(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Redes sociais se incorporam ao marketing político

Política Comentários 04 de novembro de 2011

Que político não gosta de estar em plena sintonia com o seu eleitorado e, ainda mais, gastando pouco. As redes sociais tendem a se consolidar neste meio e ajudam as pessoas a conhecerem os políticos


Redes sociais e política dão uma boa combinação. Afinal, que político não gosta de estar antenado com o seu eleitor, podendo expor a eles, em tempo real, as suas ideias, os seus projetos e ações. As opções são variadas: Facebook; Orkut, Twitter, dentre outros. Mas, o que é interessante, mesmo, é que essas ferramentas têm um poder de mobilização que começa a ser descoberto e, se bem utilizado, pode se constituir em um instrumento de comunicação e marketing, ao mesmo tempo, moderno e barato. O gasto maior é o de tempo.
Na Câmara Municipal de Anápolis, o vereador Sírio Miguel (PSB) é twitteiro de carteirinha. Faz posts quase que diários sobre algum tema polêmico debatido na Casa ou, quase que invariavelmente, comenta sobre futebol. Este também é o tema preferido do deputado Romário (PSB) ex-craque do Vasco da Gama e da Seleção Brasileira. O parlamentar utiliza o espaço para falar sobre a sua atuação e também o seu tema preferido: o futebol. Recentemente, ele, que foi comentarista convidado da Rede Record para o evento, deu, também, uns pitacos sobre a participação brasileira nos Jogos Pan Americanos de Guadalajara, via internet. E são comentários bem apimentados.
Os deputados Ronaldo Caiado (DEM) e Sandro Mabel (PMDB), também, estão sempre ligados no twitter trocando ideias com os internautas. Da mesma forma, o deputado Carlos Leréia (PSDB) e o senador Demóstenes Torres.
Dentre os deputados goianos, Túlio Isac (PSDB) utiliza muito as redes sociais e, além de comentários políticos, gosta, ainda, de postar mensagens filosóficas. O ex-presidente da Assembleia, Jardel Sebba (PSDB) e o petista Mauro Rubem são outros que mantêm contatos diários com os internautas. A lista é bem extensa, mas não chega a ser maioria os que, efetivamente, utilizam as redes sociais com frequência para estar em contato com a população.
De qualquer forma, as redes sociais tendem a ganhar espaço entre os políticos e, na próxima campanha eleitoral, serão sem dúvida uma “arma” a mais para conquistar eleitores. Nas eleições presidenciais nos Estados Unidos, Barack Obama montou um forte esquema com a internet, inclusive, visando arrecadar recursos para a campanha e foi um enorme sucesso. A campanha presidencial no Brasil, também, teve a internet como vedete e um dos fenômenos eleitorais, a candidata Marina Silva, então no Partido Verde, foi muito beneficiada com a divulgação de usuários das redes sociais.
Alguns números ajudam a reforçar a importância da internet. No Brasil, segundo pesquisas, em torno de 80 milhões de pessoas acessam a rede mundial de computadores pelo menos uma vez por semana. E esse número tende a crescer à medida que a banda larga vai se popularizando com incentivos governamentais.

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

Baixe o PDF de Edições Anteriores

Arte em Propaganda Arte em Propaganda

+ de Notícias Política

Ronaldo Caiado acusa Governo de usar dados para mascarar crise do Estado

08/11/2018

O governador eleito Ronaldo Caiado (Democratas) cobrou maior transparência nos dados repassados à equipe de transição pel...

Partido realiza ação social em prol da Casa Joana

08/11/2018

O Democratas Mulher Anápolis irá realizar nesta sexta-feira, 09, a partir das 09 horas, em Anápolis, uma manhã odontológ...

Vereador exige explicações para aumento da energia elétrica em Goiás

08/11/2018

O vereador João da Luz (PHS) informou na tribuna, durante a sessão ordinária da última quarta-feira,07, que esteve em Bra...

Ronaldo Caiado terá muitos desafios para enfrentar em sua terra natal

02/11/2018

Não dá para falar que se trata de uma “herança maldita”. Mas, dá para dizer que os “gargalos” de Anápolis vão o...