(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Secretário Joaquim Mesquista é ouvido por parlamentares

Política Comentários 16 de agosto de 2013

Comissão ouviu na manhã desta quinta-feira, 15, os esclarecimentos do secretário de Segurança Pública, Joaquim Mesquita.


A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga problemas relacionados à Segurança Pública no Estado de Goiás realizou nesta quinta-feira, 15, no Auditório Solon Amaral, sua nona reunião de trabalho. Os deputados membros realizaram oitiva com o secretário de Segurança Pública e Justiça, Joaquim Mesquita.
Estiveram presentes à reunião, além do presidente Hélio de Sousa (DEM), o vice-presidente, Luiz Carlos do Carmo (PMDB), os titulares Major Araújo (PRB) e Wellington Valim (PTdoB) e os suplentes Marcos Martins (PSDB) e Mauro Rubem (PT).
Ao início da reunião, o presidente Hélio de Sousa convidou o deputado Wellington Valim para assumir, interinamente, o cargo de relator da CPI da Segurança Pública, substituindo Júlio da Retífica (PSDB), que se ausentou.
Por unanimidade, deputados membros da Comissão aprovaram requerimento apresentado pelo deputado Mauro Rubem solicitando que professores da Universidade Federal de Goiás (UFG) sejam convidados a comparecer à CPI para apresentarem conclusões de estudos sobre violência e criminalidade. Os professores a serem convidados são Telma Ferreira, Dalva Borges de Souza, Luiz Mello, Eliene Gonçalves, Djaci Davi de Oliveira e Ricardo Barbosa Lima. Eles vão falar sobre estudos efetuados pelo programa de pós-graduação em Sociologia da UFG.
Ao iniciar seu pronunciamento, o secretário Joaquim Mesquita apresentou um resumo de sua carreira, iniciada em 1995 como delegado da Polícia Federal, em Cuiabá (MT), passando por vários Estados, até chegar a Goiás, onde foi convidado para assumir o cargo pelo governador Marconi Perillo (PSDB).
Ao responder questionamentos do vice-presidente, deputado Luiz Carlos do Carmo (PMDB), o secretário informou que na sua pasta atualmente não existe carência de estrutura e sim de efetivo. “Temos disponíveis, por exemplo, mais viaturas do que o número de policiais suficiente para utilizá-las.
O delegado comentou também que, apesar de em julho deste ano ter ocorrido um número expressivo de homicídios, houve uma estabilidade se o índice for comparado com 12 meses anteriores. “Mas não é somente a atuação das forças policiais que diminui índices de criminalidade, fatores sociais e culturais também contribuem. Com a contratação de novos policiais, o combate à criminalidade será ainda mais intensificado.”
O secretário informou também a Luiz Carlos do Carmo que a SSP realiza um trabalho preventivo em regiões mais necessitadas, como a Noroeste de Goiânia, e que os recursos para custeio são suficientes. “Em relação a recursos, não temos problemas. O maior entrave para à execução dos projetos são os trâmites burocráticos. Outra dificuldade é em relação à contratação de pessoal, já que o Governo tem de cumprir a lei de Responsabilidade Fiscal."
Respondendo os questionamentos do deputado Major Araújo, Joaquim Mesquita disse que o número de viaturas existente atualmente é suficiente para atender as ocorrências em Goiânia. “Polícia nenhuma do mundo vai ter condições de colocar uma viatura em cada bairro e em cada rua.”
A impunidade é, na opinião de Mesquita, um dos maiores problemas a serem solucionados para diminuir os índices de violência no País. “Pessoas presas por assalto a mão armada ficam na cadeia por, no máximo 40 dias. Dificilmente, uma pessoa que é presa por este motivo já não teria sido detida pelo mesmo crime. Esse é um aspecto da legislação que estimula a criminalidade”, assinala.
Joaquim Mesquita frisa que no âmbito de todas as esferas do poder público — municipal, estadual ou federal — faltam servidores para a área de segurança. Quanto à lei que determina o efetivo de 30 mil policias em Goiás dentro de dez anos, ele afirma que já existe um planejamento do Governo que está sendo colocado em prática.

Homicídios
Major Araújo afirma que estudos mostram aumento de 100% no número de homicídios em Goiás num período de dez anos. Mas o secretário explica que esse aumento diz respeito a 2010 e não a 2013, e acompanhou o crescimento da população e da atividade econômica do Estado, sem a devida reposição do efetivo policial para manter a proporcionalidade necessária. “Tenho certeza que estamos muito melhor hoje do que já estivemos no passado”, concluiu.
Em resposta ao deputado Marcos Martins o secretário afirma que, em relação à política nacional para a área, “já passou da hora de se criar o Ministério da Segurança Pública”. Quanto à questão de recursos, ele sugere que seja criado um fundo constitucional para o setor.
Para diminuir a criminalidade, o secretário sugere aumentar o número de vagas nos presídios, ampliando o sistema prisional como um todo e alterar a legislação penal. “Se não tivermos o endurecimento das penas e a manutenção da privação de liberdade, não teremos bons resultados.”
O secretário disse ainda que a qualidade técnica das polícias no Estado é de excelência. “Isto é refletido no sentimento da população. O que falta realmente é apenas aumentar o efetivo”. Mesquita afirma que, como em toda a Polícia Civil, há uma grande carência de pessoal no setor de perícia técnica. “O governador já autorizou a realização de concurso para a área”, informou.
Mesquita garantiu também em sua participação que a secretaria não sofre qualquer tipo de interferência em relação a preenchimento de cargos e promoções de servidores. Ele manifestou discordância à opinião de Mauro Rubem sobre a contratação temporária de reservistas do Exército brasileiro que julga esta uma atitude equivocada. “Trata-se de um projeto de grande alcance social que vai dar oportunidade de trabalho a muitos jovens.”

Calendário
Na opinião do secretário, as políticas de segurança pública não devem ser responsabilidade apenas do Estado e da Federação, mas também dos prefeitos. “Eles precisam estar à frente de políticas de segurança a serem aplicadas no município, que é onde as pessoas residem. Hoje o conceito que se discute na ONU é o de segurança humana, que representa algo muito maior do que segurança pública”, diz.
Mesquita afirma ainda que tem participado de reuniões com prefeitos pelo Estado e, em todos os municípios, está sendo adotado este conceito de segurança humana, que envolve também as políticas de Segurança Pública implantadas pelo executivo municipal.
Ao encerrar a reunião o deputado Helio de Sousa convocou nova sessão para terça-feira, 20, às 9 horas. Nesta data estão marcados os depoimentos dos delegados Adriana Ribeiro e Waldson de Paula Ribeiro.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Política

Vereador defende mudança no pacto federativo

08/12/2017

O vereador Leandro Ribeiro (PTB) usou a tribuna durante a sessão ordinária da última quarta-feira, 06, para defender mudan...

Prefeito pode fazer uma reforma administrativa no começo do ano

08/12/2017

O Prefeito Roberto Naves (PTB) deverá ampliar a reforma em sua equipe, a partir de janeiro próximo. É que algumas Pastas e...

Vereador busca solução sobre fechamento de ruas

30/11/2017

O vereador Leandro Ribeiro (PTB), primeiro secretário da mesa diretora da Câmara Municipal, informou na tribuna do plenári...

“Estamos cansados de esperar o Governo”, desabafa Roberto

30/11/2017

“A Cidade não aguenta mais esperar”. A afirmação é do Prefeito Roberto Naves (PTB), que não esconde mais a sua insat...