(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Prefeitura economizou R$ 36 mi nas compras em 2010

Economia Comentários 07 de julho de 2011

Novo sistema adotado para a realização dos pregões, tomadas de preços e licitações, proporcionou uma sistemática economia aos cofres municipais


Durante o ano de 2010 a Prefeitura de Anápolis deixou de gastar nada menos que R$ 36 milhões a mais, em compras para as suas secretarias e departamentos. Isto, segundo o Secretário Municipal de Administração, Edir Gomes Xavier, por conta de uma nova sistemática adotada na aquisição de suprimentos em geral. A principal medida adotada, segundo ele, foi unificar o trabalho, criando-se uma central de compras, ao invés do funcionamento de várias equipes nas diferentes secretarias. “Isto economizou tempo e dinheiro”, justificou o secretário, afirmando que, no início, houve certa dificuldade, mas que, agora, o sistema flui naturalmente.
Edir Gomes Xavier disse que adotou o modelo que aprendeu quando trabalhou no Banco do Brasil. “O Banco tem milhares de agências espalhadas por todo o País e, somente, uma central de compras. Então, uma prefeitura como a de Anápolis poderia, muito bem, funcionar com uma só”, alega. Ele acrescenta que outra medida importante adotada para se economizar na aquisição de bens e serviços para a Prefeitura foi a “Ata de Registro de Preços”. Por este modelo, as empresas interessadas em vender para o Governo Municipal encaminham documento em que constam os preços praticados na operação. Caso a Prefeitura se interesse em adquirir, faz a contra-oferta e compra o que for necessário. Se, depois, houver a necessidade de novas aquisições do mesmo produto, o Governo Municipal já tem um parâmetro de preços e consulta a empresa fornecedora se ela ainda tem interesse em vender mais, pelo mesmo valor. “Isto evita a especulação”, justificou Edir Xavier.
Ainda dentro desse raciocínio, o Secretário disse que foi estabelecida uma nova prática nas licitações. Hoje, a Prefeitura compra por espécie de produto e, não por pacotes como era anteriormente. E, justificou: “Quando queremos comprar canetas, por exemplo, fazemos a licitação somente para canetas. E, assim por diante. Isto impede uma prática antiga em que havia a compra de vários itens através de uma só tomada de preços, muito conhecida como pacote” alegou.
Para Edir Xavier, medidas como estas podem justificar a “sobra” de dinheiro para obras sociais e físicas, numa alusão a críticas de que a Prefeitura esteja “nadando em dinheiro”. Ele disse que o segredo em qualquer instituição, seja pública ou privada, é a economia e a aplicação correta dos recursos disponíveis.

Autor(a): Nilton Pereira

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Economia

Prazo para quitar os parcelamentos de dívidas com a Receita Estadual acaba na próxima segunda-feira

22/02/2018

Na segunda-feira, dia 26, termina o prazo para os contribuintes que parcelaram o ICMS, ITCD e IPVA quitarem seus débitos jun...

Balança comercial de Goiás tem o melhor mês de janeiro em 10 anos

22/02/2018

A balança comercial do mês de janeiro, divulgada pelo governo de Goiás por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômic...

Polo de defesa foi apresentado na embaixada da Suécia no DF

22/02/2018

O projeto de implantação do polo de defesa em Anápolis foi apresentado na embaixada da Suécia, em Brasília, na última t...

Inadimplência das micro e pequenas cresce no Brasil

16/02/2018

Em dezembro/2017 o número de micro e pequenas empresas inadimplentes chegou a 4,937 milhões, de acordo com estudo da Serasa...