(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Pesquisa do MEC aponta crescimento da educação especial em Anápolis

Educação Comentários 01 de abril de 2016

O aumento no número de matriculados revela que o Município tem avançado em direção à oferta da educação inclusiva


O Censo Escolar de 2015 - cujos dados finais foram recentemente divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP) “Anísio Teixeira”, ligado ao Ministério da Educação - traz uma boa notícia para Anápolis: a evolução no número de alunos matriculados na educação especial, também chamada de educação inclusiva.
Conforme levantamento do Jornal Contexto junto à base de dados do INEP, no ano de 2010, o Município contava com 588 estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação, matriculados na escola regular. No ano passado, conforme o Censo Escolar, esse número pulou para 906, ou seja, 318 alunos a mais, uma variação, no período, de 35,09%.
Conforme o Censo Escolar, os estudantes especiais matriculados em creches eram apenas 05, em 2010 e em 2015, somaram 20, uma variação de 300%. Na pré-escola, havia 12 matriculados em 2010, subindo para 51 em 2015, a maior variação - 325%. No Ensino Fundamental, os alunos especiais somavam 448 em 2010 e, no ano de 2015, eram 709, uma variação de 58,26%. No ensino médio, haviam 74 matriculados na educação especial e, em 2015, esse número foi para 94, um crescimento de 27,03%. Apenas na Educação de Jovens e Adultos (EJA), houve recuo: o número de matriculados nesta fase em 2010 era de 49, caindo para 32 em 2015, uma variação negativa de 34,69%.
Em relação à educação regular, os dados do Censo Escolar apontam que, em 2010 havia 57.063 estudantes matriculados na rede pública (Estadual e Municipal). No ano passado, o número de matrículas foi de 56.569. Na comparação entre 2010 e 2015, portanto, houve uma ligeira queda de 0,87%.
Por outro lado, há um ponto importante que é o aumento de matrículas na educação infantil (creche e pré-escola). Em 2010, conforme os dados do INEP, eram 2.386 crianças matriculadas nesta fase e, no ano passado, esse número saltou para 4.119, 72,63% de variação e um incremento de 1.733 matrículas no período. Nas creches foram contabilizadas 902 matrículas em 2010 e 1.604 em 2015, uma variação de 77,83%. E, na pré-escola, o número de matrículas saltou de 1.484 para 2.515 de 2010 para 2015, um crescimento de 69,47%.
A realidade foi um pouco diferente na análise dos números referentes ao Ensino Fundamental, ao Ensino Médio e a Educação de Jovens e Adultos.
No Ensino Fundamental, considerando o número de matriculados nos anos iniciais e anos finais, em 2010, cerca de 36.641 estudantes estavam regularmente matriculados na rede pública de Anápolis. No ano passado, esse número caiu para 36.527, uma queda bem pequena- 0,3%. No Ensino Médio, o número de matrículas em 2010 era de 12.905, caindo para 12.205 em 2015, uma variação negativa de 5,42%.
Quanto à Educação de Jovens e Adultos (EJA), a queda no número de matrículas, embora mais acentuada, não pode ser considerada um indicador ruim, haja vista que essa redução é decorrente do aumento no ingresso de jovens no ensino regular e que, portanto, não precisam entrar nesta fase. Aos números: em 2010, o número de matriculados no EJA (nos níveis fundamental e médio) era de 5.131 e, no ano passado, caiu para 3.718, ou seja, uma variação negativa de 27,54%.

Em Goiás
Conforme o Censo de 2015, a rede pública (Municipal e Estadual) em Goiás, registrou 1.101.206 estudantes matriculados no ensino regular, sendo: 47.640 em creches; 93.510 na Pré-Escola; 697.952 no Fundamental; 208.908 no Médio e 53.185 na Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Fique por dentro
De acordo com a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, criada pelo Ministério da Educação em 2008, os estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, segmentos que compõem o público alvo da Educação Especial, têm o direito a frequentar a sala de aula comum e, quando necessário, receber atendimento educacional especializado no período inverso ao da escolarização. Historicamente, essas pessoas foram excluídas do sistema educacional ou encaminhadas para escolas e classes especiais. (Fonte: Observatório do Plano Nacional de Educação)


Quadro de matrículas na educação regular
2015 – 56.569
2014 – 57.343
2013 – 55.190
2012 – 54.595
2011 – 55.665
2010 – 57.063

Quadro de matrículas na educação especial
2015 – 906
2014 – 900
2013 – 773
2012 – 809
2011 – 763
2010 - 588

Autor(a): Claudius Brito

Clique aqui para ler a página em formato PDF


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Educação

Câmpus do IFG Anápolis tem nova diretora eleita

30/11/2017

A Comissão Eleitoral Central publicou no final da noite desta quarta-feira, 29, o resultado preliminar da eleição para dir...

Associação Educativa Evangélica celebra os 500 anos da Reforma Protestante

03/11/2017

Serão necessários mais 500 anos para que as futuras gerações tenham a noção da importância da celebração realizada n...

Saúde na Escola atende a quase 40 mil estudantes

20/10/2017

A Prefeitura de Anápolis, em parceria com o Governo Federal, está desenvolvendo o Programa de Saúde na Escola (PSE), um co...

Oficinas gratuitas oferecidas no programa Semana Cidadã

06/10/2017

A 1ª edição da Semana Cidadã, uma parceria entre a UniEVANGÉLICA e a Prefeitura Municipal de Anápolis, através da Secr...