(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Rapper gospel prepara lançamento do 2º CD

Cultura Comentários 30 de julho de 2015

Japão MC não tem apoio financeiro e usa sua música para evangelizar


Traços fortes e imponentes, visual arrojado e cara de mau. A caracterização é para compor o músico e artista Japão MC. Rapper há três anos, Luciano Sakai disse que começou a compor quando ganhou de Deus o dom pelas rimas. “Comecei quando Deus me deu o dom da rima. Aí, logo escrevi meu primeiro rap”, diz.


As letras das músicas de Japão MC falam de Deus. Geralmente, as apresentações acontecem em igrejas e casas de reabilitação. O dom pelas rimas, como diz o artista, começou quando Luciano já tinha 39 anos. No começo, ele tentou fazer músicas seculares, mas disse que só se sente realizado falando de Deus. “Eu fiz alguns raps seculares, mas, quando escrevi meu primeiro rap evangélico, vi que era isso que eu queria fazer mesmo”, conta.


Luciano Sakai nasceu em um lar cristão. Todavia, durante a juventude conheceu um mundo atrativo e ficou um tempo fora da igreja. Aos 39 anos, voltou a ter comunhão com Deus. E foi nesta mesma época que iniciou o seu ministério. “Eu me desviei e, durante 25 anos, andei pelo mundo das drogas. Mas, hoje, uso meu testemunho para resgatar aqueles que estão como eu estive, porque sei que quando estamos com Deus nova criatura somos”, explica o artista.


O novo CD, intitulado ‘Um aprendiz’, conta com 14 faixas, todas falando do amor de Deus. A música de trabalho fala sobre um Deus misericordioso, que estende a mão para seus filhos, que não se esquece deles em nenhuma hora e fala da maravilha de poder acreditar neste Deus. O primeiro CD gravado pelo artista tem 11 faixas e ganhou o nome de ‘Resgatado’.


Ministério - A música na vida de Japão MC é um ministério. Ele grava os CDs de forma independente, sem apoio financeiro de nenhuma igreja e só vê alguma compensação financeira com as vendas do disco. “O retorno financeiro é muito pouco. Uso minha arte pra evangelizar mesmo”, diz.


Luciano, também, é artista de rua. Toca saxofone em um sinaleiro da avenida Brasil, em Anápolis. Casado, tem em sua esposa uma apoiadora no ministério. “Minha maior alegria é ver jovens entendendo a mensagem que quero passar pra eles”, finaliza.

Autor(a): Ana Claudia Oliveira

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Cultura

Divulgada a lista dos filmes que vão concorrer no 8º Festival de Cinema

20/12/2018

Com o número recorde de 249 inscrições, a 8ª edição do Anápolis Festival de Cinema (AFC) já tem os 24 filmes selecion...

Peça enfoca obsessão por atuar e dramas existenciais

13/12/2018

Um ator obcecado pela atuação em uma peça entra em confronto com os dramas de sua existência. Esse é o ponto de partida ...

Escola de Artes “Oswaldo Verano” comemora 50 anos

07/12/2018

Há 50 anos começava uma história de dedicação ao ensino artístico na cidade. Nascia a Escola de Artes Oswaldo Verano, e...

Espetáculo resgata atrizes de Hollywood em Anápolis

23/11/2018

A busca de refúgio da vida turbulenta pela fama, recomeço após frustrações na carreira ou simplesmente aproveitar as fé...