(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Proposta para ampliar o serviço de reciclagem no Município

Cidade Comentários 21 de maro de 2014

O aproveitamento racional de resíduos sólidos é a aposta do Ministério Público e vários parceiros


O projeto “Resíduos Sólidos”, iniciativa do Ministério Público em Goiás e que já funciona em Goiânia, foi apresentado a empresários e lideranças comunitárias de Anápolis na quarta-feira, 19, em encontro coordenado pela Promotora de Justiça Sandra Mara Garbelini, titular da 15ª Promotoria da Comarca de Anápolis, no auditório da Delegacia Fiscal. O objetivo foi mostrar os avanços já alcançados; expor as atuais necessidades e agregar mais parceiros para que a coleta seletiva solidária seja efetivamente encampada pela população local. Para o grupo de trabalho que trata o tema há mais de um ano na Cidade, os resultados foram altamente satisfatórios. Um grande shopping, por exemplo, de imediato, colocou à disposição da Coopersólidos (cooperativa de recicladores) todo o material reciclável gerado pelas quase 200 lojas ali instaladas, acordo que será formalizado entre as partes nos próximos dias. A representante da Companhia Hering afirmou que aquela empresa pretende, também, ser uma colaboradora permanente para a expansão da cooperativa.ACâmara de Dirigentes Lojistas doou um micro-ondas para a cozinha dos trabalhadores. A Ambev e a montadora CAOA Hyundai, também,se comprometeram a verificar uma melhor forma de colaboração. Serão feitos, ainda, contatos com o Banco do Brasil sobre as linhas de créditos existentes para investimento futuro na área.

Situação atual
A cooperativa de Anápolis, atualmente, conta com cerca de 30 associados e foi impulsionada com o início do projeto do MP em junho de 2013, em parceria com o projeto Catasol da UFG e a própria Administração municipal, a partir de audiência pública realizada na Câmara Municipal de Anápolis em abril daquele ano. Na ocasião, foi formado, também, um grupo de trabalho que reuniu representações do MP, UFG, Executivo e Legislativo municipais, catadores de materiais recicláveis e Executivo Estadual, dentre outros colaboradores, quando foi possível reunir os catadores interessados em reativar a proposta já existente de uma cooperativa, organizando-os para o trabalho. Está em curso a sua regulamentação formal junto aos órgãos competentes. De lá para cá, a área onde existia um pequeno galpão para triagem ganhou fôlego ao receber uma nova estrutura, fruto de parceria entre governos Federal, Estadual e Municipal para o trabalho dos cooperados.
Existe, ainda, uma preocupação com quase uma centena de pessoas que coletam, diretamente, o lixo do Aterro Sanitário que, aliás, atualmente atende à maioria das normas ambientais e que, inevitavelmente, deverá resultar na retirada desses catadores daquele local, em cumprimento à Lei n° 12.305/2010, que exige o encerramento dos lixões ate agosto de 2014. Foi possível, por meio de mediação, retirar crianças do local, inserir famílias em programas sociais, fazer o cadastramento de todos, sempre com o anseio para que trabalhem juntos à cooperativa.

Coleta
O trabalho de coleta seletiva já alcança 48 bairros da Cidade. Mas a chegada dos novos cooperados exige que os lucros alcançados possam garantir o sustento a todos. Hoje, os participantes da cooperativa conseguem obter uma renda em torno de R$ 700,00. Segundo os expositores da audiência pública, para conseguir a adesão daqueles que coletam diretamente os resíduos é preciso que eles consigam manter e aumentar o a receita habitual, e que consigam fazê-lo com a devida dignidade, desfrutando de qualidade para a realização de um trabalho que não os exponha à insalubridade. Isto inclui a aquisição de equipamentos mecânicos; de proteção individual; recursos materiais para a montagem de um escritório; capacitação para gestão de negócios; ampliação e integração dos galpões existentes; realização de campanhas de educação ambiental e a adesão de comerciantes na doação de seus materiais descartáveis, mas recicláveis.
A Câmara de Dirigentes Lojistas, com cerca de 1.500 associados, e a Associação Comercial e Industrial de Anápolis, com um quadro de quase 1.600 inscritos, se prontificaram em replicar, via e-mail, as necessidades apresentadas pelo Ministério Público e terão até 04 de abril para o envio de suas propostas de doações e sugestões.Naquela data, o grupo de trabalho se reunirá para avaliar os resultados da estratégia. Antes disso, entretanto, a promotora de Justiça Sandra Mara Garbelini adianta que será feita uma visita ao aterro sanitário, junto com a equipe da prefeitura, e do MP para sensibilizar os catadores para as novas perspectivas.O projeto do Ministério Público de Resíduos Sólidos é coordenado pelo Centro de Apoio Operacional do Meio Ambiente, com apoio técnico da Coordenadoria de Apoio à Atuação Extrajudicial, a partir da adesão da 15ª Promotoria de Justiça de Anápolis, que tem como titular a promotora Sandra Garbelini.

Autor(a): Nilton Pereira

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Cidade

Monumentos históricos de Anápolis completam 60 anos

13/07/2017

Ignorados por grande parte da população e, até, pelas autoridades governamentais, dois monumentos que ficam no centro de A...

Câmara Municipal de Anápolis vai ter seu hino oficial em breve

15/06/2017

O vereador Teles Júnior (PMN) informou, durante o uso da tribuna, na sessão ordinária da última segunda-feira,12, que pro...

Presidente da UVG defende 13º e férias para os vereadores

09/06/2017

Em visita à Câmara Municipal de Anápolis, na manhã da última quarta-feira,07, o Presidente da União dos Vereadores de G...

Anápolis ainda tem muito caminho para melhorar em informação

02/06/2017

Criada em 2011, a Lei de Acesso à Informação ainda não é aplicável de forma plena por boa parte dos municípios brasile...