(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Saiba mais sobre a cirurgia bariátrica

Saúde Comentários 21 de maro de 2014

O número de obesos aumenta no mundo a cada dia e a cirurgia bariátrica vem se tornando um importante aliado no tratamento da obesidade grau 3


Gastroplastia, também chamada de Cirurgia Bariátrica, Cirurgia da Obesidade ou ainda de Cirurgia de redução do estomago, é, como o próprio nome diz, uma plástica no estômago (gastro = estômago, plastia = plástica), que tem como o objetivo reduzir o peso de pessoas com o IMC muito elevado.
Esse tipo de cirurgia está indicado, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) para pacientes com IMC acima de 35 Kg/m², que tenham complicações como apneia do sono, hipertensão arterial, diabetes, aumento de gorduras no sangue, problemas articulares, ou pacientes com IMC maior que 40 Kg/m², que não tenham obtido sucesso na perda de peso com outros tratamentos.
Existem três tipos básicos de cirurgias bariátricas. As cirurgias que apenas diminuem o tamanho do estômago, são chamadas do tipo restritivo (Banda Gástrica Ajustável, Gastroplastia vertical com bandagem ou cirurgia de Mason e a gastroplastia vertical em “sleeve”). A perda de peso se faz pela redução da ingestão de alimentos. Existem, também, as cirurgias mistas, nas quais há a redução do tamanho estomago e também um desvio do trânsito intestinal, havendo desta forma, além da redução da ingestão, diminuição da absorção dos alimentos. As cirurgias mistas podem ser predominantemente restritivas (derivação Gástrica com e sem anel) e predominantemente disabsortivas (derivações bileopancreáticas).
Apesar de cada caso precisar ser avaliado individualmente, todos aqueles que irão realizar a cirurgia devem ser submetidos a uma avaliação clínico-laboratorial a qual inclui além da aferição da pressão arterial, dosagens da glicemia, lipídeos sanguíneos, e outros exames sanguíneos, avaliação das funções hepática, cardíaca e pulmonar. A endoscopia digestiva e a ecografia abdominal são importantes procedimentos pré-operatórios. A avaliação psicológica também faz parte dos procedimentos pré-operatórios. Pacientes com instabilidade psicológica grave, portador de transtornos alimentares (como, por exemplo, bulimia), devem ser tratados antes da cirurgia.
Na maioria dos casos, com a cirurgia bariátrica, além de perder grande quantidade de peso, o paciente tem os benefícios da melhora, ou mesmo cura, do seu diabetes, controle da pressão arterial, dos lipídeos sanguíneos, dos níveis de ácido úrico, alívio das dores articulares.
Do ponto de vista nutricional, os pacientes submetidos à cirurgia bariátrica deverão ser acompanhados por longo tempo, com objetivo de receberem orientações específicas para elaboração de uma dieta qualitativamente adequada. Quanto mais disabsortiva for a cirurgia, maior a chance de complicações nutricionais, como anemias por deficiência de ferro, de vitamina B12 e/ou ácido fólico, deficiência de vit D e cálcio e até mesmo desnutrição, nas cirurgias mais radicais. Reposições vitamínicas são feitas após a cirurgia e mantidas por tempo indeterminado. A diarreia pode ser uma complicação nas cirurgias mistas, principalmente na derivação bileopancreática.
A adesão ao tratamento deverá ser avaliada, uma vez que pacientes instáveis psicologicamente podem recorrer a preparações de alta densidade calórica, de baixa qualidade nutricional, que além de provocarem hipoglicemia e fenômenos vasomotores (sudorese, taquicardia, sensação de mal-estar), colocam em risco o sucesso da intervenção à longo prazo, porque reduzem a chance do indivíduo perder peso.
A cirurgia antiobesidade é um procedimento complexo e apresenta risco de complicações. A intervenção impõe uma mudança fundamental nos hábitos alimentares dos indivíduos. Portanto, é primordial que o paciente conheça muito bem o procedimento cirúrgico e quais os riscos e benefícios da cirurgia. Desta forma, além das orientações técnicas, o acompanhamento psicológico e o apoio da família são indispensáveis em todas as fases do processo.
Em alguns casos, uma cirurgia plástica para retirada do excesso de pele é necessária. A mesma poderá ser feita quando a perda de peso estiver totalmente estabilizada, ou seja, depois de aproximadamente dois anos.
Mulheres que realizam cirurgia bariátrica devem aguardar pelo menos 15 a 18 meses antes de engravidar. A grande perda de peso logo após a cirurgia pode prejudicar o crescimento do feto.

Cuidados pós operatórios:
O professor de Cirurgia Digestiva da Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo e um dos autores do livro “Como Conviver Bem com a Cirurgia da Obesidade”, Bruno Zilberstein, afirma que esse procedimento é uma mudança total de vida. Ele destaca que nos seis primeiros meses, as bebidas gasosas, como o refrigerante, causam distensão, e a maioria dos pacientes não consegue ingeri-las. A digestão de leite e derivados se torna difícil e o último alimento a ser inserido na dieta é a carne vermelha.

Coma devagar
Sua mastigação deve ser exaustiva, para triturar bem os alimentos. A quantidade ingerida de cada vez deve ser pequena, por causa da redução do volume gástrico

Pós-operatório
Nos primeiros 15 dias, a dieta é líquida, depois passa a ser cremosa e, com 30 dias, a alimentação é mais pastosa; 45 depois, começa uma dieta normal gradativamente

Álcool
Beba menos ou nenhuma bebida alcoólica. Além de prejudicar a saúde, contém grande quantidade de calorias, o que aumenta rapidamente as reservas de gordura do corpo. Se for beber, selecione um copo de vinho, por exemplo, e beba-o lentamente

Hora certa
Preste atenção no que está ingerindo, mantendo intervalos de duas a três horas entre as refeições. Não pule etapas da alimentação nem belisque entre elas

Hidratação
Mantenha a hidratação constante durante e após os exercícios e no intervalo das refeições, ingerindo de um a dois litros de água por dia

Alerta
Evite a ingestão de líquidos durante as refeições – dificulta a digestão e absorção dos alimentos. No pós-operatório, o sólido com o líquido forma uma pressão no estômago, causando dor e vômito

Consuma
Coma com maior frequência leguminosas, como soja, peixes, cereais integrais e frutas oleaginosas, preferindo temperos naturais, como vinagre balsâmico, limão, cheiro verde, alho, cebola, ervas aromáticas e azeite extravirgem

Evite
Peça para que o prato venha sem molhos e temperos, ou que sejam servidos separados. Controle a quantidade

Metade
Divida o prato com alguém ou peça meia porção, sempre que possível

Suplementos
Deve-se obrigatoriamente tomar suplementos durante o período de emagrecimento e pelo menos nos dois primeiros anos da operação para que o cérebro não sinta a carência da perda de nutrientes, para poder emagrecer suavemente, para que não haja perda de cabelo, unhas quebradiças, alteração da menstruação, cansaço, anemia, ou mesmo não emagrecer, ou ainda voltar a engordar

Açúcar
O consumo de líquidos com açúcar pode ocasionar fraqueza, sudorese, palpitações, sonolência, desmaios, vômitos, dores abdominais, entre outros

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Saúde realiza vacinação contra a gripe até dia 26 de maio

19/04/2017

A 19ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe começou na última segunda-feira, 17, e as vacinas estão disponívei...

Vereadora consegue recursos para castração de animais

19/04/2017

A vereadora Thaís Souza (PSL) conseguiu junto ao deputado estadual Lincoln Tejota (PSD), uma emenda de R$ 180 mil será dest...

Medo da febre amarela? tire suas dúvidas

07/04/2017

Desde 1980 o Brasil não registrava um surto tão grande de febre amarela. De dezembro para cá, houve 2 104 casos notificado...

Dengue recua, mas a população ainda precisa ficar atenta e manter o combate

07/04/2017

A população anapolina pode comemorar. Os registros oficiais da Secretaria Estadual de Saúde, referentes à semana 13- de 0...