(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Quatro homicídios em uma só noite

Violência Comentários 21 de dezembro de 2014

Dois homens e duas mulheres foram mortos em locais diferentes


Poucos dias depois de a Polícia Civil anunciar a redução do número de homicídios, a Cidade foi abalada pela notícia de quatro assassinatos em uma só noite em Anápolis. Até, então, vinha se registrando uma média, no ponto de vista policial, aceitável, contrastando com o que ocorria até 60 dias atrás, quando os casos dessa modalidade de delito se multiplicavam. Os crimes registrados na noite de quarta (17) para quinta (18), a princípio, não têm qualquer correlação, muito embora as características sejam de pistolagem (crime encomendado ou execução) já que as vítimas não tiveram chance de reagir.
O caso que chamou mais a atenção foi o da morte de duas mulheres: Núbia Moreira Máximo, de 30 anos e Estela Alves Feitosa, de 36. Ambas foram assassinadas a tiros de revólver, no interior de uma casa que fica na Rua 9, Residencial Copacabana. O crime teria ocorrido por volta de duas horas da manhã e foi comunicado ao Plantão Policial pelo cunhado de Núbia, de nome Vanderley. Ele não soube dar maiores detalhes sobre o acontecimento. De acordo com policiais que trabalharam no caso, o conjunto, onde residem mais de 1.200 famílias, tem um histórico de muita violência. Mas, conforme se justificou, no local impera a “lei de silêncio” onde é praticamente impossível se obter informações por parte de eventuais testemunhas dos crimes. “Ninguém quer se envolver”, disse um agente.
Mais dois
Outro assassinato registrado na quinta-feira teve como vítima Bruno Henrique de Souza, 25 anos. A mãe dele, Maria do Socorro, residente no Setor Bougainville, disse que quatro homens armados chegaram à sua casa e se identificaram como policiais e que teriam um mandado de prisão contra ele. De acordo com a mulher, seu filho teria dito aos homens que eles não eram da Polícia. Foi quando um deles sacou uma pistola e efetuou vários disparos contra Bruno, que morreu na hora. A Polícia Civil ficou sabendo que este rapaz havia sido vítima de tentativa de homicídio há poucos dias, em Goiânia, onde residia há oito anos. Ele estava em Anápolis, justamente, fugindo de seus perseguidores. Os autores não usavam nenhum disfarce.
O quarto crime de morte registrado no Plantão de quarta para quinta feiras ocorreu às margens da BR 153, região do Bairro das Bandeiras, pouco mais das 18 horas, perto de uma passarela para pedestres. A vítima foi Maycon Douglas dos Anjos Gonçalves, de 20 anos. Sua mãe, Alessandra Francisca, disse que Maycon era egresso da Cadeia Pública Municipal, onde cumpria pena por tráfico de drogas e que havia saído há menos de um mês. A companheira de Maycon, Juliana Rayane, disse que ele, na madrugada anterior, recebera um telefonema onde um homem que disse textualmente: “Todo mundo, um dia, morre”. A família, como nos casos anteriores, não soube dar maiores explicações. Nos quatro casos a Polícia Civil trabalha com diferentes linhas de investigação e não descarta nenhuma hipótese.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Violência

Anápolis aparece em relação das cidades mais violentas do Brasil

09/06/2017

Em 2015, a taxa de homicídios por 100 mil habitantes de Anápolis, ficou em 40,9. Somada às Mortes Violentas com Causa Inde...

Governo diz que Goiás é um dos estados com menor índice criminal

09/06/2017

Os índices de criminalidade em Goiás apresentam queda sequenciada a partir de 2016. Na comparação entre janeiro e maio de...

Judiciário quer ações práticas para reduzir criminalidade em Anápolis

02/06/2017

A busca de soluções para o crescente aumento do índice de criminalidade em Anápolis foi debatida no final da tarde da úl...

Emanuelle Muniz e Emanuelle Ferreira: passageiras da agonia

04/05/2017

Emanuelle Muniz Gomes tinha 21 anos. Era transexual. Bela; extrovertida; meiga, alegre e filha carinhosa. Apesar da pouca ida...