(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

MP investiga Marconi por conta única

Política Comentários 12 de julho de 2018

Centralização de recursos pode caracterizar improbidade administrativa, diz o Ministério Público em Goiás


A promotora de Justiça Villis Marra abriu inquérito para apurar supostas irregularidades praticadas pelo ex-governador de Goiás, Marconi Perillo, que podem configurar, em tese, a prática de atos de improbidade administrativa, especificamente com relação à criação de uma conta única ou centralizadora para o Estado, que não conteria os dados contábeis despesas e receitas confiáveis, sendo utilizados artifícios. Por esta razão, a promotora vai notificar o representado para que ele preste esclarecimentos sobre os fatos sob investigação.
A promotora contextualiza que recebeu do Ministério Público de Contas, parecer pela ilegalidade da prestação de contas do Governo Estadual, relativas ao exercício de 2015. O órgão fiscalizador, também, informou que o Tesouro Estadual tem se valido, rotineira e sistematicamente, de todos os recursos na conta centralizadora, ainda que pertencentes a órgãos, pessoas jurídicas e fundos específicos, para serem usados indiscriminadamente a quaisquer espécies de despesas, independentemente das restrições e vinculações legais e constitucionais, o que representaria apropriação de verbas públicas.
Ainda, segundo o MPC, o Estado, também, tem confeccionado irregularmente a lei orçamentária, por não identificar as receitas e despesas de acordo com as categorias indicadas no manual de contabilidade aplicada ao setor público, editado pela Secretaria do Tesouro Nacional, como determinado em lei, dificultando a fiscalização da operacionalização da contra centralizadora.
A promotora observa que o Tesouro Estadual ficou com saldo negativo de R$ 1.592.774.810, no exercício de 2015, com a conta centralizadora e, por consequência, para com os demais órgãos e entidades, cujo dever de restituição permanece. Assim, o Estado, ao operacionalizar a conta centralizadora, teria violado o princípio da proibição de estorno de verbas, uma vez que tem manejado as receitas arrecadadas sem qualquer autorização legislativa prévia.
A promotora destacou ainda os débitos do Governo com pessoas jurídicas e fundos estaduais; o uso em fins diversos dos fixados nas respectivas leis instituidoras dos recursos da conta centralizadora; as operações de crédito feitas pelo Estado; a falta de contabilização desses recursos ou irregularidades na sua forma; os dados sobre a arrecadação; descumprimento de metas fiscais; o aumento de inscrição de despesas com restos a pagar em valor superior ao permitido, além de ilegalidades de repasses e alteração de índices de gastos com pessoal e outros descumprimentos da legislação quanto à aplicação de receitas para áreas específicas. (Comunicação Social do MP-GO).

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Política

PArlamento Jovem - Estudante anapolina figura entre os 12 nomes selecionados

16/08/2018

Três estudantes vão representar Goiás na edição 2018 do Programa Parlamento Jovem Brasileiro 2018. A lista dos seleciona...

Anápolis terá candidatos em todos os cargos da eleição de outubro

16/08/2018

A Justiça Eleitoral encerrou, na última quarta-feira, 15, o período para o registro de candidaturas que vão concorrer às...

Candidato defende plataforma de valorização da família

16/08/2018

Ex-candidato à Prefeitura de Anápolis no pleito de 2016, o advogado Valeriano Abreu, que ficou conhecido na vida pública p...

“Não entro na disputa para ser uma mera figurante”, diz candidata do PT

16/08/2018

No sexto ano de exercício do mandato de vereadora em Anápolis, a Professora Geli encara um desafio que deve ser o maior de ...