(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Serviço é visto como “carona” por 40% dos solicitantes

Saúde Comentários 26 de setembro de 2014

Dentre os motivos dos pedidos de uma ambulância, que se repetem diariamente, estão dor de cabeça e diarreia


O telefone do Serviço Móvel de Atendimento a Urgências (SAMU) toca e o médico atende prontamente. O caso é bastante peculiar. Quem está do outro lado da linha pediu a ajuda da vizinha para tirar um bicho de pé. Ela fez o “procedimento” com uma faca e acabou se cortando no dedo. A ligação encerra após o médico explicar que aquilo não é uma emergência e que sua vizinha pode procurar qualquer unidade de saúde para receber o curativo. Dessa vez, a ligação terminou amigavelmente, mas, em muitos casos, os médicos reguladores são agredidos verbalmente e, até, sofrem ameaças.
O SAMU realiza uma média de 4.500 atendimentos por mês. Desse total, cerca de 40% das ligações recebidas não correspondem a casos de emergências ou urgências. Ainda existe outra parcela, também grande, de trotes.
Apesar de parecer inacreditável, as pessoas ligam para solicitar uma viatura por sintomas como dor de cabeça; inchaço, dor abdominal e, até, diarréia. O serviço que deveria ser acionado em situações graves, onde há risco eminente de morte, é visto, por uma grande parte da população, como uma carona até à unidade de saúde.
As pessoas que ligam por motivos banais para solicitarem o serviço do Samu não vêem que, além de tudo, estão ocupando a linha enquanto outra pessoa, que realmente precisa, está tentando ligar. A situação é tão absurda, que alguns médicos reguladores acabam se submetendo a realizar orientações para quem está do outro lado da linha tomar um analgésico, ou, lavar o machucado com água e sabão. O desrespeito vai além, quando a viatura é negada e o solicitante se enfurece, faz ameaças contra o médico regulador e difama o serviço.
De acordo com o médico regulador do SAMU, Kauênio Caetano, umas das maiores dificuldades da função é a forma como a população vê o serviço. Segundo ele, as pessoas acham que as viaturas servem para transportar qualquer tipo de paciente quando, na verdade, é um serviço de urgência. “Muita gente não entende os critério de avaliação da necessidade de envio de uma viatura. Alguns não se conformam que o seu caso não é de uma emergência”, disse. As pessoas buscam uma assistência social, por não ter carro. Esses casos ocorrem quase que diariamente.
Para o diretor do SAMU, Sérgio Marques, a equipe trabalha cada vez mais sobre tensão. “Eles recebem ameaças constantemente, precisam explicar várias vezes o motivo porque a viatura não pode ser enviada e estão, sempre, lidando com pessoas tensas e agressivas”, apontou. Na opinião do médico, esse comportamento da população é preocupante. “Muitas vezes, pessoas em situação grave precisam aguardar pelas ambulâncias porque deslocamos uma viatura para outra ocorrência menos importante. O uso indevido das nossas unidades móveis tem dificultado o trabalho da nossa equipe”, alegou.

Autor(a): Wanessa Mereb

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Nova força-tarefa para combater a dengue, zika e chikungunya

16/11/2017

Durante solenidade realizada no Teatro Municipal, na última terça-feira,14, o Prefeito Roberto Naves reuniu dezenas de repr...

Dengue - Redução de casos economiza R$ 3,6 mi

09/11/2017

Com a chegada do período chuvoso, a Prefeitura de Anápolis volta a intensificar os cuidados com a dengue, chikungunya e zik...

Anápolis vai sediar campanha para doação de medula óssea

03/11/2017

Jovens e mães, Eva e Karise são duas amigas que enfrentam o mesmo problema: a leucemia. Eva Araújo, ex-servidora da Prefei...

Anápolis tem alta incidência de sífilis

20/10/2017

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou o Boletim Epidemiológico da Sífilis, publicação técnica da Coordenação Estad...