(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Cuidar dos pais é um dever santo

Edição 647- 10 a 16 de novembro de 2017

Não vamos falar de política. Uma pausa necessária para o arejamento das ideias. Vamos falar de pais, pai e mãe, vamos falar de respeito. Honrar os pais é mandamento antigo e sensato.
Os jovens, principalmente, tendem a não considerar os pais como pessoas merecedoras de amor, estariam mais para escravos, com o tempo, um e outro enxerga o sacrifício que aqueles fizeram, as dificuldades pelas quais passaram, existem aqueles que tiveram o privilégio de pais carinhosos, pais presentes e preocupados, ainda que maltratados o tempo todo, outros tem apenas queixas contra os seus.
Entretanto, o ensinamento sagrado não condiciona o respeito aos pais com o tratamento recebido deles, independente do que fizeram, o preceito divino ordena honrar os pais, claro que no caso de pais criminosos existe mais envolvido, cuidamos aqui de pais relativamente normais.
A sabedoria de tão simples ordenamento reside na intrínseca característica humana de nossos pais, embora nos pareçam heróis por muito tempo, eles não o são, têm dúvidas, medos, traumas, choram, erram – porque os filhos castigaríamos os pais por serem tão gente como nós mesmos? Quando nos tornamos pais essas condições de falibilidade nos são apresentadas imediatamente e nos preocupamos.
Ao nos tornarmos adultos, no sentido evolutivo de consciência, devemos perdoar o que errado nossos pais tenham feito, suas ausências, omissões, descuidos e transmitir a eles apenas nossa gratidão, devemos cuidar, olhar por eles, abandoná-los não é opção, mesmo que morem distante é preciso deixar uma porta aberta na casa e em nossos corações, isto é honrar – não é necessário abraços e afagos quando o clima pra isso não existe.
Além de ser atitude louvável perante toda a sociedade, é também um exemplo para os nossos próprios filhos, os quais, um dia, estarão na posição de cuidar de nós e lhes ensinam as virtudes do respeito e consideração.
Sejamos pais melhores para com nossos filhos e filhos melhores para com nossos pais, enquanto há tempo em ambos os casos, no primeiro caso não culpando nossos rebentos por nossas dificuldades, no segundo, relevando sentimentos menores -Parece um tanto blasé esse discurso, pois que o seja, o importante é nosso crescimento pessoal e espiritual, honrem seus pais.

Autor(a): Olisomar Pereira Pires