(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Energia eólica avança forte...

Edição 664 - 09 a 15 de março de 2018

...e avança muito rapidamente. Em 2.017 cresceu a estratosféricos 27% enquanto o País cresceu 1%. Com isto o Parque Eólico nacional gerou energia suficiente para abastecer 11% do nosso país, ou aproximadamente 23 milhões de residências. Para tanto, o sistema fechou com 13 gigawatts (GW) de potência instalada o que representa, praticamente, outra Itaipu, que tem potencial para 14 GWs. Esta potência instalada coloca o Brasil em oitavo lugar em capacidade instalada no planeta.
O crescimento é gigantesco! Há apenas nove anos, em 2.009, o setor era iniciou timidamente. Em 2.019 deverá chegar a 18 GWs. Da mesma forma, a previsão do setor é que no ano de 2.027, teremos 28 GW instalados, ou exatamente duas vezes a produção Itaipu. O detalhe principal é que tudo isto está sendo o feito em silêncio por meio da iniciativa privada, sem poluição ao meio ambiente, sem problema de licença ambiental, por se tratar de energia limpa ou verde. E o principal: SEM CORRUPÇÃO.
O Conselho Mundial de Energia Eólica atesta que o Brasil tem os melhores ventos do planeta e eles são mais de três vezes superiores à necessidade de eletricidade brasileira, suficientes para gerar 370 GWs ou 26 Itaipus. O melhor: os melhores ventos acontecem exatamente no período seco, época em que os reservatórios das hidrelétricas estão quase no limite. Estes fatores favoráveis impulsionam o setor.
Com a crise brasileira iniciada em 2.014 e a entrada em operação da caríssima e contestada hidrelétrica de Belo Monte em 2.019 (Mais de R$ 30 bilhões), que, quando pronta, terá uma capacidade instalada de 11 GWs não vai mais faltar energia gerada por aqui para o povo brasileiro. Por isto o crescimento do setor eólico deverá desacelerar. Ficam, contudo, delineado: adeus hidrelétricas que interferem fortemente no meio ambiente, termelétricas poluidoras e outras. Bons ventos nos esperam!
O sucesso das eólicas brasileiras é mais uma comprovação de que quando o governo não interfere, com ideologia política ou não, a coisa vai para frente sem traumas, sem corrupção e sem custos elevados. Por isto é que é preciso dar uma basta nas empresas públicas. Passou da hora de privatizar a Eletrobrás. Que nossos corruptos corporativistas de plantão não atrapalhem. Já será uma ajuda!

Autor(a): Moacir Lázaro de Melo