(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Qual seria a raiz da criminalidade?

Violência Comentários 24 de outubro de 2014

Internauta e lideranças de diversos segmentos sociais de Anápolis, avaliam e dão a sua opinião sobre a origem e a escalada da criminalidade no Município


O CONTEXTO trouxe, na edição anterior, um dado alarmante: 95% das vítimas de homicídio na cidade tinham alguma relação com o submundo do crime. A notícia repercutiu nas mídias sociais. Além da opinião dos leitores-internautas, o jornal procurou também a opinião de especialistas e de lideranças de diversos segmentos sociais para investigar a “raiz” da criminalidade em Anápolis .
Para o bispo diocesano de Anápolis, Dom João Wilk, “a escalada da violência é a tempestade que se intensifica, porque os ventos da destruição dos valores também estão aumentando. Portanto, a raiz da violência está na destruição e desagregação dos valores: da pessoa, da família, valores sociais, políticos, culturais, de respeito à natureza”.
“O uso de drogas, sem dúvida, aumenta a criminalidade. Contudo, ao invés de ir a essa relação causa-efeito, gostaria de ir a algo mais radical e muito mais positivo: o resgate da família e de seus valores como ajuda insubstituível para a nossa sociedade. O outro polo também é verdadeiro: a falta de família e de seus valores fragiliza o jovem e o deixa sem o fundamento necessário para conseguir resistir aos atrativos do mal”, analisou Dom João Wilk.
Cauby Moreira Pinheiro é diretor administrativo do Sanatório Espírita de Anápolis. Ele entende que uma das origens da criminalidade é “com toda a certeza, a desestruturação da família. Também a ausência do pai e da mãe do lar, porque estão buscando conquistas profissionais e financeiras para melhorar seu padrão de vida” ele citou também “a ausência da parte moral cristã no seio da família e da sociedade” e, ainda segundo ele, a ausência de Deus e da religião na vida das pessoas, têm levado algumas delas às práticas criminosas.
O tenente-coronel Wilson Brasil Pinheiro Tavares, responsável pelo 3º Comando Regional da Polícia Militar em Anápolis, “o Governo Federal teria que ter uma atuação mais firme” no combate ao crime. Ele acrescentou que, “a cada dia, mais jovens têm entrado no uso e consumo das drogas” e qualificou o sistema de leis brasileiro como “totalmente ultrapassado, frágil” e que “possibilita enxurrada de recursos”. E pontuou que existe a “quase certeza da impunidade” de crimes cometidos.
Pastor titular da Igreja Presbiteriana Pioneira de Anápolis, Weder Barbosa de Oliveira expressou que “é este distanciamento de Deus” um dos fatores que estão na raiz da criminalidade. “Eu penso que a primeira crise institucional é a crise familiar”, acrescentou, abordando que “a sociedade está ruim, porque a família está ruim”. Ele ainda citou problemas de ordem conjugal, financeiros, o fato dos pais não investirem emocionalmente nos filhos como razões que levam a “este desajuste nos filhos”. Outro assunto abordado foi uma crença da igreja, de que as pessoas podem ser regeneradas. Para ele, “isso não isenta a pessoa das suas mazelas passadas. Não é porque a pessoa passou pela regeneração, que ela não tenha que pagar pelos seus erros passados. Isso não a exime da culpa”, pontuou.
Itami Campos, doutor em Ciências Políticas, pró-reitor de pós-graduação, pesquisa, extensão e ação comunitária da UniEvangélica de Anápolis, avaliou que que culpar a estrutura da polícia “é um pouco de simplismo”. Ele indicou o processo de mudança estrutural da sociedade, a migração intensa e a marginalização como elementos que contribuem para uma pressão social nas cidades e, consequente, para a propensão para as práticas criminosas. “Anápolis cresceu muito. Isso afetou a ordem social”. Para ele, a ambição do sistema imobiliário, ao criar locais de ocupação urbana sem estrutura, também “é um dos fatores que contribuem para a desorganização social e contribui para a criminalidade”.
Lucas Cesar Costa Ferreira, promotor de justiça substituto perante a 16ª Promotoria de Justiça de Anápolis, que tem atuação na área de execução penal e tribunal do júri, também deu a sua opinião sobre as origens da criminalidade, citando que a relação dos crimes praticados contra o patrimônio e o de tráfico de droga, são os que apresentam maiores índices de reincidência e estão “intimamente relacionados”. E o fato de a criminalidade ter se proliferado decorre, também, em razão do envolvimento com o submundo das drogas estar espelhado em todas as classes sociais. Para ele, o pior cenário veio com o surgimento do crack, uma droga que “avassala a estrutura familiar, avassala também a perspectiva de relacionamento e também intensifica essa necessidade que o usuário de droga tem de, a todo o tempo, estar consumindo droga e estar buscando qualquer meio que ele vê na frente para poder consumir a droga”,

Autor(a): Felipe Homsi

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Violência

Anápolis aparece em relação das cidades mais violentas do Brasil

09/06/2017

Em 2015, a taxa de homicídios por 100 mil habitantes de Anápolis, ficou em 40,9. Somada às Mortes Violentas com Causa Inde...

Governo diz que Goiás é um dos estados com menor índice criminal

09/06/2017

Os índices de criminalidade em Goiás apresentam queda sequenciada a partir de 2016. Na comparação entre janeiro e maio de...

Judiciário quer ações práticas para reduzir criminalidade em Anápolis

02/06/2017

A busca de soluções para o crescente aumento do índice de criminalidade em Anápolis foi debatida no final da tarde da úl...

Emanuelle Muniz e Emanuelle Ferreira: passageiras da agonia

04/05/2017

Emanuelle Muniz Gomes tinha 21 anos. Era transexual. Bela; extrovertida; meiga, alegre e filha carinhosa. Apesar da pouca ida...