(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Senado quer ‘desmilitalizar’ as polícias

Segurança Comentários 12 de dezembro de 2014

Assunto que já causou muita discussão no passado, volta à pauta


Mais uma polêmica de nível nacional está a caminho, de acordo com os observadores políticos de Brasília. A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado Federal informou que vai se dedicar a tirar do papel a desmilitarização das polícias e as demais recomendações de mudanças legais que fazem parte do relatório da Comissão Nacional da Verdade. A iniciativa é da presidente do colegiado, senadora Ana Rita (PT-ES). Assim como ela, o senador João Capiberibe (PSB-AP) prometeu lutar para que sejam extintos o que classificaram de "resquícios da ditadura".
O documento entregue pela CNV ao presidente do Senado, Renan Calheiros, destaca a herança do regime militar (1964-1985) na continuidade da violência do Estado hoje, como, por exemplo, a prática de tortura em instalações policiais. Entre as recomendações está, também, uma mudança na legislação para eliminar a possibilidade de agentes públicos registrarem mortes como "auto de resistência à prisão". Esse mecanismo criado na ditadura militar permite que policiais registrem mortes supostamente ocorridas em conflitos, embora, segundo os propositores, muitas das vezes tenham sido execuções.
“A omissão do Estado diante do que foi feito no passado institucionalizou a tortura que continua sendo praticada nas delegacias de polícia do país inteiro” disse Capiberibe, que lembrou o caso de Amarildo, ajudante de pedreiro que ficou conhecido nacionalmente por conta de seu desaparecimento em 2013, após ter sido detido por policiais militares no Rio de Janeiro.
O senador amapaense observou, contudo, que as mudanças encontram resistência dentro do Congresso. Ele citou a dificuldade em retirar de um dos corredores do Senado o nome de Filinto Müller, que foi senador e chefe da polícia do Distrito Federal entre 1933 e 1942, liderando a repressão a comunistas e integralistas no País.
Recomendações
Este documento ainda sugere a revogação da Lei de Segurança Nacional; a tipificação dos crimes contra a humanidade e de desaparecimento forçado; e a extinção das Justiças militares estaduais; A exclusão dos civis da Justiça Militar Federal; a supressão de referências discriminatórias a homossexuais na legislação; a eliminação da figura dos autos de resistência e a criação de auditorias de custódia são outras recomendações que dependem do Congresso.
“É preciso fazer justiça e avançarmos no enfrentamento desses crimes que continuam sendo cometidos contra negros, pobres, índios, moradores de rua e contra a comunidade LGBT” disse a senadora Ana Rita. Ela garante ter o apoio de grande parte dos senadores e de deputados federais de diferentes siglas partidárias. Este assunto deverá tomar corpo a partir de fevereiro, quando começam os trabalhos da nova legislatura no Congresso Nacional.
A reunião que marcou a tomada desta iniciativa foi acompanhada por coordenadores e presidentes de comissões da verdade de diversos estados, municípios e sindicatos, além de militantes de organizações que atuam na defesa dos direitos humanos. A Subcomissão Permanente da Memória, Verdade e Justiça funciona no âmbito da Comissão de Direitos Humanos do Senado Federal (CDH).

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Segurança

Polícia Civil - Definidos novos nomes para as diretorias da corporação

10/01/2019

A Polícia Civil de Goiás divulgou, na última segunda-feira, 07, mais oito nomes que vão compor o quadro diretivo da insti...

Combate à perturbação do sossego público será intensificado em fevereiro

10/01/2019

Embora ainda esteja em fase de planejamento, a Assessoria Especial de Segurança Pública da Prefeitura de Anápolis já anun...

Solucionados casos de homicídio e de tentativa

20/12/2018

A Polícia Civil, por meio do Grupo de investigação de Homicídios (GIH) da 3ª Delegacia Regional de Anápolis, concluiu a...

Prefeitura e Polícia Civil anunciam o combate a condutores irresponsáveis

13/12/2018

Essa é a previsão do delegado de Trânsito Manoel Vanderic Filho e confirmada pelo assessor de Segurança Pública da Prefe...