(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Programação de cinema atrai público evangélico em Anápolis

Cultura Comentários 28 de novembro de 2014

Lançamentos que abordam questões religiosas, como a película “Deus não está morto”, têm levado às salas de cinema anapolinas caravanas de fieis, em busca das discussões trazidas pelas produções cinematográficas. Público espera o lançamento das produções ‘Questão de escolha’ e ‘Êxodo: deuses e reis’


O público evangélico tem ido mais aos cinemas. As informações são do diretor do Cineprime, que fica no Anashopping, Marcos Fernandes Vieira. “Antigamente, não se exibiam filmes evangélicos”, explicou. “A gente ignorava essa gama de filmes do público evangélico”, continuou, detalhando que há “uma grande aceitação (dos filmes) por parte do povo evangélico”.
Ele relembrou que as igrejas evangélicas não procuravam saber o que estava passando nas telinhas anapolinas, mas que “hoje seus fiéis e dirigentes ligam para saberem que filmes estão passando e indicam (os de sua preferência)”. Um dos lançamentos deste ano, e que atraiu esta fatia do mercado anapolino, foi a produção ‘Deus não está morto’. O filme fala sobre o estudante Josh Wheaton (Shane Harper), que é confrontado pelo seu professor de Filosofia, Jeffrey Radisson (Kevin Sorbo). O mestre, ateu declarado, desafia Josh a provar a existência de Deus.
“Esse aí foi um sucesso absoluto, tanto de crítica, quanto de público”, destacou. Ele apresentou que, quando o filme apresenta a discussão de temas religiosos, 90% do público presente nas salas de cinema é constituído de evangélicos. Outro filme que está sendo esperado por este público é a produção ‘Questão de escolha’, a história de Paul Tyson (Ted McGinley), um marido e pai dedicado e empresário de sucesso que coloca seu casamento em jogo após conhecer Julia (Ana Ayora).
Conforme detalhou Marcos, dirigente do Cineprime, as igrejas já “estão ligando” para ver este filme. Outro lançamento, previsto para o dia 25 de Dezembro, é o filme ‘Êxodo: deuses e reis’, que conta a história do profeta bíblico do Antigo Testamento Moisés (Christian Bale).
Entre os sucessos citados por Marcos que estiveram em cartaz no Cineprime está ‘O Apocalipse’. O filme ‘Noé’, que conta a história deste personagem bíblico, também, foi mencionado por ele. Entretanto, “Noé já não agradou aos religiosos”, pois, de acordo com representantes de algumas igrejas, “não foi focado na Bíblia”.
Ele voltou a destacar que a “falta da programação de filmes evangélicos” afastava este grupo religioso dos cinemas. “Eu sempre tive esta visão”, disse, fazendo referência ao fato dele estar sempre atento às demandas deste público. E, citou que “hoje tem mais produções voltadas aos evangélicos” e afirmou que “em Hollywood, eles estão fazendo mais destas produções”. Este aumento, detalhou, faz com que os pastores enviem os fiéis para o cinema. “Eu acho que a tendência agora é só crescer”, disse sobre a chegada deste tipo de filme ao Município. E afirmou que “não é somente Anápolis” esta tendência.

Autor(a): Felipe Homsi

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

Baixe o PDF de Edições Anteriores

Arte em Propaganda Arte em Propaganda

+ de Notícias Cultura

Inscrições para o Salão Anapolino de Artes abrem-se em 11 de fevereiro

08/02/2019

Um dos cinco eventos do gênero mais concorridos do país e, também, o que há mais tempo é realizado na Região Centro-Oes...

Orquestra de Violeiros de Anápolis será atração em Goiânia

08/02/2019

Repertório essencialmente da cultura no Cerrado e danças típicas do folclore local são os ingredientes para uma noite esp...

Divulgada a lista dos filmes que vão concorrer no 8º Festival de Cinema

20/12/2018

Com o número recorde de 249 inscrições, a 8ª edição do Anápolis Festival de Cinema (AFC) já tem os 24 filmes selecion...

Peça enfoca obsessão por atuar e dramas existenciais

13/12/2018

Um ator obcecado pela atuação em uma peça entra em confronto com os dramas de sua existência. Esse é o ponto de partida ...