(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Servidores municipais reivindicam direitos

Política Comentários 14 de novembro de 2014

Em assembleia, eles pediram garantias do Poder Público local de que benefícios como adicional de insalubridade e periculosidade para alguns setores da administração sejam mantidos


Servidores públicos municipais participaram, na última quarta-feira, 12, de uma assembleia geral promovida pelo Sindicato dos Funcionários e Servidores Públicos Municipais de Anápolis (SindiAnápolis). A presidente da entidade, Regina de Faria Brito, informou que a iniciativa foi um “chamamento de todos os servidores da administração centralizada para uma pauta vinculada aos adicionais de periculosidade e insalubridade”.
Estiveram presentes, em sua maioria, servidores da infraestrutura; da limpeza de escolas e creches municipais e vigias efetivos do Município. Funcionários ligados à Secretaria de Obras, Serviços Urbanos e Habitação, também, compareceram. De acordo com a presidente do SindiAnápolis, Regina de Faria, neste ano houve uma retirada do adicional de insalubridade e periculosidade de alguns funcionários, citando como exemplo os da limpeza de escolas. Ela pontuou que funcionários de uma mesma escola recebiam a insalubridade, enquanto outros ficavam sem o benefício. Ela chamou de “critério muito subjetivo”, aquele utilizado durante as perícias nas instituições de ensino e que indicam se um funcionário deve, ou não, receber esta garantia.
Regina de Faria, também, indicou que há dificuldades de “emplacar as propostas de alterações do plano de cargos e vencimentos” dos funcionários públicos ligados à chamada “administração centralizada”. O Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos da Administração Direta, Autarquias e Fundações do Município de Anápolis foi sancionado em 2009 pelo então prefeito Antônio Roberto Gomide (PT).
Conforme a sindicalista, apesar de ter trazido benefícios para os servidores, como a promoção de carreira, o plano ainda deixa a desejar em alguns pontos. Como exemplo, ela citou que a maioria dos servidores, à época da sanção do plano, estava com o salário-base defasado em, até, 40%. E, uma vez que os rendimentos do funcionalismo público local têm como base os reajustes do salário mínimo, servidores com nível superior e nível médio de escolaridade ficaram prejudicados, na sua opinião.
A presidente do SindAnápolis comentou que os funcionários participantes da Assembleia “queriam paralisar”. “Nós pedimos, ainda, a possibilidade de conversar, mais uma vez, com o Prefeito, ouvir dele”, destacou. E informou que, caso não seja possível uma “conversa”, os servidores em questão poderão partir para “mobilizações mais sérias”, o que terá de ser decidido em outras assembleias.

Autor(a): Felipe Homsi

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Política

Resolução define regras para escolha e registro dos candidatos

19/01/2018

Uma das dez resoluções sobre as normas que irão reger as Eleições Gerais 2018, aprovadas pelo Tribunal Superior Eleitora...

Licitação para a retomada da obra deve acontecer, ainda, este mês

12/01/2018

O 1º secretário da Câmara Municipal, Leandro Ribeiro, informou que a Casa espera para, ainda, este mês, a conclusão do p...

Lista dos municípios beneficiados pelo Ministério das Cidades

05/01/2018

O Ministério das Cidades divulgou nesta quinta-feira, 04 uma lista com 95 municípios selecionados pelo programa Cartão Ref...

Cinco eleições em uma, além de muita indefinição para as urnas

05/01/2018

As eleições deste ano prometem muitas novidades. Por enquanto, a movimentação entre os partidos e pretensos candidatos se...