(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Sobre Tributos e a Não Vinculação dos Impostos

Contexto Jurídico Comentários 30 de agosto de 2018


Quando se fala em cobrança de tributo por parte do Estado, a primeira coisa que vem a mente de muitas pessoas é somente o famigerado imposto, mas a legislação vigente se estende a uma amálgama um tanto maior.
A Constituição Federal (arts. 145, 148 e 149), tal como a legislação tributária positivada atual reza que tributo é um gênero, no qual impostos são apenas uma das espécies, dentre as quais também se encontram as taxas, contribuições de melhoria, empréstimos compulsórios e contribuições sociais. No caso em questão, trataremos apenas dos impostos.
A Constituição prevê, em regra geral, a instituição de apenas 12 impostos, nos quais se dividem em Federais – art. 153 (IPI, Imposto sobre Impostações e Exportações, IOF, ITR, IGF, Imposto de Renda), Estaduais – art. 155 (ITCMD, IPVA, ICMS) e Municipais – art. 156 (IPTU, ISS, ITBI).
São basicamente arrecadações desvinculadas de qualquer atuação estatal, decretadas exclusivamente em função do jus imperii (direito de mandar) do Estado, cujo fato gerador é sempre uma situação independente de qualquer atividade estatal específica, relativa ao contribuinte. Em regra, representa uma retirada da parcela de riqueza do particular, respeitando sua capacidade contributiva.
Em outras palavras, é uma arrecadação feita pelo Estado por ele ter o poder de cobrar, sendo, por disposto na própria constituição, proibida a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou despesas, salva as exceções previstas na lei (art. 167, III).
Essa vinculação a que se é referida, diz respeito aquilo que se deve fazer com o produto arrecadado a título de impostos, que em tese, se reserva ao orçamento arrecadado e à própria Administração Pública, o espaço para determinar como serão gastos, sejam com investimentos, políticas sociais, etc, ou seja, segundo critérios de conveniência e oportunidade.
Apesar da compreensível revolta em função da pesada carga tributária na qual o país se encontra, é preciso desmistificar pensamentos errôneos que recorrentemente aparecem, como quando se escuta alguém dizer: “- pago o IPVA todo ano e não arrumam as estradas; pago IPTU, mas não asfaltam os bairros”.
Ademais, é sempre bom ficar antenado acerca dos impostos e eventuais tributos cobrados e suas destinações, estando o contribuinte amparado pelo princípio da transparência orçamentária, conforme art. 165 da Carta Magna, segundo o qual, a lei determinará medidas para que os cidadãos sejam esclarecidos acerca dos tributos, bem como mecanismos que permitam o acesso aos dados relativos à execução orçamentária (geralmente dispostos nos sites institucionais dos Municípios, Estados e União).


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

Baixe o PDF de Edições Anteriores

Arte em Propaganda Arte em Propaganda

+ de Notícias Contexto Jurídico

Banco não responde por dano a terceiro que recebe cheque sem fundos

14/02/2019

Os Ministros da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça - STJ, por maioria, reafirmaram entendimento de que a instituiçã...

Inconstitucionalidade na cobrança do DIFAL na aquisição de mercadorias por empresas optante pelo Simples Nacional

08/02/2019

Com o advento do Decreto Estadual nº. 9.104/2017, as empresas goianas optantes do Simples Nacional que adquirem mercadorias ...

Ato de desídia. Faltar sem justificativa é motivo para justa causa

17/01/2019

Segundo entendimento da 1ª turma julgadora do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região, faltar ao trabalho por mais de ...

Pensando em abrir seu próprio negócio? Vejaos principais tributos pagos por uma empresa:

10/01/2019

O que mais assusta os empreendedores e donos de negócios são os valores a serem pagos e a burocracia ao abrirem uma empresa...