(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Índice de mortes violentas ainda assusta a população anapolina

Violência Comentários 28 de julho de 2017

Mais dois casos de assassinatos de jovens engrossaram as estatísticas criminais na Cidade, apesar do esforço policial


A aparente tranquilidade que vinha sendo registrada no que diz respeito aos crimes contra a vida, em Anápolis, foi interrompida esta semana com mais dois assassinatos, ambos vitimando jovens. Os dados, embora desencontrados entre a mídia que cobre o setor e as instituições oficiais, apontam para um número próximo de 110 mortes violentas, em suas mais diferentes classificações, como homicídio; feminicídio latrocínio e outros tipos de ocorrências fatais.
Na tarde de terça-feira, 25, o jovem Eduardo Alves, de 21 anos, foi morto dentro de sua casa, no Bairro JK Industrial, por um menor de 16 anos, seu conhecido e com o qual jogava partidas de videogame. O menor foi apreendido e disse ter sido agredido por Eduardo. Na hora do fato os dois estavam a sós, embora momentos antes, outros jovens, também participassem dos jogos eletrônicos.
O que chama a atenção é que ambos tinham uma convivência de vários anos (a família do menor acusado fora inquilina da família de Eduardo) e o caso gerou grande repercussão na Cidade. Pontualmente, este episódio é classificado como “ato análogo a homicídio”, já que o autor confesso é menor de idade. Eduardo foi sepultado na manhã de quinta-feira, 27. A demora deu-se porque sua família estava em viagem e era aguardada para o sepultamento.
E, na quarta-feira, 26, já no começo da noite, outro crime de homicídio foi registrado. A vítima era conhecida por Ruiter Luiz, 20 anos, egresso do sistema prisional e havia deixado a Cadeia Pública de Anápolis há poucos dias. Ruiter foi morto a tiros em uma rua do Setor Jandaia, região Norte de Anápolis. Este crime, também, é cercado de mistério, pois não teve testemunhas e nem evidências de autoria e motivação. A Delegacia de Homicídios iniciou as investigações e pretende ouvir familiares e demais pessoas do relacionamento de Ruiter.
A sequência de crimes de homicídio, que assustou Anápolis no primeiro semestre deste ano, diminuiu um pouco em julho, fato atribuído ao reforço no policiamento da Cidade, com a vinda de equipes especializadas da segurança pública em Goiânia. A ordem, segundo divulgou-se, é buscar maior queda ainda, uma vez que, ao contrário de outras regiões do Estado, Anápolis registrava crescente onda de violência, notadamente homicídios e tentativas de homicídio.

Autor(a): Da Redação

Clique aqui para ler a página em formato PDF


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Violência

Operação conjunta prende suspeitos de homicídios

10/08/2017

Operações realizadas pelo Grupo de Investigação de Homicídios (GIH) da Polícia Civil, de Anápolis e Luziânia, cumprir...

O que mudou 11 anos depois de aprovada a Lei “Maria da Penha

03/08/2017

Embora se admita que o sexo feminino tenha experimentado mais poderes na última década, a Lei Maria da Penha, que completar...

Índice de mortes violentas ainda assusta a população anapolina

28/07/2017

A aparente tranquilidade que vinha sendo registrada no que diz respeito aos crimes contra a vida, em Anápolis, foi interromp...

Vereador do PSDB alerta sobre onda de assaltos em farmácias

06/07/2017

Os proprietários e funcionários de farmácias de Anápolis vivem com medo com a frequência de assaltos nos estabelecimento...