(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Pesquisa mostra perfil do trabalhador anapolino

Economia Comentários 12 de agosto de 2011

Na última década, o número de empregos formais em Anápolis, registrou um crescimento de 105 por cento. Pesquisa mostra, ainda, que os homens são maioria entre os que têm empregos com carteira assinada


O número de empregos formais em Anápolis dobrou em uma década, segundo consta no Boletim de Desenvolvimento Econômico da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, com base em dados da Relação Anual de Informações Social (RAIS) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Os dados são bem interessantes. Para se ter uma ideia, no ano de 2000, o Município contava com 40.123 empregos formais, fechando a conta, em 2010, com 82.172 colocações oficiais. O crescimento foi de 105%.
A análise do quadro de postos de trabalho gerados no Município por ser econômico, também traz algumas revelações. Por exemplo, o setor de serviços é o que mais gera postos de trabalho formal em Anápolis. Em 2000, a soma era de 16.527, saltando, em 2010, para 34.137. O segmento industrial registrou também um aumento expressivo, indo de 11.253 empregos formais, em 2000, para 22.492 em 2010. Agora, o setor da construção civil cresceu num ritmo ainda maior; no ano de 2000, os empregos formais declarados na RAIS somavam apenas 928. No ano passado, foram 6.393. Em 2009, o número chegou a ser maior: 6.860. Isto demonstra que as empresas estão, cada vez mais, apostando na formação de quadros próprios, em detrimento da alta rotatividade que era comum no setor. O segmento de comércio passou de 10.858 empregos formais em 2000, para 18.385 em 2010. O setor agropecuário tinha 557 empregos formais declarados na RAIS em 2000 e, em 2010, subiu para, apenas, 765.
Em relação à faixa etária, tomando-se com base os dados da RAIS de 2010, a maior parcela de trabalhadores está no grupo de 30 a 39 anos (23.657 empregos), a seguir, estão as faixas etárias de 18 a 24 anos (17.458); 40 a 49 anos (15.733 empregos); 25 a 29 anos (14.680 empregos); 50 a 64 anos (9.112 empregos); até 17 anos (1.029 empregos) e na faixa acima de 65 anos, 503 empregos formais.
Os dados da pesquisa assinalam, também, o quantitativo de empregados formais, em relação ao grau de instrução. Neste quesito, o maior número de trabalhadores tem o ensino médio completo (33.289); 11.792 concluíram o ensino superior; 8.687 têm ensino fundamental completo; 271 são analfabetos; 232 têm mestrado completo e 62 o doutorado completo.
Masculino
O sexo masculino dominou o mundo dos empregos formais em Anápolis ao longo da última década. No ano de 2000, os homens representavam 24.910 empregos declarados na RAIS pelas empresas, subindo para 34.219 em 2005 e chegando a 50.384 em 2010. Já as mulheres ocupavam 15.213 postos de trabalho formais em 2000, passando para 22.126 em 2005 e chegando, no ano passado, com um total de 31.788. Em ambos os casos, o crescimento foi acima de 100%.
Em relação aos rendimentos médios, em 2010, o maior número de empregados formais se situava na faixa de 1,01 a 1,50 salários mínimos, com total de 31.817 trabalhadores. Vinham, depois, as seguintes faixas de rendimento: 1,51 a 2,00 salários mínimos (14.644); 2,01 a 3,00 salários mínimos (14.545); 3,01 a 4,00 salários mínimos (6.006) e 0,51 a 1,00 salário mínimo (4.418).

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Economia

Município cai no ranking goiano de exportações

16/11/2017

Mais de US$ 1,4 bilhão. Este é o valor da corrente de comércio, representada pela soma das exportações e importações f...

Produto Interno Bruto de Goiás registra queda de 4,3% em 2015

16/11/2017

A economia goiana movimentou R$ 173,63 bilhões em 2015, valor R$ 8,62 bilhões acima do registrado no ano anterior (R$ 165,0...

Secretário se compromete a intermediar causas de empresários com a Companhia

09/11/2017

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Francisco Pontes, afirmou que vai intermediar um encontro para solucion...

Luta nacional transforma-se em uma “briga” caseira em Goiás

09/11/2017

O Governo de Goiás e o setor produtivo travam uma verdadeira batalha em torno do Decreto 9.075, de 23 de outubro de 2017, as...