(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Prefeito João Gomes revela as prioridades do Governo

Política Comentários 13 de abril de 2014

Empossado no cargo de Prefeito de Anápolis no último dia 04 de abril, por conta da renúncia do então titular, Antônio Gomide, que vai disputar a Governadoria do Estado, o empresário João Gomes, em entrevista exclusiva ao CONTEXTO, fala sobre este desafio, as suas expectativas e as prioridades para da Administração de uma das mais importantes cidades de Goiás. Ele fala, também, sobre o relacionamento com a Câmara Municipal, com os segmentos organizados e com o Governador Marconi Perillo e a sua participação no processo político, como cabo eleitoral de seu partido, o PT


- Como o senhor, agora, encara o desafio de sair da condição de vice para assumir o cargo de prefeito? É difícil essa troca de papel, o senhor acha que não terá problema para que as pessoas, inclusive, na equipe, assumam isso?

João Gomes - Tenho a responsabilidade de dar sequência a um projeto que ajudei a construir. Conheço a máquina e conheço a equipe, na qual tenho toda a confiança, como acredito que ela tenha em mim. É um time que está com um projeto vencedor. Agora, como vou lidar com isso: o Antônio (Gomide, ex-prefeito) tinha o estilo dele e eu tenho o meu, mas o planejamento é o mesmo e o time é um time que está ganhando. O treinador quando pega um time que está ganhando ele vai avaliando cada jogador e vai fazendo a sua leitura. Eu fiz essa leitura enquanto vice e, agora, vou fazer enquanto prefeito. Eu não posso levar em conta, hoje, o meu relacionamento enquanto vice-prefeito; tenho de levar em condição esse relacionamento agora. E a nossa relação de trabalho é boa, mútua e não vejo dificuldade alguma. Não mexemos no time por quê? Porque é um time que está ganhando, como já disse, e só se mexe em time que está ganhando se alguém se machucar ou se cansar e nós não temos nenhuma dessas situações. Estão todos motivados, senti isso na primeira reunião que fizemos. Eu já conhecia a situação da Prefeitura no macro e estou conhecendo no micro. Eu quero é somar às pessoas que querem o bem desta cidade. Para isso nós vamos andar a cidade e conversar com as pessoas. Estamos aqui (no CONTEXTO) por que entendemos o papel importante que vocês jogam como formadores de opinião. Nós queremos ter pessoas conosco que possam dar retorno além daquilo que é meramente a gestão pública, para que não nos acomodemos. Para isso é importante ter essa leitura externa. E quem nos dá essa condição são os formadores de opinião. Estou pedindo isso também para o secretariado.

- O senhor se sente preparado para exercer a autoridade que é conferida pelo cargo de Prefeito? Se for preciso usar dessa prerrogativa dentro de sua equipe, o senhor o fará?

João Gomes - De uma coisa não vou abrir mão nunca que é dar continuidade a esse trabalho e a esse momento bom que Anápolis vive, ou seja, não vou abrir mão daquilo que é do interesse público e que está afeto à vida da cidade e do seu povo e, com certeza, autoridade é para isso. Mas a autoridade não é para oprimir. Eu tenho isso muito claro e é um princípio bíblico. Temos a humildade de reconhecer as dificuldades que também tenho e peço a Deus cobertura para ter serenidade, tranquilidade e sabedoria. Nós podemos melhorar o que temos ou piorar, vai depender muito das atitudes e é por isso que quero ouvir as pessoas. Mas, se for preciso dar a “canetada”, não tem problema, estamos tranquilos em relação a isso. O Antônio Gomide, nosso ex-prefeito, hora nenhuma se furtou disso. Sempre que precisou, ele tomou as decisões na hora certa, por que muitas delas não podem ser retardadas. Agora, eu não posso perder de vista, e nem os secretários, que nós somos servidores. A Prefeitura é o maior prestador de serviços de Anápolis e é na qualidade dos serviços prestados que somos avaliados. Então, temos que buscar o melhor a cada dia.

- O senhor está recebendo uma Prefeitura onde o seu antecessor teve um governo muito bem avaliado no primeiro mandato e no começo do segundo mandato. Claro, isso é um desafio. Como o senhor pretende fazer para manter para manter esses índices de aceitação e qual marca pretende deixar?

João Gomes - O grande desafio é dar continuidade a esse projeto exitoso que começou lá em 2008. Antes mesmo de assumirmos a Prefeitura nós fizemos um planejamento e a partir daí viemos tocando esse planejamento. Eu ajudei a fazer, executar e monitorar as ações desse planejamento. Então, o nosso desafio é não deixar desacelerar e não perder esse ritmo e, para mantê-lo, não podemos perder o foco. Se não, saímos do planejamento. Então, a primeira coisa foi manter a equipe que já está comprometida com este planejamento e está dando certo. Em relação à marca, nós entendemos que ela está inserida dentro do nosso slogan: “A Cidade de todos”, porque nós temos de contemplar a todos, do cidadão que mora nos bairros mais distantes, nos distritos àqueles que moram nas regiões mais centrais. Então, digo que a nossa grande marca é o trabalho. A cidade pode ficar tranquila, as pessoas que nos conhecem sabem quem é o João Gomes. Vamos trabalhar e trabalhar muito, eu não tenho preguiça. Nós vamos dar o exemplo com a nossa vontade e a nossa disposição. Anápolis custou muito a ter uma gestão que fizesse a diferença e essa diferença precisa ser mantida e vamos trabalhar incansavelmente para isso.

- Tem algum setor, em especial, que a sua Administração deverá priorizar?

João Gomes - Tem sim e em todas as pastas. É o atendimento. Eu acho que nós temos de investir neste espírito de que somos servidores e precisamos de nos esforçar para prestar um bom serviço para a população, porque quem está à nossa frente, à frente das demandas é o nosso patrão, é quem paga a conta. Nós queremos que os processos que chegarem à Prefeitura tenham mais celeridade. Nós já estamos fazendo isso desde 2009, mas quero dar uma atenção especial a isso. Aonde tiver um agente público nosso, ele tem de saber que ele está ali para servir, atender bem à população e buscar resolver as suas demandas.

- Enquanto vice-prefeito, o senhor teve oportunidade de estar próximo das pessoas e, certamente, ouviu muitas reclamações sobre atendimento e talvez por isso essa preocupação. Qual seria, hoje, dentro da máquina administrativa, o setor que peca mais?

João Gomes - É verdade, pode ter um que peca mais ou menos. Mas é preciso ver também que há uns setores que são muito mais complexos do que outros. A Cidade tinha no passado uma cultura do “ajeitamento” e isso está acabando. Nós vivemos numa época diferente. Então, precisamos entender que esse negócio de começar fazer para ajeitar depois só cria dificuldade para todo mundo. Os setores que prestam serviços diretos à população dentro da Prefeitura, como habitação, uso de solo, cadastro imobiliário e licenciamentos, estão entre que têm uma complexidade maior de resolutividade. E, quem vem buscar os serviços quer as coisas rápidas, mas, nem sempre, ele traz a parte dele pronta também. Então, a ideia é fazer um check list, ou seja, uma lista de obrigações para o contribuinte no tocante àquilo que ele busca da Prefeitura. Daí, não vamos montar um processo se não estiver com esse check list pronto, porque se recebe começa a contar prazo, vai atropelando e depois tem de fazer de novo e leva mais tempo. Então, a gente precisa que o contribuinte faça a sua parte e a Prefeitura tem que fazer a dela, dando a informação e a orientação correta. Nós já havíamos iniciado isso em reuniões com o CREA, com os setores ligados à engenharia, ao setor imobiliário. Nós estamos conversando e buscando um encaminhamento melhor para tudo isso.

- Que relacionamento o senhor espera ter com a Câmara Municipal, sabendo que este é um ano eleitoral alguns vereadores que fazem parte da base de sustentação do Governo Municipal, estão em partidos que estão alinhados ao Governador Marconi Perillo (PSDB)? O senhor acha que mantém unida essa base, nesse processo político por que estamos passando?

João Gomes - Nós sempre tivemos uma relação muito boa, respeitosa e de resultados com a Câmara Municipal. Se tem uma coisa que não deu ruídos nestes cinco anos é o relacionamento com o Poder Legislativo, devido ao respeito que temos para com o mandato dos vereadores. Em razão disso, na segunda-feira (07) eu estive lá na reabertura dos trabalhos da Casa e tive a grata satisfação de estar com os 23 vereadores, cada um dentro do seu segmento, do seu partido. Não tem nenhum problema e eu fui lá para reafirmar esse compromisso; para reafirmar o nosso desejo de que essa relação produtiva tenha continuidade, porque isso tem dado resultados bons. Os vereadores são pessoas que estão ali porque gostam de Anápolis e querem o melhor para a Cidade. E eu disse a eles que quero continuar discutindo com as pessoas, como eles, que querem o bem da Cidade, em cada segmento. Os 23 vereadores fizeram uso da palavra, eu ouvi a cada um e saí dali extremamente motivado com o apoio que me foi hipotecado e a disposição de estarmos juntos nesse diálogo. Então, nós vamos trabalhar, cada vez mais, para melhorar esse relacionamento e não só com a Câmara Municipal, mas com todos os segmentos organizados de Anápolis.

- E o relacionamento que o senhor deve ter com o Governador Marconi Perillo, sendo que, no cenário atual da sucessão, poderemos ter aí um antagonismo entre o PT e o PSDB?

João Gomes - Eu diria que Anápolis não é uma ilha. Ela é uma cidade do Estado de Goiás. O Governador é Governador para todas as cidades. Temos tido boas parcerias, uma relação institucional republicana de muito respeito e eu espero esse mesmo tratamento porque de minha parte, o Governador Marconi Perillo vai ter. Vamos tratar com ele coisas de interesse de Anápolis. Temos alguns projetos e convênios que estão para serem assinados ou estão em andamento. Então, nós estaremos juntos conversando sobre isso. Não tenho a menor dificuldade de manter essa relação, em função do que isso representa para a Cidade. Ele sempre falou que é governador de Anápolis.

- Hoje, o senhor atua no campo político administrativo. Mas a sua trajetória está ligado à atividade empresarial e as associações de classe ligadas ao setor produtivo, notadamente a ACIA, da qual faz parte como diretor e a Associação Comercial e Industrial de Anápolis tem demandas que são conflitantes com a Prefeitura. Como espera lidar com isso?

João Gomes - Com tranquilidade, com serenidade como temos feito até aqui. Nestes cinco anos, temos tido uma boa relação com toda a classe empresarial e como interlocutor do Governo na gestão do ex-prefeito Antônio Gomide com esse segmento, sempre tivemos uma convivência boa e produtiva. Entendo as angústias e as dificuldades deles e conheço as nossas, do Município. E o que nós queremos é ser parceiros dos empresários, este segmento que gera emprego, gera renda e que briga, gosta e ama, também, a esta cidade. Nós vamos dialogar muito para cada demanda que chegar.

- Quanto ao funcionalismo, qual é o direcionamento que o seu governo deve dar para este segmento?

João Gomes - Tivemos muitos avanços com o funcionalismo. Os servidores, nestes cinco anos, foram tratados com respeito, com dignidade e tiveram todos os seus direitos garantidos. E, se eu tenho uma Cidade aonde eu quero proporcionar uma melhor na qualidade de serviços, quem presta esses serviços são os nossos funcionários e eu preciso tê-los motivados. No meu discurso de posse eu disse que gostaria de contar com essa alegria e determinação dos servidores que serão meus parceiros e eu acredito na capacidade do nosso funcionalismo.

- Qual será o papel ou a sua participação neste processo eleitoral em que deveremos ter um candidato do PT e de Anápolis?

João Gomes - Eu faço parte do conselho político do Estado (no Partido dos Trabalhadores) e dentro dele vou atuar naquilo que for possível. Agora, o principal que nós temos de fazer neste momento é manter uma boa gestão na Cidade. Então, estes serão os meus papeis.

- O senhor já vislumbra algum projeto político para além de 2016?

João Gomes - A preocupação inicial é fazer com que as coisas possam continuar acontecendo. Então, nesse momento, a preocupação está voltada para a gestão e no campo político, para as eleições de 2014: a reeleição da Presidente Dilma e a eleição de nosso pré-candidato ao Governo de Goiás, Antônio Gomide. Então, temos de pensar uma coisa de cada vez. Vamos fazer um bom trabalho para que a gente possa prospectar um futuro de continuidade. Claro que o desejo é esse, mas nós precisamos construir e pavimentar essa estrada, para que a gente possa andar nela sem dificuldade.

- Qual o sentimento que o senhor tem, pessoalmente, em estar assumido este desafio de administrar uma das mais importantes cidades de Goiás?

João Gomes - O sentimento é de muita gratidão. Porque se sou prefeito hoje é devido a que, a partir de 2008, a Cidade confiou em mim e depois, novamente, em 2012. Anápolis respaldou esta dupla Antônio Gomide e João Gomes. Então, tenho muita gratidão a todos os que gostam e torcem por nós. Isso gera em nós uma responsabilidade. Estamos diante de um desafio grande que é dar sequencia a um projeto exitoso. E, eu deixo a mensagem de que o carinho que tenho por Anápolis, junto com a minha disposição, vou dar o melhor de mim; vou buscar o melhor de nossa equipe. O Município pode contar com alguém que vai trabalhar dia e noite. Fiz isso enquanto vice-prefeito e, agora, com certeza, vou trabalhar muito mais porque Anápolis merece. Foram muitos anos de atraso.

- A administração tem procurado imprimir a marca do planejamento e, dentro disso, muitas coisas que o senhor irá realizar já estão dentro desse planejamento. Mas, o que o senhor pretende acrescentar ao que foi planejado, dentro da sua gestão?

João Gomes - Neste primeiro momento, em respeito até ao que foi e está planejado, nós vamos dar sequencia. Entretanto, numa cidade do porte de Anápolis, as demandas surgem todos os dias. Num dia, a comunidade de um determinado bairro quer o asfalto; o asfalto chega aí querem uma praça, uma unidade de saúde ou uma creche. Então, tem muitas demandas, algumas antigas e as que vão surgindo. Nós asfaltamos cerca de 80 bairros em cinco anos. Então, nesses bairros, as demandas são outras, não é mais o asfalto. Vamos trabalhar muito com a nossa equipe, ouvindo as suas ideias e ouvindo a Cidade para que possamos trazer os reais anseios da população para o nosso planejamento de 2015, porque o atual está em curso. Nós temos, agora, a questão do Hospital Municipal para melhorar; temos a Unidade de Pronto Atendimento que vamos inaugurar para melhorar o atendimento à população. Não são projetos do João Gomes, são demandas da sociedade que temos de atender. Estamos fazendo o tapa-buracos, por exemplo, que é uma coisa sofrível, porque temos uma malha viária muito antiga. Você tapa um buraco aqui, surge outro ali. É igual fazer remendo em roupa velha. Mas nós estamos fazendo e vamos intensificar a partir de agora com o período da estiagem.

Autor(a): Vander Lucio Barbosa / Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Política

19 prefeitos assinam filiação ao PSDB

18/08/2017

Os deputados estaduais Manoel de Oliveira (PSDB), Santana Gomes (PSL), Francisco Oliveira (PSDB), Charles Bento (PRTB), Gusta...

Fundo bilionário para patrocinar as campanhas

10/08/2017

Os deputados integrantes da comissão especial que analisa mudanças nas regras eleitorais (PEC 77/03) acabam de rejeitar um ...

Antônio Gomide admite participar de chapa majoritária em 2018

10/08/2017

A pouco mais de um ano para as eleições gerais (Presidente da República; governadores; dois senadores por estado, deputado...

Antônio Gomide admite participar de chapa majoritária em 2018

10/08/2017

A pouco mais de um ano para as eleições gerais (Presidente da República; governadores; dois senadores por estado, deputado...