(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Notas Gerais - Ed. 376

Causos de Polícia Comentários 27 de julho de 2012

Notas Gerais


No posto
Frentista de um posto de gasolina da Avenida Brasil, Mário Leandro viu a morte de perto, quando chegaram dois indivíduos, à pé, portando armas de fogo e lhe renderam, anunciando o assalto. Levaram R$ 500 em dinheiro vivo e Mário só ouviu o barulho de uma moto se afastando. Era por volta de 11:15 da noite. Os dois assaltantes estavam de capacete e Mário não teve como reconhecê-los na galeria de fotos de suspeitos da PM. O Sargento Graciano e o Soldado Paulo foram ao local e registraram o ocorrido. Mário disse que está pensando em mudar de atividade temendo novo assalto.

Na fábrica
Foi questão de segundos. Paulo Souza, engenheiro mecânico, deixou sua sala, por um instantezinho, em uma fábrica de bebidas em Anápolis. Quando voltou, viu que seu note book havia desaparecido. E, dentro da empresa. Fazer o quê? Registrou o caso na Polícia. O sargento Miguel e o Soldado Lacerda documentaram o delito.

Casos de amor
Em mais um caso de amor mal resolvido, Sidney, que quer Rosilda de volta a qualquer custo, saltou o muro da residência dela e ameaçou matá-la com uma faca. Corre daqui, corre dali, chamaram a Polícia. Os soldados Marcos Pereira e Queiroz foram ao local. A vítima foi conduzida à Delegacia da Mulher, mas, como os policiais civis estão em greve, nada foi feito. Sidney desapareceu. Pelo menos por enquanto.

Levaram quase tudo
Adriano, que mora no Jundiaí, foi dar um passeio mais longo. Quando retornou, teve a desagradável surpresa de ver que sua casa havia sido arrombada. Os ladrões levaram uma espingarda tipo winchester calibre 12 (mata, até, um elefante); uma TV 42 polegadas; um computador completo; 12 litros de uísque de boa qualidade, dois módulos de som e vários outros objetos de menor valor. Desconsolado, chamou a RP e lá estiveram os soldados Marcos e Queiroz.

Tiros na noite
O relógio marcava 10 e 43 da noite, quando Wendel, morador do Jardim Arcoverde ouviu dois estampidos de arma de fogo. Correu para ver e notou que uma bala havia atingido o portão de sua residência e, a outra, o vidro lateral de seu carro. Apavorado, chamou a polícia e lá compareceram o Sargento Dos Santos e o Cabo Moisés. Do atirador (ou atiradores), nem notícia. Wendel está preocupado. Disse que não deve nada.

Visita inesperada
Gilberto Pacífico, pacífico até no nome, morador do Parque Brasília chegou em casa três e meia da tarde. Notou que a porta estava aberta e não fora ele quem deixara. Entrou, viu tudo desarrumado e sentiu a falta de dois aparelhos de TV. Um de 32 e outro de 42 polegadas. Perguntou aos vizinhos e ninguém viu nada. Foi o jeito chamar o Soldado Márcio, que prestou-lhe assistência. Gilberto não desconfia de ninguém.

O tapete
Celso tinha um tapete antiderrapante de cinco metros. Tinha, porque alguém levou o objeto que estava em seu quintal, no Residencial Morumbi. Sem ter mais o que fazer, chamou a RP e lá compareceram o Sargento Prado e o Soldado Santana. Orientaram que ele prestasse queixa no DP. Mas, como a Polícia Civil estava em greve, ele nem foi lá.

Mãos ao alto
Magda estava numa boa, atendendo aos clientes em sua panificadora, na Avenida Pedro Ludovico. Um dos clientes era Thales. Quando este foi ao caixa pagar a conta, aproximou-se um estranho, com cara de poucos amigos, de revólver em punho. Era um assaltante. Levou R$ 200 de Magda, e R$ 240 de Thales. Saiu correndo, entrou em um Pálio verde e sumiu. O Sargento Carvalho e o Soldado Ramos Júnior chegaram logo após, mas o assaltante havia sumido na escuridão. E, não era nem oito da noite.

Rodou e dançou
Sandro Vieira cismou de dar “cavalo de pau” com seu carro bem pertinho da RP comandada pelo Sargento Carvalho, isto no Bairro Boa Vista. Não deu outra: perseguição e abordagem. Sandro estava com a habilitação vencida e, de quebra, portando uma arma branca de fabricação caseira. Foi levado ao DP, mas como a Polícia Civil estava em greve, saiu pela porta da frente, rindo dos policiais.

O roubo
Adair tem uma empresa de ferragens na Avenida Pedro Ludovico. Ele foi chamado lá à meia noite e meia, por Luiz, funcionário de uma firma de monitoramento, pois o alarme havia disparado. Ao adentrar o estabelecimento, que estava com uma porta de vidro semi-aberta, deu falta de uma maquita (máquina de cortar cerâmica) duas furadeiras profissionais e cerca de R$ 90 em espécie. O Cabo Almeida e o Soldado Celismar acompanharam tudo de perto. Depois orientaram Adair a registrar um boletim de ocorrência.

Atrevimento
Kelly mora em Anápolis, mas é policial militar em Brasília (não citou a patente). E, nem isto evitou que sua casa fosse arrombada, coincidentemente, no Parque Brasília. Os ladrões aproveitaram de sua ausência e levaram um par de algemas; uma TV 32 polegadas; um Playstation, um note book e um forno microondas. A policial militar do DF chamou a Polícia Militar de Goiás. Os soldados Ferreira e Ronie Von foram prestar-lhe socorro. Fizeram um patrulhamento no local, contudo sem sucesso.

Autor(a): Nilton Pereira

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Causos de Polícia

Causos de Polícia

16/11/2017

Moto complicada O Gabriel estava todo prosa, circulando em uma moto novinha pelas ruas do Jardim dos Ipês. Mas, foi inter...

Causos de Polícia

09/11/2017

Bateu na mãe O Roberto, morador da Vila Jaiara, tem 45 anos, mas é muito esquentado. Qualquer coisinha ele quer bater. E,...

Causos de Polícia

03/11/2017

Maldade pura I O Eurípedes tinha uma perua FIAT Elba que era o seu maior xodó. Era, porque, esta semana, um embaixador do ...

Causos de Polícia

26/10/2017

Ladrão folgado Um homem (identidade preservada) foi assaltado por dois elementos que estavam em um Celta preto. Ele chamou ...