(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Senado derruba veto a inibidores de apetite

Saúde Comentários 18 de julho de 2014

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou proposta que libera a produção e a venda, sob prescrição médica, destes medicamentos


A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) do Senado aprovou na última quarta-feira a proposta que libera a produção e a venda, sob prescrição médica, de inibidores de apetite derivados de anfetamina. Esses medicamentos, que incluem anfepramona, femproporex e mazindol, foram retirados do mercado em outubro de 2011 por determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Com a decisão do órgão caem também restrições à venda da sibutramina, outro inibidor de apetite, como dosagens acima de 15mg/dia e a necessidade de um termo de responsabilidade assinado pelo paciente e pelo médico. O texto já foi aprovado pela Câmara dos Deputados e agora aguarda votação do plenário do Senado.
O relatório aprovado pelo colegiado, de autoria da senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO), aponta que após a norma ter entrado em vigor o problema de obesidade foi intensificado no Brasil. “Segundo a pesquisa Vigitel, realizada pelo Ministério da Saúde, 48% da população estava com excesso de peso em 2011. No ano seguinte, a situação piorou, e a pesquisa constatou que 51% dos brasileiros estavam com sobrepeso”, diz o parecer. “Ademais, não se deve ignorar que a proibição de comercialização das substâncias levou à criação de um mercado ilegal de medicamentos que, certamente, causará danos à saúde da população”, continua.
O texto relata ainda que, com a proibição das principais substâncias ligadas à sensação de saciedade, sobraram poucas opções para o tratamento da doença. “Para o tratamento farmacológico, restaram somente o orlistat e a sibutramina. Cabe ressaltar que o orlistat tem alto preço de mercado, que inviabiliza sua aquisição pelos pacientes mais carentes. No caso da sibutramina, a Anvisa passou a exigir do médico o preenchimento de um termo de responsabilidade no ato de prescrição. Para os quadros graves de obesidade, resta, por fim, apenas a medida extrema de tratamento por meio da cirurgia bariátrica”, afirma a relatora.
A proibição dos inibidores de apetite gerou um embate entre a Anvisa e sociedades médicas ligadas à obesidade. A Organização das Nações Unidas (ONU) chegou a divulgar relatório em que defendia a liberação desses medicamentos para fins medicinais. O Ministério Público de Goiás e o Conselho Federal de Medicina recorreram contra a resolução. Apesar disso, a medida foi sancionada pela agência.
Por quinze votos a seis, a proposta foi aprovada nesta quarta sem alterações ao texto encaminhado pela Câmara em abril. Parlamentares aliados ao Planalto, como os principais caciques do PT no Senado, Humberto Costa (PE) e Gleisi Hoffmann (PR), foram contrários à liberação dos inibidores.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

Baixe o PDF de Edições Anteriores

Arte em Propaganda Arte em Propaganda

+ de Notícias Saúde

Nova lei dá abrangência nacional às receitas médicas

16/11/2018

Usuários de medicamentos controlados e manipulados agora poderão comprar os remédios em qualquer lugar no Brasil, mesmo fo...

Estudo goiano feito em pacientes crônicos com chagas será modelo

16/11/2018

As organizações Médicos sem Fronteiras (MSF) e Iniciativa de Medicamentos para Doenças Negligenciadas (DNDi) vão elabora...

Unidades de saúde orientam sobre prevenção do câncer bucal

08/11/2018

Os pacientes atendidos nas unidades da rede municipal de saúde estão recebendo orientações relativas à Semana Nacional d...

Coleta de exames é descentralizada

08/11/2018

Em menos de 48 horas após o médico ter solicitado os exames de hemograma e glicose para a dona Rozelma Silva Souza, ela já...