(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Sebrae e Prefeitura trabalharão juntos

Cidade Comentários 09 de abril de 2010

Projeto vai permitir o desenvolvimento de importantes setores da economia regional


A Lei Complementar nº 217, de 28 de dezembro de 2009, está ajudando a centenas de anapolinos no encontro de novas oportunidades profissionais e aumento da renda familiar. E, ainda, contribuindo para combater, pela raiz, um problema crônico e que há muitos anos tem causado dor de cabeça para o Poder Público e para a iniciativa privada: a informalidade. O “santo remédio”, na verdade, nada mais é do que a regulamentação, no Município, da Lei Federal nº 124/2006, que rege o tratamento diferenciado às micro e pequenas empresas.
Foi a partir da Lei Complementar 217, que teve início o Programa Municipal de Desenvolvimento para o Micro e Pequeno Empreendedor de Anápolis, que respaldou os projetos “Anápolis Acredita”, “Salão do Empreendedor de Microcrédito”, “Qualificar” e a implantação da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa. Essas ações, somadas a outros programas locais como o Expresso Digital, Lavoura Comunitária e Centro de Atendimento ao Turista, deram a Anápolis dois prêmios regionais do Sebrae: o de prefeito Empreendedor e Melhor Projeto para Médios e Grandes Municípios. A cidade concorre à etapa nacional.
O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Mozart Soares Filho (Mozarico), explica que esse resultado se deve a uma palavra chave: parceria. “Nossa intenção era criar uma estrutura para que pudéssemos ajudar as pessoas a encontrarem trabalho digno e renda, pois já sabíamos que muitas delas tinham pequenos negócios, mas sem suporte”, observou, acrescentando que muitas dessas pessoas têm receio de buscar apoio seja na Prefeitura ou em bancos e organizações que financiam o microcrédito. A partir dessa constatação, destacou Mozarico, os programas começaram a ser colocados em prática, arregimentando parceiros: o Senai, o Sebrae, o Banco do Povo, o Ceape, a Agência de Fomento, a Fieg, o Sine, o Banco do Brasil, o Rápido. “Enfim, estruturamos uma rede para dar o suporte que as pessoas necessitavam e levamos aos bairros”, relata.
A experiência, de acordo com Mozarico, teve resultados imediatos. A procura para adesão ao Programa Microempreendedor Individual (veja matéria correlata) cresceu significativamente. Os financiamentos através do Banco do Povo saltaram de R$ 28 mil para quase R$ 300 mil, com estimativa de 300 novos empregos diretos. O Banco do Brasil, que na safra 2008/2009 havia atingido um volume de R$ 3 milhões em financiamento do Pronaf, destinado a pequenos produtores teve, nos últimos seis meses (safra 2009/2010), um volume de R$ 2,9 milhões. E, portanto, deve chegar ao final da safra com um volume muito superior ao registrado anteriormente.
O secretário destacou que através do Programa Qualificar, a Prefeitura, a empresa Hering e o Senai, estão oferecendo curso de costura industrial para 150 pessoas de baixa renda, residentes nos bairros Novo Paraíso e Filostro Machado Carneiro, com a expectativa de expandir para duas outras regiões da cidade muito em breve, com o apoio do Sindicato das Indústrias do Vestuário de Anápolis, que já manifestou interesse em colaborar com o programa.
O secretário relatou que o Salão do Empreendedor de Microcrédito foi uma vitrine dessa evolução que está ocorrendo e que, em sua opinião, trará bons frutos para a cidade, pois à medida que as pessoas têm melhores oportunidades de trabalho e ganhos, menor será a chance de elas se arriscarem em atividades informais e, pior, não ter uma ocupação e envolver em caminhos mais sinuosos como as drogas e a marginalidade.

Microempreendedor Individual desperta atenção
A Diretora de Indústria e Comércio, Maria Auxiliadora Gomes Leão, ressalta que o Programa Micro Empreendedor Individual (MEI) é um dos que mais têm chamado a atenção da comunidade, durante as edições do projeto Anápolis Acredita. Os números ainda são extra-oficiais, mas a estimativa é de que já há em torno de 500 adesões e um número crescente de pessoas buscando informações.
Um dos pontos positivos criados com a Lei Complementar nº 217, segundo ela, é o alvará provisório, em que os micros e os pequenos empresários podem iniciar suas atividades, até que a documentação esteja pronta. A lei municipal também prevê a criação do Alvará Digital, que poderá ser obtido pela internet. Além disso, ela destaca que, para abrir o negócio na modalidade de MEI, não há ônus e a burocracia è bem menor, em se comparando com a abertura de um negócio nos moldes tradicionais.
Uma vez com o seu negócio regulamentado, o microempreendedor tem um CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) e pode emitir nota fiscal, além de garantir benefícios previdenciários. O secretário Mozart Soares acrescenta que os benefícios da legislação também alcançam a zona rural. Conforme disse, o Município pode comprar até 30% de produtos para a merenda escolar em valores até R$ 80 mil, sem a exigência de licitação. Uma porta aberta, portanto, para os pequenos produtores que já teriam um mercado garantido.

Como funciona o MEI
O Empreendedor Individual é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário. Para ser um empreendedor individual, é necessário faturar, no máximo, até R$ 36.000,00 por ano, não ter participação em outra empresa como sócio ou titular e ter um empregado contratado que receba o salário mínimo ou o piso da categoria.
A Lei Complementar nº 128, de 19/12/2008, criou condições especiais para que o trabalhador conhecido como informal possa se tornar um Empreendedor Individual legalizado.
Entre as vantagens oferecidas por essa lei estão o registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) - o que facilitará a abertura de conta bancária -, o pedido de empréstimos e a emissão de notas fiscais.
Além disso, o Empreendedor Individual será enquadrado no Simples Nacional e ficará isento dos tributos federais (Imposto de Renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL).
Pagará apenas o valor fixo mensal de R$ 57,10 (comércio ou indústria) ou R$ 62,10 (prestação de serviços), que será destinado à Previdência Social e ao ICMS ou ao ISS. Essas quantias serão atualizadas anualmente, de acordo com o salário mínimo.
Com essas contribuições, o Empreendedor Individual terá acesso a benefícios como auxílio maternidade, auxílio doença, aposentadoria, entre outros.
(Fonte: www.portaldoempreendedor.gov.br)

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Cidade

Anápolis tem novos comendadores

20/07/2017

A Comenda “Gomes de Sousa Ramos”, maior honraria instituída pelo Município, foi entregue a personalidade de diversos se...

Monumentos históricos de Anápolis completam 60 anos

13/07/2017

Ignorados por grande parte da população e, até, pelas autoridades governamentais, dois monumentos que ficam no centro de A...

Câmara Municipal de Anápolis vai ter seu hino oficial em breve

15/06/2017

O vereador Teles Júnior (PMN) informou, durante o uso da tribuna, na sessão ordinária da última segunda-feira,12, que pro...

Presidente da UVG defende 13º e férias para os vereadores

09/06/2017

Em visita à Câmara Municipal de Anápolis, na manhã da última quarta-feira,07, o Presidente da União dos Vereadores de G...