(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Mulheres são mais expostas a transtornos emocionais

Saúde Comentários 12 de abril de 2013

Hoje, além de mãe atenciosa, esposa dedicada e atraente, soma-se a profissional competente. Toda essa sobrecarga acaba contribuindo para o surgimento problemas emocionais


Ser mulher não basta. É preciso ser super. Este é o grande desafio enfrentado pelo sexo feminino na sociedade contemporânea, independente da classe social, e a tentativa de superá-lo tem influência direta na sua saúde física e emocional. Durante séculos o papel social da mulher restringiu-se a três funções básicas: ser esposa, ser mãe e ser dona de casa. Hoje as responsabilidades com a família somam-se ao trabalho e a outras demandas e exigem um esforço quase sobre-humano e, na maioria das vezes, o sucesso não é obtido completamente em todas as áreas.

Frente a este contexto, é inevitável que surjam problemas de ordem emocional e que afetam a qualidade da vida da mulher e, claro, de toda sua família, com reflexos nas relações e no desempenho no trabalho. A psicóloga Karlla Cristina de Paula Silva afirma que, nos dias de hoje, a mulheres estão sujeitas a vários transtornos de comportamento, e os principais são o de ansiedade, a síndrome do pânico e o transtorno de humor, cuja manifestação mais grave é a depressão.

Segundo Karlla Cristina, a mulher apresenta uma predisposição à ansiedade e com as pressões externas e também dela mesma que, às vezes, são ainda mais intensas, os desequilíbrios emocionais, como o transtorno de ansiedade generalizado, surgem. Neste caso, a principal característica é a preocupação excessiva com determinadas situações, beirando ao descontrole.

Outro é a síndrome do pânico, que tem crescido muito. A pessoa já tem a predisposição à doença e com a pressão excessiva desenvolve a síndrome. “Tem que apresentar um conjunto de sintomas: taquicardia, tremores nas mãos, falta de ar, medo de morrer”, esclarece a psicóloga.

Há, ainda, o transtorno de humor, cuja principal doença é a depressão. Nesse quadro, a mulher apresenta irritabilidade, baixa auto-estima, falta de energia, cansaço, impulsividade e, em alguns casos, vêm os transtornos alimentares. Algumas comem muito, e como conseqüência, ganham peso; e outras perdem o apetite.

A maioria das mulheres leva um tempo para se dar conta de que estão com algum problema, explica Karlla Cristina. Segundo a psicóloga, elas associam os sintomas ao cansaço, às pressões do cotidiano, mas chega um momento em que as pessoas começam a chamar a atenção para o fato de que ela está muito nervosa, sem paciência, irritada. “Muitas só conseguem ter a dimensão do problema quando já estão prostrando”, afirma.

A psicóloga afirma que estas doenças se desenvolvem gradativamente e, muitas vezes, são percebidas tardiamente, quando já se encontram instaladas, e a única solução para elas são as psicoterapias ou até tratamentos medicamentosos. Por isto é preciso estar alerta aos principais sinais para evitar uma evolução para casos muito graves. “O melhor mesmo é a prevenção”, afirma Karlla Cristina.

Como prevenir

A prevenção é o melhor caminho, pois depois que a doença se instala é difícil reverter o quadro, avalia. A mulher, hoje, quer se auto-afirmar profissional e financeiramente, o que a leva a uma sobrecarga, afirma a psicóloga Karlla Cristina. É uma realidade advinda do capitalismo, não é possível fugir dela, mas a mulher deve ter exata consciência do que quer para viver sem culpas. Ela acrescenta que é preciso saber coordenar o investimento de energia em diferentes setores da vida, o que permite que a mulher cuide de si, de sua família e de seus afazeres de maneira satisfatória, mesmo que não obtenha a perfeição em nenhuma delas. A aceitação das limitações pessoais possibilita que mulher reconheça a necessidade de dividir responsabilidades com outras pessoas e lhe permite pedir ajuda sempre que necessário. Tudo isto contribui para que se possa viver de maneira menos angustiada e mais equilibrada, completa

Políticas públicas

Segundo Karlla Cristina, no Brasil pouco se tem de pesquisas na área de saúde emocional da mulher. A maioria delas está vinculada ao ciclo reprodutivo. Os principais estudos são desenvolvidos no Sudeste. Ela acrescenta que as políticas públicas nessa área começaram a ser implantadas muito recentemente, com mais intensidade a partir de 2004, quando foi lançada a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher. “Há ainda um longo caminho para que se fortaleça a rede de apoio e atendimento à saúde mental e emocional da mulher”, afirma.

Autor(a): Tatiana Penha

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Saúde realiza vacinação contra a gripe até dia 26 de maio

19/04/2017

A 19ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe começou na última segunda-feira, 17, e as vacinas estão disponívei...

Vereadora consegue recursos para castração de animais

19/04/2017

A vereadora Thaís Souza (PSL) conseguiu junto ao deputado estadual Lincoln Tejota (PSD), uma emenda de R$ 180 mil será dest...

Medo da febre amarela? tire suas dúvidas

07/04/2017

Desde 1980 o Brasil não registrava um surto tão grande de febre amarela. De dezembro para cá, houve 2 104 casos notificado...

Dengue recua, mas a população ainda precisa ficar atenta e manter o combate

07/04/2017

A população anapolina pode comemorar. Os registros oficiais da Secretaria Estadual de Saúde, referentes à semana 13- de 0...