(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Pensar: nossa missão diária

Edição 618 - 20 a 27 de Abril de 2017

Henry Ford, empreendedor estadunidense, fundador da Ford Motor Company, foi o primeiro empresário a aplicar a montagem em série de forma a produzir automóveis em menos tempo e a um menor custo. Só o fez porque foi um pensador nato, fato que lhe possibilitou revolucionar os transportes e a indústria dos Estados Unidos. Ford reconhecia: “pensar é o trabalho mais difícil que existe e esta é provavelmente a razão por que tão poucos se dedicam a ele”. Porem, o ser humano é um animal e que o que nos diferencia dos demais da nossa espécie é a capacidade de raciocinar, de pensar, enfim.
Do lado de cá, não podemos esquecer nosso cantor/compositor “maluco beleza” Raul Seixas (1945-1989), que já dizia que não queria ter aquela velha opinião formada sobre tudo e preferia ser uma “Metamorfose Ambulante” e isto o levava a pensar muito para desenvolver novas ideias. Apesar das loucuras, Raul foi sucesso durante sua estada no nosso planeta. Assim devemos ser. Criticar, expressar, fazer perguntas, ler e mover são atitudes constantes de quem quer acrescentar mais conhecimentos e aumentar sua opinião sobre determinado assunto. O contraditório,a novidade e/ou a inovação, nascem destes conhecimentos.
Sobre a questão, Sócrates, o Grego, (479-429 AC) era duro e contundente porquanto afirmava que uma vida sem reflexão não merecia ser vivida. Na mesma ótica, “a essência do homem é pensar” garantia René Descartes, físico e matemático Francês (1596-1650). Por isto dizia: sou uma coisa que pensa, isto é, que duvida, que afirma, que ignora muitas, que ama, que odeia, que quer e não, que também imagina o que sente. Daí a máxima: Penso. Logo existo. Pensar é, pois, o caminho do sucesso em qualquer ação que propomos realizar.
Lamentavelmente, pensamos pouco ou quase nada. Culpa também de nossas escolas tradicionais que não nos ensinavam a pensar, principalmente as gerações passadas. Por isso mesmo, não sabemos, não gostamos, temos preguiça, não temos vocação para pensar. Ensinaram-nos, isto sim, e ainda ensinam, decorar fórmulas que não nos levaram a nada, somente foram utilizadas para passarmos ou serem reprovarmos nos vestibulares ou nos ENEMs da vida. Poucas escolas, ainda nos dias de hoje, ensinam como sobreviver em um mundo cada vez mais caótico, competitivo e cheio de inovações em que mudanças fortes acontecem a todo momento.
Em tempos de incertezas totais, ocasionadas por mudanças radicais certas nos modelos econômicos e sociais mundo afora, principalmente pela inteligência artificial em evolução, fato que nos impossibilita de prevermos o futuro que nos aguarda, é de fundamental importância aprendermos a pensar. Afinal, quem estará pensando em como sobreviver num mundo em que a inteligência artificial que está chegando, rápida e silenciosamente, será igual ou superior à inteligência humana? Qual será a profissão com emprego garantido nesta nova ordem chegante? Como seremos daqui a vinte

Autor(a): Moacir Lázaro de Melo