pernambucana, moradora de Anápolis há quatro anos, que ficou sem chão ao flagrar o ex-marido abusando sexualmente das duas filhas - sendo uma delas deficiente mental. Após vivenciar o abuso, Maria (nome fictício) ainda foi vítima de uma tentativa de homicídio.
A história de Maria ocorreu em outubro do ano passado e, de lá pra cá, ela vem recebendo apoio sistêmico de equipes da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, Trabalho, Emprego e Renda por meio do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas). Ela relembra que o primeiro contato foi com a patrulha da Lei Maria da Penha. “Eles me atenderam, levaram para a delegacia e ele foi preso no mesmo dia”, afirma.
Em sequência, passou pelo Centro de Referência à Mulher e pelo Cais Mulher. A família passou por exames médicos e, atualmente, é assistida por psicólogos e psiquiatras. Numa espécie de gratidão plena, recente e espontaneamente, buscou conhecer a secretária da pasta, Nair de Moura Vieira. “Eu precisava agradecer. Reconheço que nunca teria esse tipo de atendimento em Pernambuco. Hoje estou de pé, cuidando de minha família, graças a um atendimento que não foi só trabalho, foi carinho, amor e atenção”, se emociona.
Esse é apenas um exemplo dos trabalhos feito pelo Creas, em Anápolis. O centro oferece serviços especializados a família e indivíduos em situação de risco pessoal e social. “O acompanhamento é feito tanto para a vítima quanto para a família. Trabalhamos para recuperar a autoestima e quebrar esses traumas que ficam, para voltarem a vida normal”, diz Nair Moura.
Na prática, são várias as portas de entrada das denúncias de vulnerabilidade: disque 100, conselhos tutelares e pela rede de educação, por exemplo. Para atender essas demandas, são disponibilizados profissionais como assistentes sociais, psicólogos, psiquiatras, advogados e educadores sociais. O objetivo é restabelecer vínculos, garantia de direitos e proteção integral. A capacidade de atendimento dos Creas é de 80 famílias.
A diretora de proteção social e especial da pasta, Erizânia Freitas Lobo conta que, pela primeira vez, os dois centros estão com equipe completa de profissionais. “Além das obras que estão sendo feitas que estão gerando acessibilidade, seguindo as normas”, afirma. Ela ressalta que o Creas faz parte da rede de proteção do município que visa articular secretarias municipais, judiciário, Ministério Público, sociedade civil, conselhos tutelares, entre outros.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Cidadania

Juiz fala a acadêmicos sobre violência doméstica

15/03/2019

Dentro da programação da 13ª Semana Nacional da Justiça pela Paz em Casa, o juiz Vitor Umbelino Soares Junior, do Juizado...

Projeto PM Mirim é lançado em Anápolis

28/02/2019

Promover civismo, cidadania e respeito ao próximo. Esse é foco do projeto Polícia Militar Mirim, lançado na última terç...

Anápolis Vôlei e APAE: dobradinha de muito sucesso

21/02/2019

O elenco do Anápolis Vôlei deu uma pausa no ritmo intenso de treinamentos na ÚLTIMA quarta-feira, 20, para fazer também a...

“A diferença é o que nos une” mostrada no palco

13/12/2018

Foi com essa mensagem que as crianças do Centro Municipal de Atendimento à Diversidade (Cemad), da Prefeitura de Anápolis,...