(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Pensando em abrir seu próprio negócio? Vejaos principais tributos pagos por uma empresa:

Contexto Jurídico Comentários 10 de janeiro de 2019


O que mais assusta os empreendedores e donos de negócios são os valores a serem pagos e a burocracia ao abrirem uma empresa.
O planejamento tributário torna-se essencial na realidade de qualquer empresa, pois com ele é possível ter uma ideia do faturamento anual, incidências tributárias e, assim, escolher o regime correto, evitando qualquer problema com o Fisco (Federal, Estadual e Municipal).
Além disso, o planejamento pode resultar em economia, uma vez que possibilita reduzir a quantidade e/ou valor dos impostos a serem pagos. Isso vale tanto para grandes corporações quanto para pequenas e médias empresas, razão da importância de se ter um bom conhecimento sobre a área fiscal-tributária.
No geral, as empresas precisam pagar em média 08 tributos cujas taxas variam de acordo com o regime tributário enquadrado e o valor cobrado depende do faturamento e atividade da empresa. Quem é optante pelo Lucro Presumido ou Real, deve fazer o cálculo e o pagamento de forma individual, enquanto no Simples Nacional (melhor regime para pequenos negócios) eles são calculados juntos no DAS. Veja quais são esses impostos:
Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ)
Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL)
PIS/Pasep
Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS)
Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS)
Imposto Sobre Serviços (ISS)
Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI)
Contribuição Previdenciária Patronal (CPP)
Agora, conhecendo os tipos de impostos, pode-se observar com mais clareza que o peso no orçamento e/ou fluxo de caixa da empresa depende muito do regime tributário escolhido. Como afirmado, a opção pelo Simples Nacional costuma ser mais vantajosa para as micro e pequenas empresas, mas só terá certeza e efetividade a partir dos cálculos e do correto enquadramento da atividade (segmento empresarial) e do faturamento.
“O planejamento não é uma tentativa de predizer o que vai acontecer. O planejamento é um instrumento para raciocinar agora, sobre que trabalhos e ações serão necessários hoje, para merecermos um futuro. O produto final do planejamento não é a informação: é sempre o trabalho.” PETER DRUCKER.

CURIOSIDADES LEGAIS:
Por volta de 1730, existia um tributo apelidado de “Chapins da Princesa”, cuja finalidade era cobrir as despesas com sapatos das mulheres da corte em Portugal;
Em abril de 1600, criou-se o imposto chamado de “isenção até o fim do mundo”. Destinava-se a auxiliar o Mosteiro de São Bento, em São Paulo, que existe até hoje.


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Contexto Jurídico

Locar imóvel por curto período não altera seu caráter residencial, diz Tribunal de Justiça de São Paulo-TJSP

17/04/2019

Proprietários de imóveis que exploram o bem alugando-o em sites de hospedagem têm conseguido decisões favoráveis no Trib...

Responsabilidade pelo pagamento do IPTU – imposto sobre propriedade predial e territorial urbana

05/04/2019

Quando se trata de aluguel de imóvel uma das dúvidas mais frenquentes é, quem será o responsável pelo pagamento do IPTU ...

Contribuição sindical e seu caráter facultativo

15/03/2019

A Presidência da República editou a Medida Provisória 873, em 1º de março do corrente ano – MP 873/2019, que proíbe a...

Plano de Saúde deve custear cirurgia reparadora para paciente que foi submetido à bariátrica

07/03/2019

O entendimento do Superior Tribunal de Justiça - STJ, quanto à realização da cirurgia para a redução do estômago, indi...