(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Patrimônio Histórico de Anápolis sobrevive ao tempo

Cidade Comentários 17 de outubro de 2014

Anápolis possui dez bens que foram tombados. Tombamento tem por objetivo garantir a preservação dos patrimônios


A ‘Casa da chave de ouro’, como ficou conhecida a residência localizada na Rua Barão do Rio Branco, número 1683, é um exemplo de patrimônio histórico que foi preservado ao longo do tempo em Anápolis. Apesar de não ter sido feito o tombamento desta residência, o local preserva a história de quem viveu por ali. Atualmente, o professor de matemática aposentado João Bento Pereira é o dono do imóvel, que se destaca pela sua arquitetura antiga e cores branca e azul.
“Minha vida foi aqui, nunca mudei”, declarou João Bento, que mora na ‘Casa da chave de ouro’ desde 1953, quando se mudou para o Município para estudar. A casa foi concluída em 1943, conforme relatou, e seu primeiro dono a ganhou em uma rifa realizada na Cidade. “Ela tinha o nome de chave de ouro. E, realmente, tinha a chave de ouro”, destacou. Sobre a misteriosa chave e seu paradeiro, ele afirmou: “Esse cara (primeiro dono) vendeu para outra pessoa. Só que a chave não acompanhou”.
O avô de João Bento comprou o imóvel em 1950, em troca de uma fazenda. Algumas histórias assombradas rondam a casa, como a existência de maldições no local e outros aspectos fruto do imaginário popular. Ele explicou o seu gosto pela casa antiga e o porquê de continuar ali: “Eu sou muito conservador. Eu gosto de coisa antiga. E, por ser uma casa que vem passando de geração em geração, então apeguei a ela. Eu pretendo conservá-la até onde eu posso. Não sei se meus filhos vão conservar”, salientou.
Ele afirmou que já foi procurado por entidades que promovem o tombamento de imóveis, mas não teve o interesse em transformar sua casa em patrimônio histórico e cultural.
João Bento falou, também, sobre como o mundo mudou desde que foi morar na residência. “Mudou muita coisa. De mundo, da atualidade, mudou muita coisa e mudou, no meu caso, para melhor. Pode ser que a modernidade chegou, mas foi bom. A vida que a gente levava era difícil, agora é fácil. A vida que meus avós, que meus pais passaram, para construir, não foi brincadeira. Era no suor mesmo, para ganhar, para adquirir as coisas”, explicitou.
Quando questionado se construiria uma casa atualmente nos mesmos padrões da ‘Casa da chave de ouro’, ele respondeu: “Não. Porque a gente quer olhar para o futuro. Como eu já estou na idade meio avançada, então, não pretendo não, mas se eu fosse construir, eu queria construir uma coisa boa, uma coisa moderna. Mas, como eu não tenho essa ambição de construir...”.
Preservação
O Conselho Municipal do Patrimônio Histórico e Cultural de Anápolis (COMPHICA), ligado à Secretaria de Cultura, é o responsável pelas diretrizes de preservação dos imóveis como a ‘Casa da chave de ouro’. Os tombamentos decorrem, muitas vezes, por força da mobilização popular, quando são solicitados pela comunidade ou pelos proprietários dos imóveis. “O bem que é particular, a maior parte das pessoas não quer fazer o tombamento. Porque fica como se fosse um ônus para a pessoa”, declarou Tiziano Mamede, diretor do Museu Histórico de Anápolis “Alderico Borges de Carvalho”.
O tombamento é realizado por um ente governamental e tem como objetivo garantir a preservação dos imóveis. No Estado de Goiás, é responsável pela preservação do patrimônio histórico e cultural, a Superintendência do Patrimônio Histórico e Artístico. O Governo Federal mantém o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.
Anápolis possui imóveis tombados apenas pelo COMPHICA. Para Tiziano Mamede, “tem que ser preservado, para a referência ao passado, para dar identidade daquela população, mas também tem que ter o princípio do equilíbrio. Tem que equilibrar com o desenvolvimento também. Não pode ser um empecilho para o desenvolvimento”, destacou Tiziano Mamede, diretor do Museu Histórico.


Patrimônios de Anápolis

Dez patrimônios históricos de Anápolis são tombados pelo Conselho Municipal do Patrimônio Histórico e Cultural de Anápolis (COMPHICA)
Mercado Municipal “Carlos de Pina”
Estação Ferroviária “Prefeito José Fernandes Valente”
Museu Histórico “Alderico Borges de Carvalho”
Escola de Artes “Osvaldo Verano”
Antigo Fórum/ Prefeitura, localizado na Praça Bom Jesus
Coreto da Praça “James Fanstone”
Aeroporto Civil de Anápolis Casa JK
Colégio Estadual “Antensina Santana”
Colégio “Couto Magalhães”
Fonte Luminosa da Praça Bom Jesus

Autor(a): Felipe Homsi

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Cidade

Obras nas ruas Amazílio Lino e Radial Sul na reta final

21/09/2017

Obras importantes de drenagem foram feitas nas avenidas Radial Sul e Amazílio Lino de Souza, na Vila Goiás, para evitar que...

Ipês amarelos na Avenida Brasil

21/09/2017

Enquanto são finalizadas as obras do Plano de Mobilidade Urbana no curso da Avenida Brasil, a Prefeitura, por meio da Secret...

Vice-Governador faz anúncio de projetos para expansão industrial

21/09/2017

O Vice Governador José Éliton participou, na noite da última quarta-feira, 20, de reunião com empresários na Associaçã...

Sucesso da exposição agropecuária em seu novo parque, na BR-153

14/09/2017

A 61ª Exposição Agropecuária de Anápolis (Expoana) está sendo realizada em novo espaço, neste ano, o Sindicato Rural d...