(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Ruralistas adotam sistema para frear a violência nas fazendas

Violência Comentários 10 de julho de 2014

Casos de ataques a sítios; fazendas, chácaras e outras propriedades acendem o sinal de alerta


Em que pese o trabalho das polícias Civil e Militar, com a adoção de patrulhas para o policiamento na zona rural do Município, os casos de ataques de grupos armados às propriedades se multiplicaram nos últimos anos. De acordo com o Presidente do Sindicato Rural deAnápolis, José Vitor Caixeta Ramos, os bandidos, que demonstram um elevado grau de organização, teriam conhecimento da rotina na maioria das fazendas e sítios, agindo emhorários e dias em que os ataques são mais suscetíveis de dar certo. “Eles chegam de surpresa, barbarizam, roubam tudo o que encontram pela frente. São levados veículos; eletrodomésticos; dinheiro; joias, defensivos agrícolas e tudo o que de valor acham pela frente. Em muitos casos, agridem os moradores, molestam as mulheres que, na maioria, preferem não denunciar por vergonha e constrangimento”, disse o empresário rural.
José Caixeta relatou ocasorecente em que um bandoatacou uma fazenda na região de Souzânia. “Eles chegaram por volta de seis da tarde e só foram emboraquando o dia estava amanhecendo. Fizeram misérias. Mataram umsuíno, obrigaram os donos a prepará-lo,comeram, sujaram toda a casa e quando o dia começou a clarear foram embora levando muitos bens dafamília”, declarou. José Caixeta narra outrocaso emque um pesque-pague da mesma regiãofoiatacadopor uma quadrilha que rouboutudo oquetinha de valor em poder dos clientes e dos proprietários. “A viatura da PM tinha acabado de sair de lá. Parece que os bandidos estavam vigiando para atacarem sem oriscode serem pegos”, disse o Presidente do Sindicato Rural. Em sua opinião, os marginais que atacam as propriedades rurais nos arredores de Anápolis teriam uma espécie de comando único, com funções definidas para cada grupo. “Por mais que a polícia faça patrulhamentos, dificilmente eles são descobertos”, disse Caixeta.

Solução
Diante doquadro, oPresidente do Sindicato Rural disse que muitos proprietários estão evitando ficar nas fazendas. “Eu mesmo nãodurmomais na minha propriedade. Fico lá para resolver oque tenho de resolver e venho para a cidade, onde tenho casa. Mas, muitos dos que moram na zona rural nãopodem fazer o mesmo, pois têmde cuidar do gado,das criações e não possuem casa na regiãourbana” declarou.
José Caixeta disse que, por conta dessa situação, o Sindicato Rural resolveu reagir e está trabalhando um projeto vai se tornaruma importante feramente para ajudar a polícia no combate a essa onda de crimes. “Estamos implantando um sistema de videomonitoramento ligado diretamenteao sistema de rádio e de vídeo da Polícia Militar, interligando todas as propriedades queseinteressarem. Assim sendo, as imagens, inclusive noturnas, serão veiculadas em tempo real, filmando as áreas maispróximas dos currais e das sedes das fazendas. Todo movimento, todo veículo, tudo oquese mover nas proximidades vai sair na tela. Desta forma, um fazendeiroserá uma espécie deolheiro dovizinho e, consequentemente, da polícia. Quando da suspeita de alguma ação ilegal, as viaturaschegarão a tempode obstruírem a fuga, ou,deinterceptarem um delitoem andamento”, disse o Presidente.
O equipamento para este projeto está orçado em cerca de R$ 5 mil por propriedade. “É um valor considerável para muitos que têm dificuldades financeiras. Mas, estamos trabalhando uma linha de financiamento para que os interessados possam pagar em várias prestações. Acreditamos ser um investimento que vale à pena, pois estamos tratando da segurança das propriedades e das pessoas. O Sindicato Rural tem todas as informações e orientações para os interessados. Basta que nos procurem” finalizou José Caixeta.

Autor(a): Nilton Pereira

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Violência

Anápolis aparece em relação das cidades mais violentas do Brasil

09/06/2017

Em 2015, a taxa de homicídios por 100 mil habitantes de Anápolis, ficou em 40,9. Somada às Mortes Violentas com Causa Inde...

Governo diz que Goiás é um dos estados com menor índice criminal

09/06/2017

Os índices de criminalidade em Goiás apresentam queda sequenciada a partir de 2016. Na comparação entre janeiro e maio de...

Judiciário quer ações práticas para reduzir criminalidade em Anápolis

02/06/2017

A busca de soluções para o crescente aumento do índice de criminalidade em Anápolis foi debatida no final da tarde da úl...

Emanuelle Muniz e Emanuelle Ferreira: passageiras da agonia

04/05/2017

Emanuelle Muniz Gomes tinha 21 anos. Era transexual. Bela; extrovertida; meiga, alegre e filha carinhosa. Apesar da pouca ida...