(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Pesquisa do MEC aponta crescimento da educação especial em Anápolis

Educação Comentários 01 de abril de 2016

O aumento no número de matriculados revela que o Município tem avançado em direção à oferta da educação inclusiva


O Censo Escolar de 2015 - cujos dados finais foram recentemente divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP) “Anísio Teixeira”, ligado ao Ministério da Educação - traz uma boa notícia para Anápolis: a evolução no número de alunos matriculados na educação especial, também chamada de educação inclusiva.
Conforme levantamento do Jornal Contexto junto à base de dados do INEP, no ano de 2010, o Município contava com 588 estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação, matriculados na escola regular. No ano passado, conforme o Censo Escolar, esse número pulou para 906, ou seja, 318 alunos a mais, uma variação, no período, de 35,09%.
Conforme o Censo Escolar, os estudantes especiais matriculados em creches eram apenas 05, em 2010 e em 2015, somaram 20, uma variação de 300%. Na pré-escola, havia 12 matriculados em 2010, subindo para 51 em 2015, a maior variação - 325%. No Ensino Fundamental, os alunos especiais somavam 448 em 2010 e, no ano de 2015, eram 709, uma variação de 58,26%. No ensino médio, haviam 74 matriculados na educação especial e, em 2015, esse número foi para 94, um crescimento de 27,03%. Apenas na Educação de Jovens e Adultos (EJA), houve recuo: o número de matriculados nesta fase em 2010 era de 49, caindo para 32 em 2015, uma variação negativa de 34,69%.
Em relação à educação regular, os dados do Censo Escolar apontam que, em 2010 havia 57.063 estudantes matriculados na rede pública (Estadual e Municipal). No ano passado, o número de matrículas foi de 56.569. Na comparação entre 2010 e 2015, portanto, houve uma ligeira queda de 0,87%.
Por outro lado, há um ponto importante que é o aumento de matrículas na educação infantil (creche e pré-escola). Em 2010, conforme os dados do INEP, eram 2.386 crianças matriculadas nesta fase e, no ano passado, esse número saltou para 4.119, 72,63% de variação e um incremento de 1.733 matrículas no período. Nas creches foram contabilizadas 902 matrículas em 2010 e 1.604 em 2015, uma variação de 77,83%. E, na pré-escola, o número de matrículas saltou de 1.484 para 2.515 de 2010 para 2015, um crescimento de 69,47%.
A realidade foi um pouco diferente na análise dos números referentes ao Ensino Fundamental, ao Ensino Médio e a Educação de Jovens e Adultos.
No Ensino Fundamental, considerando o número de matriculados nos anos iniciais e anos finais, em 2010, cerca de 36.641 estudantes estavam regularmente matriculados na rede pública de Anápolis. No ano passado, esse número caiu para 36.527, uma queda bem pequena- 0,3%. No Ensino Médio, o número de matrículas em 2010 era de 12.905, caindo para 12.205 em 2015, uma variação negativa de 5,42%.
Quanto à Educação de Jovens e Adultos (EJA), a queda no número de matrículas, embora mais acentuada, não pode ser considerada um indicador ruim, haja vista que essa redução é decorrente do aumento no ingresso de jovens no ensino regular e que, portanto, não precisam entrar nesta fase. Aos números: em 2010, o número de matriculados no EJA (nos níveis fundamental e médio) era de 5.131 e, no ano passado, caiu para 3.718, ou seja, uma variação negativa de 27,54%.

Em Goiás
Conforme o Censo de 2015, a rede pública (Municipal e Estadual) em Goiás, registrou 1.101.206 estudantes matriculados no ensino regular, sendo: 47.640 em creches; 93.510 na Pré-Escola; 697.952 no Fundamental; 208.908 no Médio e 53.185 na Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Fique por dentro
De acordo com a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, criada pelo Ministério da Educação em 2008, os estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, segmentos que compõem o público alvo da Educação Especial, têm o direito a frequentar a sala de aula comum e, quando necessário, receber atendimento educacional especializado no período inverso ao da escolarização. Historicamente, essas pessoas foram excluídas do sistema educacional ou encaminhadas para escolas e classes especiais. (Fonte: Observatório do Plano Nacional de Educação)


Quadro de matrículas na educação regular
2015 – 56.569
2014 – 57.343
2013 – 55.190
2012 – 54.595
2011 – 55.665
2010 – 57.063

Quadro de matrículas na educação especial
2015 – 906
2014 – 900
2013 – 773
2012 – 809
2011 – 763
2010 - 588

Autor(a): Claudius Brito

Clique aqui para ler a página em formato PDF


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Educação

Ciências Ambientais - UniEVANGÉLICA tem aula inaugural do Mestrado e Doutorado da matéria

22/03/2019

O Centro Universitário de Anápolis – UniEVANGÉLICA dá mais um passo importante para se transformar em uma universidade....

FAEG Jovem leva horta comunitária a escola pública

22/03/2019

No dia 18 último, o grupo Faeg Jovem, da Federação da Agricultura do Estado de Goiás, esteve pela manhã na Escola Munici...

Saúde na Escola conta com 100% de adesão em Goiás

15/03/2019

Os 246 municípios goianos se cadastraram no Programa Saúde na Escola com apoio da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás ...

Institutos Federais vão formar novos agentes digitais

07/03/2019

Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IFs) terão até 29 de março para aderir ao Programa Nacional d...