(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

RETROSPECTIVA 2017 - Após era PT, Governo de Roberto Naves teve ano com muitos desafios

Geral Comentários 29 de dezembro de 2017

Obras inacabadas, falta de medicamentos, dívidas com fornecedores e dívidas trabalhistas foram alguns deles


O primeiro dia do ano de 2017 foi marcado pela posse do Prefeito Roberto Naves (PTB) e de sua equipe. O petebista venceu as eleições de 2016, derrotando o, então, candidato do PT, João Gomes, que buscava a reeleição para o cargo. No mesmo dia, aconteceu a posse dos 23 vereadores também eleitos no pleito de outubro de 2016. O parlamento foi renovado em 2/3 de sua composição. O Vereador Amilton Filho (SD), foi eleito para presidir a Casa por dois anos.
Com a equipe, ainda, parcialmente montada, Roberto Naves lançou o primeiro programa da gestão: a Operação Resgate, com o objetivo de limpar a Cidade. Não demorou, e o chefe do Executivo descobriu uma dívida de cerca de R$ 24 milhões com a GC Ambiental, que chegou a paralisar os serviços, mas logo, a crise foi equacionada e o serviço retomado. Também, nos primeiros dias da Administração, outra crise: a falta de medicamentos no estoque da Saúde. As compras não estavam regulares e foi preciso abrir procedimentos licitatórios para as novas compras, além do pagamento a fornecedores.
Na área de infraestrutura, a Prefeitura retomou as obras de construção dos viadutos da Avenida Brasil que estavam paralisadas. Quando os serviços foram iniciados, revelou-se a necessidade de desvio de adutoras de água da SANEAGO que estavam sob a edificação. O que exigiu novos projetos e mais recursos para a obra.

Promotor
investigado
No começo do ano, uma notícia abalou a Cidade: o Promotor de Justiça Marcelo Henrique dos Santos, da Curadoria de Saúde e do Terceiro Setor, foi afastado de suas funções. Ele foi alvo de uma investigação, apontando suposta participação em um esquema de desvio de dinheiro da Universidade Estadual de Goiás, através da ONG Funser (antiga Funcer).
Em março, o ex-Prefeito João Gomes deixou o Partido dos Trabalhadores. Pouco depois, foi convidado para a Secretaria Extraordinária de Habitação e, logo em seguida, foi para o PP, partido comandado pelo Senador Wilder de Morais, que faz parte da base marconista.
Em março, Anápolis comemorou o Dia Internacional da Mulher. Na última eleição, foram eleitas quatro vereadoras: Professora Geli (PT); Thaís Souza (PSL), Vilma Rodrigues (PSC) e Elinner Rosa (PMDB). A maior bancada feminina já eleita na história da Casa.
Anápolis reconquistou a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico (antiga Indústria e Comércio). O empresário Francisco Gonzaga Pontes foi o escolhido para conduzir a Pasta.
No balanço dos 100 dias de Governo, o Prefeito Roberto Naves anunciou que o Município estava com suas contas atuais no azul. Embora, com dívidas antigas milionárias e vários acertos trabalhistas a serem feitos.
No mês de maio, a Justiça Eleitoral cancelou mais de 8,4 mil títulos de eleitores de Anápolis, por falta de regularização. No mês de setembro, o Tribunal Regional Eleitoral anunciou o remanejamento de 46 mil eleitores da 137 zona eleitoral para as demais zonas eleitorais existentes no Município.

Obra problema
Um levantamento técnico mostrou que a obra de construção do novo prédio da Câmara Municipal deve consumir mais, pelo menos, R$ 10 milhões para que seja concluída e entregue à comunidade. Cerca de R$ 7 milhões já foram gastos. A obra está, ainda, parada depois de constatadas diversas irregularidades nos projetos, na execução e gestão. O presidente da Casa, Vereador Amilton Filho, acredita que em janeiro deve ser aberta uma nova licitação, para que a obra seja retomada.
No mês de novembro, o Deputado Federal Alexandre Baldy (sem partido) assumiu o Ministério das Cidades, em posse bastante prestigiada no Palácio do Planalto, com a presença do Presidente Michel Temer e vários ministros; do Governador Marconi Perillo e dezenas de outras autoridades políticas e lideranças classistas.
Crise?
O Prefeito Roberto Naves demonstrou descontentamento com o Governo do Estado, por conta do não cumprimento de investimentos da SANEAGO no Município, dentre eles, a transposição de água do Ribeirão Capivari para o Piancó e, também, pela demora nos repasses do programa Goiás na Frente. No mês der dezembro, o Governador falou sobre a retomada das obras e investimentos e fez questão de estar presente na cerimônia do casamento religioso de Roberto e Vivian Naves.
A Câmara Municipal encerrou as atividades legislativas de 2017, com uma sessão extra, votando a Lei Orçamentária Anual e o Plano Plurianual.
O Prefeito Roberto Naves fez o balanço do primeiro ano de Governo, e demonstrou preocupação com o Instituto de Seguridade dos Servidores Públicos de Anápolis, o ISSA, que consumiu cerca de R$ 47 milhões no ano.

Autor(a): Claudius Brito

Clique aqui para ler a página em formato PDF


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Geral

Anápolis no calendário nacional

14/09/2018

O Comitê Paralímpico Brasileiro promoverá, no dia 22 de setembro o Festival Paralímpico, em celebração ao Dia do Atleta...

Diretor da UniEVANGÉLICA fez parte de juri em concurso na Colômbia

14/09/2018

Na primeira semana de setembro, o Diretor do curso de Arquitetura da UniEVANGÉLICA, Alexandre Ribeiro Gonçalves, esteve na ...

Alimentos foram entregues para as instituições

14/09/2018

Uma iniciativa do prefeito Roberto Naves despertou nos atletas anapolinos o desejo de ajudar ao próximo. É que desde janeir...

Feira acontece no final de semana

14/09/2018

Nos dias 14, 15 e 16 de setembro acontecerá a feira Artesanato em Ação, na Praça Dom Emanuel, Bairro Jundiaí, das 14h à...