(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Novo e ex-titular da SIC visitam Parque Tecnológico

Economia Comentários 16 de abril de 2014

Acompanhados por lideranças classistas, Willian O`Wyer e Rafael Lousa conheceram a área onde será edificado o empreendimento


O secretário interino de Indústria e Comércio, Rafael Lousa, cumpriu na manhã da última quarta-feira,16, o que deve ser o seu último compromisso oficial em Anápolis, antes de passar o cargo ao seu substituto, o empresário Willian O´Dwyer, nomeado pelo Governador Marconi Perillo para assumir a Pasta que, historicamente, tem sido oferecida a Anápolis, pelo que o Município representa economicamente para o Estado de Goiás.
Rafael Lousa e Willian O´Dwyer participaram, juntos, de um encontro com lideranças do setor produtivo goiano, promovido pela Regional Anápolis da Federal das Indústrias do Estado de Goiás (FIEG) e de uma visita ao local onde será implantado o Parque Tecnológico. O diretor operacional da ML4, gestora imobiliária do Parque, Pedro Gomide acompanhou a comitiva e deu explicações sobre o projeto, que pretende Margon atrair para a região, as empresas sem chaminé, ou seja, de base tecnológica e que atuam com produtos inovadores e centros de estudo e pesquisa para dar suporte a indústria de transformação em setores específicos como, por exemplo, a indústria automotiva e o pólo farmacêutico.
O Presidente da FIEG, Pedro Alves, ressaltou que o Parque Tecnológico é uma grande conquista de Anápolis e espera ver o projeto ser viabilizado em breve. A mesma opinião foi compartilhada pelo presidente da Regional, Wilson de Oliveira, para quem o trabalho das entidades de classe tem sido o elemento chave para que Anápolis venha recebendo projetos estruturantes importantes, como é o caso do Parque Tecnológico, do Aeroporto de Cargas, da Plataforma Logística e da Ferrovia Norte-Sul. “É um momento ímpar e nós temos de manter unidas as nossas forças políticas e classistas”, defendeu.
Antes da visita, presidentes de Sindicatos Industriais ligados à FIEG, participaram de uma reunião na sede administrativa do Distrito Agroindustrial de Anápolis, onde o principal assunto em pauta foi a necessidade de mobilizar apoio para a busca de soluções de problemas que as empresas sediadas no DAIA estão enfrentando em relação à deficiência da Estação de Tratamento de Esgoto, da estrutura viária, de suprimento de energia elétrica e, ainda, a lentidão nas obras do viaduto de acesso e as péssimas condições das vias de acesso, além de uma série de outros problemas, que deverão ser apresentados em um seminário, proposto pelo presidente da FIEG, Pedro Alves.
O presidente da Regional Anápolis da Federação, Wilson de Oliveira endossou a proposta e a intenção é mobilizar os empresários para o debate, do qual sairão propostas para a solução das demandas dos empresários. Durante a manhã, a comitiva da FIEG visitou algumas empresas, dentre elas a Moinho Só Trigo, a Roan Alimentos e o Laboratório Geolab.

Despedida
O secretário Rafael Lousa, em entrevista coletiva à imprensa, afirmou que deixa a Secretaria de Indústria e Comércio com “a consciência tranquila de termos realizado um bom trabalho em pouco mais de cem dias”. Ele relatou que foi uma experiência única e que agregou muito à sua carreira profissional. O novo secretário, Willian O´Dwyer, também participou da coletiva e elogiou o trabalho realizado pelo seu antecessor no cargo.

Parque Tecnológico
Parques Tecnológicos são empreendimentos imobiliários planejados (públicos ou privados), com estrutura administrativa institucionalizada, que visam à promoção da inovação por meio de mecanismos de transferência de conhecimento e tecnologia. Os parques permitem que empresas inovadoras, em qualquer fase de desenvolvimento empresarial, de incubadas a maduras, encontrem espaços e serviços adequados para o desenvolvimento de suas atividades. Além disso, os parques são mecanismos estratégicos de fortalecimento da competitividade empresarial por meio da catalisação da geração de inovação pelas empresas.
O Governo de Goiás instituiu em 2011 o decreto número 7.731, que criou o Programa Goiano de Parques Tecnológicos (PGTec). O decreto, que complementa a Lei da Inovação, aprovada no ano anterior, afirma que os parques consistem em empreendimentos que objetivam atrair, criar, incentivar e manter empresas de base tecnológica e instituições de pesquisa e desenvolvimento.
O empreendimento em Anápolis conta com cerca de 5,7 milhões de metros quadrados de área, já foi adquirida pelo consórcio privado e incluída na Zona de Expansão Urbana de Anápolis. O Parque Tecnológico de Anápolis é também o primeiro credenciado no Programa Goiano de Parques Tecnológicos (PGTec), o que permitirá que as empresas instaladas no empreendimento captem os incentivos estaduais concedidos pelo Governo de Goiás para o PGTec.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Economia

Município cai no ranking goiano de exportações

16/11/2017

Mais de US$ 1,4 bilhão. Este é o valor da corrente de comércio, representada pela soma das exportações e importações f...

Produto Interno Bruto de Goiás registra queda de 4,3% em 2015

16/11/2017

A economia goiana movimentou R$ 173,63 bilhões em 2015, valor R$ 8,62 bilhões acima do registrado no ano anterior (R$ 165,0...

Secretário se compromete a intermediar causas de empresários com a Companhia

09/11/2017

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Francisco Pontes, afirmou que vai intermediar um encontro para solucion...

Luta nacional transforma-se em uma “briga” caseira em Goiás

09/11/2017

O Governo de Goiás e o setor produtivo travam uma verdadeira batalha em torno do Decreto 9.075, de 23 de outubro de 2017, as...