(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Promotoria sugere destituição da diretoria e do Conselho da FASA

Cidade Comentários 13 de abril de 2018

Entidade é responsável pela administração da Santa Casa e do Hospital de Urgências


O Ministério Público de Goiás, através da 9ª Promotoria de Justiça de Anápolis, expediu recomendação à Fundação de Assistência Social de Anápolis (FASA) para que destitua a presidente e todos os membros do conselho fiscal da instituição. A recomendação vem no âmbito da apuração de irregularidades na administração da entidade, que teve contas rejeitadas dos exercícios financeiros no período entre 2012 e 2016. A FASA administra a Santa Casa de Misericórdia e Hospital de Urgências de Anápolis “Dr. Henrique Santillo”.
De acordo com o documento, de 1999 a 2015, data da última atualização de cálculo, a FASA recolheu um valor inferior ao devido, ou mesmo deixou de recolher, o FGTS de seus empregados, gerando uma dívida de mais R$ 6 milhões. Embora a omissão tenha sido regularizada, os termos de parcelamento com a Caixa Econômica Federal geraram juros de mora, multa e atualização monetária, causando prejuízo patrimonial. “Além disso, o patrimônio da instituição tem sido dilapidado pelo contínuo atraso do PIS/PASEP, que também resultou em outro termo de parcelamento com juros de mora e multas”, diz o documento. Ainda com relação às irregularidades financeiras, o Ministério Público apurou que a administração da entidade tem atuado como uma “autêntica instituição financeira”, realizando adiantamentos de valores sem controle adequado, com devolução após longo período, sem incidência de juros e correção monetária. A má administração, também, foi atestada por auditoria independente contratada pela própria FASA.
Assim, é apontado que as irregularidades têm afetado os serviços prestados pela Santa Casa de Misericórdia, a ponto de a Secretária Municipal de Saúde comunicar, formalmente, ao MP sobre o descumprimento de contrato com a entidade para a realização de exames médicos e atendimento a pacientes portadores de câncer. Como resultado, o MP tem impetrado mandados de segurança individuais, na condição de substituto processual e na tutela de direitos individuais indisponíveis de pacientes prejudicados.
Outro fato inadequado apurado pela Promotoria é a existência de uma procuração, outorgada pela FASA, que confere amplos e irrestritos poderes a Maria da Glória Fernandes Coelho na gestão administrativa da entidade. Na visão do MP, o documento usurpa as funções que deveriam ser desempenhadas pelo curador e pelo Conselho Fiscal da Fundação, caracterizando uma autêntica burla ao Estatuto Social da entidade.
Como resultado, a Promotoria recomendou aos membros do Conselho Curador da FASA que promovam, no prazo de 30 dias, a destituição de sua presidente e de todos os membros do Conselho Fiscal, com a nomeação de outros membros, na forma do Estatuto Social, preferencialmente com formação jurídica ou em ciências contábeis. Recomendou-se, também, a revogação do instrumento procuratório que confere a Maria da Glória Fernandes Coelho poderes irrestritos na administração da fundação.
Para o Ministério Público, é imprescindível que ocorra a substituição dos responsáveis pela administração da entidade, notadamente pelo fato de que o atual corpo diretivo é diretamente responsável pela rejeição das contas e das demais irregularidades. Nesse sentido, o afastamento se justifica em razão de que, nos termos o artigo 21 do Estatuto Social da FASA, a presidente do Conselho Curador é investida de atribuições executivas, sendo incumbida da administração geral da fundação.
A Promotoria observa ainda que a responsabilidade também recai aos membros do Conselho Fiscal, já que não existe qualquer informação ou comunicação de providências adotadas pelo órgão, que tem autonomia para deliberar sobre todos os assuntos inerentes à entidade, e que, de acordo com o artigo 22, inciso I do Estatuto, devem ser tomadas medidas administrativas necessárias para a adequação da instituição, sob pena de se incorrer em omissão dolosa.
Desta forma, os membros do Conselho Curador da Fundação deverão se manifestar sobre o cumprimento da recomendação em um prazo máximo de 10 dias. Em caso de desatendimento, falta de resposta ou a resposta ser considerada inconsistente, é alertado sobre a possibilidade de adoção de medidas administrativas e judiciais cabíveis, como a decretação de intervenção na fundação. (Assessoria de Comunicação do MP-GO).

Nota de Esclarecimento
A Fundação de Assistência Social de Anápolis - FASA, mantenedora da Santa Casa de Misericórdia de Anápolis e Hospital Estadual de Urgência de Anápolis “Dr. Henrique Santillo”, tomou conhecimento da Recomendação nº 004/2018 da 9ª Promotoria de Justiça de Anápolis em 04 de abril de 2018 e, tão logo, reuniu seu corpo técnico e jurídico para os esclarecimentos necessários. A instituição entende que o Ministério Público cumpre com o seu papel de curador das Fundações e de defesa dos direitos coletivos e acredita que os esclarecimentos mostrarão uma realidade diferente do exposto na carta recomendatória e exposto na mídia. A Santa Casa cumpre, há mais de setenta anos, com seu papel de servir a Anápolis e a mais 160 municípios com saúde de qualidade, extrapolando o limite mínimo de atendimento pelo SUS, estabelecido em Lei de 60%, porém mais de 80% do seu atendimento é pelo Sistema Único de Saúde, sendo o principal instrumento de saúde do município com a disponibilização de centenas de leitos, UTI’s adulto, pediátrica e neonatal, salas de partos, centro cirúrgico, equipamentos de ponta e com mais de 700 profissionais que dedicam experiência e expertise em atendimento médico/hospitalar e humanizado. Por fim, a Santa Casa informa que sofre com a crise de falta de saúde do país, convivendo, por anos, com atrasos mensais de repasses, desalinhamento financeiro e atendendo a obrigações que são do Município e da União, que extrapolam a sua capacidade instalada, o que tem gerado um déficit mensal financeiro. Vale ressaltar que, como o próprio Ministério Público comprova, há inexistência de qualquer desvio de recurso, ou, de finalidade. Todo recurso obtido é empregado em saúde.

Anápolis, 10 de abril de 2018.
Assessoria de Comunicação Fundação de Assistência Social de Anápolis


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Cidade

Nova iluminação já está sendo colocada

20/04/2018

Ruas iluminadas e, consequentemente, mais seguras. De quebra uma redução de 30% no consumo da iluminação pública. Essa ...

Novo Viaduto será entregue dia 23

20/04/2018

A Prefeitura de Anápolis entrega, na manhã de segunda-feira, 23, a obra do viaduto no cruzamento da Avenida Brasil com a Ru...

Câmara realiza sessão especial no Dia do Jovem

20/04/2018

Uma sessão solene foi realizada pela Câmara Municipal de Anápolis em homenagem ao Dia do Jovem, por autoria do vereador Li...

Secretário anuncia licença ambiental on line

20/04/2018

A Câmara Municipal recebeu na sessão da última quarta-feira, 18, o secretário municipal de Meio Ambiente, Wederson Lopes,...