(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Ribeirão Antas é coberto por espuma misteriosa

Meio Ambiente Comentários 08 de setembro de 2013

Um dos principais mananciais do Município traz marcas de poluição que assusta os moradores de fazendas e chácaras às suas margens


As imagens que ilustram esta reportagem são muito parecidas com as cenas divulgadas na grande imprensa, denunciando a poluição em mananciais localizados próximos às grande capitais como São Paulo e Rio de Janeiro. Mas, infelizmente, os flagrantes foram registrados na zona rural de Anápolis, ao longo de um dos principais mananciais do Município, o Ribeirão Antas, que cobre uma grande área localizada na porção sudoeste de Anápolis e é afluente do Rio Corumbá que, por sua vez, é afluente do Rio Paranaíba. E, sem contar o seu valor histórico, uma vez que foi às suas margens que se iniciou a colonização da região, devido à movimentação de tropeiros ainda em meados do século XVIII.
A realidade do Ribeirão Antas, entretanto, retrata que o manancial vem sendo severamente agredido, colocando em alerta os fazendeiros, chacareiros e trabalhadores rurais que moram nas proximidades. A produtora rural Ana Paula Gomes, que forneceu o registro das imagens da matéria, é proprietária da Fazenda Cachoeira. Segundo ela relata, há cerca de 45 dias surgiram verdadeiros blocos de espuma no leito do Ribeirão que tem registrado, também, a sua coloração natural alterada e o cheiro, que parece ser de óleo - conforme relatou.
Ana Paula observa que essa situação tem causado preocupação para os moradores da região já que muitos deles utilizam da água para consumo. Ela afirmou que já levou o fato ao conhecimento da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e a única providência adotada foi a coleta de amostras da água em mais de 30 pontos do rio, até o local de deságua, no Corumbá. Entretanto, nada foi feito concretamente para resolver o problema e o volume da espuma “só vem aumentando absurdamente”, enfatizou a produtora rural. A desconfiança é de que a espuma possa ser oriunda da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Distrito Agro Industrial ou, então, proveniente do descarte de alguma indústria.
Enquanto as dúvidas não são sanadas e o problema não é resolvido, a população ribeirinha sofre com os transtornos da poluição no Antas. “Aqui quase não se pesca mais. Em alguns pontos, a gente vê com frequência grande quantidades de peixes mortos”, apontou Ana Paula, afirmando que há quase 30 anos não come peixe do Ribeirão, mas que as pessoas que ainda têm coragem de comer, dizem que o gosto do pescado é ruim.
Para a proprietária rural, é necessário que haja uma grande mobilização envolvendo os órgãos ligados ao meio ambiente, o Ministério Público e a própria sociedade de uma maneira geral, para evitar que o Ribeirão Antas venha a ‘morrer’, devido aos maus tratos que sofre com a poluição. Além do lançamento de possíveis efluentes no manancial, ainda há o problema do lixo que é jogado às suas margens.

Mau cheiro
Desde o início do ano, as secretarias municipal e estadual do Meio Ambiente investigam sobre uma onda de mau cheiro que seria proveniente da ETE do DAIA. A Goiasindustrial, que é a empresa estatal responsável pela manutenção do Distrito, chegou a ser multada pelos órgãos ambientais. A direção da empresa, entretanto, afirma que investimentos estão sendo feitos na ETE. Há, também, denúncias de que indústrias estariam fazendo o lançamento de esgoto, sem o devido tratamento. O problema gerou uma ação civil pública do Ministério Público e foi parar, até, na delegacia. Contudo, ao que parece, a situação ainda está longe de ser resolvida e, enquanto isso, o Ribeirão Antas “grita” por socorro. Se as providências demorarem muito a chegar, pode ser muito tarde.

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Meio Ambiente

Ibama-DF promove fiscalização no lago de Corumbá

05/07/2018

Inspeção feita pelo Ibama do Distrito Federal no reservatório (lago) da UHE Corumbá IV, flagrou diversas infrações, com...

Número de queimadas já é maior que o do primeiro semestre de 2017

05/07/2018

Embora ainda não esteja em seu ponto crítico, o número de queimadas em Anápolis praticamente dobrou até o final de junho...

MP sugere área de proteção no Piancó

28/06/2018

Com o objetivo de aproveitar as tratativas para a aplicação de um novo modelo de gestão para a exploração dos serviços ...

Transposição de águas do Capivari para o Piancó não garante licença para novos condomínios

07/06/2018

A transposição de água do Ribeirão Capivari para o Ribeirão Piancó, onde ficam as bombas de propulsão que remetem a ch...