(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Obra ainda não tem prazo para ser entregue

Cidade Comentários 09 de outubro de 2010

Definida, inicialmente, para o dia 12, a inauguração depende de vários acertos no cronograma, o que impede a definição exata de quando a área de lazer será disponibilizada para o público


A população Anapolina terá que esperar um pouco mais ainda pela conclusão das obras do Parque Ambiental do Ipiranga. O secretário municipal de Desenvolvimento Urbano Sustentável, Clodoveu Reis Pereira, descartou a possibilidade de inauguração durante a programação do Dia da Criança, como chegou a ser cogitado.
Segundo o secretário informou ao CONTEXTO, as obras do Parque em si estão completas em cerca de 90 por cento. O que está por concluir é a área de educação ambiental, cujo espaço será destinado a exposições, aulas, palestras, apresentações culturais e outros eventos destinados, principalmente, a crianças e adolescentes, com enfoque direcionado à preservação do meio ambiente.
No mês de julho, outro problema contribuiu para que houvesse atraso no cronograma de entrega do serviço. Foi feito todo o manilhamento ao redor da área, para se evitar que as águas pluviais se misturem com os lençóis dos lagos formados no interior do Parque. Há poucos dias, houve um alagamento na parte fronteiriça da obra, o que levou a Secretaria de Desenvolvimento a fazer nova intervenção para evitar o represamento do grande volume de enxurradas que corre para a parte baixa, em frente ao Colégio São Francisco, inclusive, provocando transtorno no trânsito de veículos naquela região.
A obra do Parque Ambiental Ipiranga, no Bairro Jundiaí, teve início no dia 11 de janeiro último. O investimento previsto R$ R$ 3.224.908,12, sendo que a maior parte dos recursos é do Governo Federal, com uma contrapartida do Município. O projeto prevê o aproveitamento de uma área de 45 mil metros quadrados, compreendendo os terrenos do antigo campo “Aleixo Braz de Queiroz” (Campo do Clube Ipiranga) e da antiga Floricultura Municipal. Nestas áreas foram formados dois lagos com mais de 11 mil metros quadrados; pista de caminhada com 1.172 metros; pista para ciclismo (no contorno do parque, com extensão de 1.128 metros); jardim árabe; parque infantil; espaço para educação ambiental; mirantes; teatro de arena, praça de alimentação; estacionamento e duas pontes.

Bom Jesus
O secretário Clodoveu Reis adiantou, também, ao CONTEXTO que na tarde da última quarta-feira, 06, recebeu o arquiteto e urbanista Guilher Takeda para discutir com ele o projeto de reforma da Praça Bom Jesus, através de um trabalho que vem sendo desenvolvido desde o ano passado em parceria com o Sindicato das Indústrias da Construção e do Mobiliário de Anápolis, Associação Comercial e a Universidade Estadual de Goiás, que realizou a pesquisa “Olhares sobre a praça”, que procurou identificar a opinião da população sobre as mudanças no logradouro.
A reunião contou com a presença do bispo diocesano Dom João Wilk e do o padre Osvaldo João de Souza, responsável pela Paróquia de Bom Jesus da Lapa. Também estiveram presentes a arquiteta Regina Faria Brito; o diretor de Habitação Otto Lawrence; os engenheiros Waldir Belisário dos Santos Júnior e Érika Paula Freitas Mota, ambos da ABCP (Associação Brasileira de Cimento Portland); o também engenheiro Firilênio Wesley Fraga, diretor do Sindicato das Indústrias da Construção Civil.
Ficou definido na reunião, que a revitalização da Praça seguirá as diretrizes da pesquisa “Olhares sobre a Praça”, que, por exemplo, identificou a manifestação pública pela não retirada da fonte luminosa, que faz parte de seu traço histórico. Os pontos de taxi serão dispostos de modo a não obstruírem nem poluírem visualmente o espaço. A arborização será mantida, com o acréscimo de pérgulas, para sombreamento, e com instalação de bancos adequadamente dispostos. Várias mudanças serão feitas, a partir de um novo projeto que o arquiteto e urbanista Guilherme Takeda entregará dentro de mais alguns dias. A partir daí, observou Clodoveu Reis, a determinação é que sejam levantados os cursos para o início de procedimento de licitação. O secretário acha difícil que o serviço seja iniciado ainda este ano, devido à proximidade do período chuvoso.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Cidade

Prefeitura vai homologar lista de projetos aprovados

19/01/2018

A lista de projetos aprovados para realização com recursos do Fundo Municipal de Cultura foi divulgada no dia 15, mas a hom...

SENAI/Anápolis troca diretoria e anuncia novos projetos

19/01/2018

A Fieg Regional Anápolis, sob a presidência do empresário Wilson de Oliveira, realizou na última segunda-feira 15, a prim...

Obra do segundo viaduto segue, mas ainda sem a data de entrega

19/01/2018

Aproveitando a trégua dada pelas chuvas, a empresa JOFEGE, responsável pela execução do projeto de mobilidade urbana, que...

Repasses encolheram R$ 38 milhões

19/01/2018

As transferências da União para Anápolis registraram uma queda de 14,12% no ano de 2017, em relação a 2016, conforme lev...