(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Surge um novo impasse na construção da nova cadeia

Geral Comentários 08 de julho de 2016

Novo presídio deveria estar pronto desde dezembro de 2014, mas devido a falhas em medição da obra, recursos não foram repassados, aponta o órgão fiscalizador


O Tribunal de Contas da União (TCU) realizou auditoria na Caixa Econômica Federal (Caixa), na Superintendência de Administração Penitenciária do Estado de Goiás (Seap-GO) e na Agência Goiana de Transportes e Obras Públicas (Agetop), para fiscalizar obra penitenciária localizada em Anápolis, no Estado de Goiás.
A auditoria faz parte de um conjunto de trabalhos que busca avaliar as políticas públicas conduzidas pelo Departamento Penitenciário Nacional, em especial, o Programa Nacional de Apoio ao Sistema Prisional (Pronasp), em relação à expansão da infraestrutura, como a construção de novos presídios estaduais em todo o país.
O Pronasp contém obras que objetivam reduzir o elevado déficit de vagas constatado no sistema carcerário brasileiro, principalmente das vagas destinadas a presos provisórios, aqueles ainda sem a condenação definitiva.
O tribunal constatou indícios de irregularidades em relação tanto ao projeto básico da obra quanto ao seu andamento. O projeto foi considerado deficiente porque não contemplou os equipamentos necessários para a instalação de um circuito fechado de TV, nem a extensão da rede de alta tensão, indispensável para o abastecimento de energia. A deficiência também ficou caracterizada pelo fato de que a decisão quanto ao local de perfuração de um poço não foi fundamentada por estudos geofísicos. O local não é atendido por rede pública de abastecimento de água.
As falhas tornaram necessária a assinatura de termos aditivos aos contratos originais, que seriam custeados pelo estado de Goiás, sem prejuízo aos cofres da União, motivo pelo qual não houve responsabilização dos gestores pelo TCU.
O tribunal também verificou, à época da auditoria, que apesar de já haver 90% de avanço físico das obras, elas estavam em ritmo lento de execução, em virtude de atrasos no pagamento de medições.
Por esse motivo, o TCU determinou à Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária do Estado de Goiás que comprove a efetiva retomada e/ou conclusão das obras da Cadeia Pública de Anápolis/GO.
O relator do processo é o ministro Vital do Rêgo. (Com informações da assessoria do TCU)

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Geral

Jogos abertos tem mais de 7,5 mil atletas inscritos

26/04/2018

Cerca de 7,5 mil atletas se inscreveram para a 28ª edição do Jogos Abertos de Anápolis, batendo o recorde de 2017. A ceri...

Obras do Museu de Artes Plástica de Anápolis são expostas na Argentina

26/04/2018

Trabalhos do acervo do Museu de Artes Plásticas de Anápolis (Mapa) – uma das unidades culturais mantidas pela Prefeitura ...

Uma viagem no tempo para o bem

26/04/2018

Alunos do 6º ano do ensino fundamental II ao 3º ano do ensino médio (inclui EJA e Profen), de escolas públicas e particul...

UEG aumenta verba para a tecnologia

26/04/2018

A Universidade Estadual de Goiás (UEG) contabiliza nos últimos quatro anos R$ 17 milhões em investimentos em ciência, tec...