(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Pensando em abrir seu próprio negócio? Vejaos principais tributos pagos por uma empresa:

Contexto Jurídico Comentários 10 de janeiro de 2019


O que mais assusta os empreendedores e donos de negócios são os valores a serem pagos e a burocracia ao abrirem uma empresa.
O planejamento tributário torna-se essencial na realidade de qualquer empresa, pois com ele é possível ter uma ideia do faturamento anual, incidências tributárias e, assim, escolher o regime correto, evitando qualquer problema com o Fisco (Federal, Estadual e Municipal).
Além disso, o planejamento pode resultar em economia, uma vez que possibilita reduzir a quantidade e/ou valor dos impostos a serem pagos. Isso vale tanto para grandes corporações quanto para pequenas e médias empresas, razão da importância de se ter um bom conhecimento sobre a área fiscal-tributária.
No geral, as empresas precisam pagar em média 08 tributos cujas taxas variam de acordo com o regime tributário enquadrado e o valor cobrado depende do faturamento e atividade da empresa. Quem é optante pelo Lucro Presumido ou Real, deve fazer o cálculo e o pagamento de forma individual, enquanto no Simples Nacional (melhor regime para pequenos negócios) eles são calculados juntos no DAS. Veja quais são esses impostos:
Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ)
Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL)
PIS/Pasep
Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS)
Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS)
Imposto Sobre Serviços (ISS)
Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI)
Contribuição Previdenciária Patronal (CPP)
Agora, conhecendo os tipos de impostos, pode-se observar com mais clareza que o peso no orçamento e/ou fluxo de caixa da empresa depende muito do regime tributário escolhido. Como afirmado, a opção pelo Simples Nacional costuma ser mais vantajosa para as micro e pequenas empresas, mas só terá certeza e efetividade a partir dos cálculos e do correto enquadramento da atividade (segmento empresarial) e do faturamento.
“O planejamento não é uma tentativa de predizer o que vai acontecer. O planejamento é um instrumento para raciocinar agora, sobre que trabalhos e ações serão necessários hoje, para merecermos um futuro. O produto final do planejamento não é a informação: é sempre o trabalho.” PETER DRUCKER.

CURIOSIDADES LEGAIS:
Por volta de 1730, existia um tributo apelidado de “Chapins da Princesa”, cuja finalidade era cobrir as despesas com sapatos das mulheres da corte em Portugal;
Em abril de 1600, criou-se o imposto chamado de “isenção até o fim do mundo”. Destinava-se a auxiliar o Mosteiro de São Bento, em São Paulo, que existe até hoje.


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

Baixe o PDF de Edições Anteriores

Arte em Propaganda Arte em Propaganda

+ de Notícias Contexto Jurídico

Banco não responde por dano a terceiro que recebe cheque sem fundos

14/02/2019

Os Ministros da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça - STJ, por maioria, reafirmaram entendimento de que a instituiçã...

Inconstitucionalidade na cobrança do DIFAL na aquisição de mercadorias por empresas optante pelo Simples Nacional

08/02/2019

Com o advento do Decreto Estadual nº. 9.104/2017, as empresas goianas optantes do Simples Nacional que adquirem mercadorias ...

Ato de desídia. Faltar sem justificativa é motivo para justa causa

17/01/2019

Segundo entendimento da 1ª turma julgadora do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região, faltar ao trabalho por mais de ...

Pensando em abrir seu próprio negócio? Vejaos principais tributos pagos por uma empresa:

10/01/2019

O que mais assusta os empreendedores e donos de negócios são os valores a serem pagos e a burocracia ao abrirem uma empresa...