(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Projeto pioneiro transforma lixo em adubo para atividades de jardinagem

Meio Ambiente Comentários 24 de maio de 2018

Ação da Prefeitura com compostagem prevê economia de R$ 20 mil/mês e ampliação da vida útil do Aterro Sanitário


Uma nova ação desenvolvida pela Prefeitura de Anápolis, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Habitação e Planejamento Urbano, prevê o aumento da vida útil do Aterro Sanitário em cinco anos, além da economia de R$ 20 mil reais por mês. A Compostagem Municipal, como foi intitulada, nada mais é que a transformação de resíduos orgânicos, que anteriormente eram despejados no aterro, em terra preta que servirão de fertilizante em hortas, jardins e canteiros da cidade. “É algo que o Brasil inteiro deseja fazer e nós saímos na frente”, disse o diretor de Meio Ambiente, Antônio Zayek.
Cerca de 25 toneladas de resíduos orgânicos – oriundos do Mercado do Produtor e das feiras – e mais 5 toneladas de galhadas – provenientes da poda de árvores – são convertidas diariamente em material fértil, que até então precisavam ser comprados.
O diretor de Meio Ambiente, explicou que ao depositar estes insumos no aterro, o solo do local acabava se desgastando mais rapidamente. “São 30 toneladas de matéria orgânica que deixam de ser um passivo ambiental para a se tornar um ativo, ou seja, solo bom, que é a terra preta”, esclareceu Zayek.
Quem está realizando este trabalho é a GC Ambiental, empresa contratada pelo Município para a coleta de lixo. “Está previsto em contrato. Para mandar este material para o aterro, gastávamos R$ 40 mil reais mensalmente. A compostagem gera um custo de apenas R$ 20 mil, que repassamos para a empresa. Então, além dos benefícios ambientais, temos uma economia considerável”, declarou o secretário municipal de Meio Ambiente, Habitação e Planejamento Urbano, Wederson Lopes.

COMPOSTAGEM
As bactérias decompositoras são fixadoras de nitrogênio e transformam o material orgânico em terra preta, rica em minerais e nutrientes. “O sol bate na planta, ela perde água e fixa carbono. É a fotossíntese. Quando isso ocorre, vira matéria orgânica, mas molha, apodrece e se torna solo orgânico”, explicou o diretor de Meio Ambiente, Antônio Zayek.

Autor(a): Da Redação

Clique aqui para ler a página em formato PDF


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Meio Ambiente

Ibama-DF promove fiscalização no lago de Corumbá

05/07/2018

Inspeção feita pelo Ibama do Distrito Federal no reservatório (lago) da UHE Corumbá IV, flagrou diversas infrações, com...

Número de queimadas já é maior que o do primeiro semestre de 2017

05/07/2018

Embora ainda não esteja em seu ponto crítico, o número de queimadas em Anápolis praticamente dobrou até o final de junho...

MP sugere área de proteção no Piancó

28/06/2018

Com o objetivo de aproveitar as tratativas para a aplicação de um novo modelo de gestão para a exploração dos serviços ...

Transposição de águas do Capivari para o Piancó não garante licença para novos condomínios

07/06/2018

A transposição de água do Ribeirão Capivari para o Ribeirão Piancó, onde ficam as bombas de propulsão que remetem a ch...