(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

PT apresenta projeto extinguindo os cargos com altos salários

Política Comentários 12 de abril de 2013

Partido dos Trabalhadores alega que novos cargos foram criados sem que houvesse uma ampla consulta aos parlamentares


A bancada do Partido dos Trabalhadores da Assembleia Legislativa apresentou na última terça-feira, 9, o Projeto de Resolução extinguindo os cargos de direção editados na presidência da Casa de Leis por meio da resolução nº1.416 de 2013 publicada no último dia 8 de março. O projeto foi de iniciativa do deputado Luis Cesar Bueno, terceiro secretário da Mesa Diretora, e teve o apoio de toda bancada. O petista justificou que a resolução foi feita “de maneira obscura, sem o conhecimento de nenhum parlamentar”.
O deputado Luis Cesar Bueno, afirmou que não foi informado da resolução, e criticou a credibilidade da proposta, levando em consideração o princípio base que é a transparência. O parlamentar propôs ainda a divulgação de todas as ações da Casa, entre elas a verba indenizatória, os gastos de gabinetes, entre outros na Internet.
O assunto veio a conhecimento após a publicação de uma matéria no jornal O Popular, onde mostrou que o presidente da Assembleia Legislativa, Helder Valin (PSDB), criou novas diretorias e em algumas, o salário salta de R$ 8 mil por mês para R$ 24 mil. Esse salário supera o salário dos deputados estaduais, e também é maior que o salário do governador Marconi Perillo, que recebe exatos R$ 20.042,00 por mês - conforme consta no site do governo.
“Queremos com este projeto acabar com essa sonegação de dados existentes na Assembleia para que tenhamos condições de responder a população, quando questionados sobre a falta de transparência na Casa”, finaliza. A bancada do PT é composta pelos deputados Humberto Aidar, Mauro Rubem, Karlos Cabral e Luis Cesar Bueno.

Adequação
O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Helder Valin (PSDB), após reunião com líderes partidários, informou em entrevista à imprensa, que apresentará nos próximos dias projeto de lei adequando o salário dos diretores da Casa de forma que os vencimentos não ultrapassem o que ganha um deputado estadual (que atualmente é de R$ 20 mil).
Segundo o presidente do Poder, ainda não ficou acertado qual será o novo valor. Helder Valin explicou que o salário dos diretores foi equiparado ao dos procuradores da Casa (que por sua vez é indexado ao dos procuradores do Estado), por meio de projeto de lei aprovado pela Assembleia em 2011, na gestão do então deputado Jardel Sebba.
Segundo ele, o novo projeto de resolução que será proposto vai impedir que qualquer servidor comissionado receba mais que os parlamentares. Valin lembrou ainda que uma série de categorias profissionais como procuradores do Estado, promotores de Justiça, Juízes e até delegados têm salários maiores que os parlamentares.
“Não vejo nenhum demérito aos deputados ou a esses profissionais.” Valin garantiu ainda que o teto constitucional é aplicado aos salários dos servidores do Legislativo, e que nenhum funcionário da Casa recebe salários de forma ilegal. (Com informações do site da Assembleia Legislativa de Goiás)

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Política

Fundo bilionário para patrocinar as campanhas

10/08/2017

Os deputados integrantes da comissão especial que analisa mudanças nas regras eleitorais (PEC 77/03) acabam de rejeitar um ...

Antônio Gomide admite participar de chapa majoritária em 2018

10/08/2017

A pouco mais de um ano para as eleições gerais (Presidente da República; governadores; dois senadores por estado, deputado...

Antônio Gomide admite participar de chapa majoritária em 2018

10/08/2017

A pouco mais de um ano para as eleições gerais (Presidente da República; governadores; dois senadores por estado, deputado...

Dívidas do Estado com a União alongadas em até 240 meses

20/07/2017

Aprovadas na Assembleia Legislativa nas sessões realizadas no período de convocação extraordinária, nos dias 14 e 17 des...