(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Polícia continua agindo mesmo com a falta de vagas na Cadeia

Segurança Comentários 29 de janeiro de 2012

Segundo o comando regional da Polícia Militar, o objetivo do trabalho é mostrar para a sociedade que a instituição está ativa e vai continuar efetuando prisões, independentemente da falta de locais para os presos


Na tarde da última quinta-feira, 26, os batalhões da Polícia Militar de Anápolis, contando com o com apoio operacional da Polícia Civil; Juizado da Infância e da Juventude; Companhia Municipal de Trânsito e Transporte (CMTT) e o Gabinete Municipal de Gestão Integrada (GGIM) realizaram a Operação Saturação, que contou, também, com o suporte do helicóptero da PM, enviado pelo comando da corporação na Capital.
Por volta das 14h30 houve uma concentração entre as corporações e os órgãos envolvidos na operação, na sede do 4º Batalhão. Debaixo de forte chuva, o comandante da 3ª. Regional da Polícia Militar, coronel José Moacri Pimentel orientou a tropa que independentemente dos problemas que a Cidade atravessa, em relação à questão dos presos, seja nos Presídio ou nas Delegacias “a PM vai continuar fazendo o seu trabalho. Esse não é um problema da Polícia Militar, o nosso compromisso é com a sociedade”, disse, acrescentando que a operação, inclusive, tem o sentido de trazer tranquilidade à comunidade. “Nós estamos dando um recado para a bandidagem, que aqui em Anápolis não é lugar de delinquir”, disparou, acrescentando que a mega operação consistiria em abordagens e pessoas e veículos, verificação do uso de drogas, ilícitos envolvendo menores, etc. “É um trabalho importante e o nosso Comando Geral enviou o helicóptero para dar mais visibilidade às ações”, disse. O comandante, também, reportou aos policiais que, hoje, a sociedade aceita e entende a necessidade das abordagens policiais, “mas desde que estas sejam respeitosas e dentro da lei”, frisou.
O Coronel Pimentel destacou que, independentemente da operação, a PM estará presente e fazendo as prisões que forem necessárias. A Rádio Patrulha Aérea, comandada pelo Major Ricardo Mendes veio com uma equipe de três atiradores. Mas, esse grupo só é acionado em caso de extrema necessidade. O apoio do helicóptero, entretanto, dá maior amplitude às operações militares, por que atinge um raio bem maior.

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Segurança

Comitiva do Ministério da Ciência e Tecnologia visita a ALA 2

12/10/2017

Na última terça-feira,11, uma comitiva do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) visitou...

Implantação do Polo de Defesa poderá ter linha de crédito federal

12/10/2017

Resultado da reunião ocorrida na última terça-feira, 10, com o ministro da Defesa, Raul Jungmann, o projeto de implantaç...

Fugas expõem fragilidade na segurança da Cadeia Pública

06/10/2017

No domingo, primeiro de outubro, quatro presos conseguiram escapar do Centro de Inserção Social “Monsenhor Luiz Ilc” ap...

ALA 2 começa a se preparar para receber os primeiros caças Gripen

08/09/2017

Denominada de Base Aérea de Anápolis até dezembro do ano passado e, a partir de então, de ALA 2, a unidade local da Forç...