(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

MP e Juizado da Infância querem combate efetivo à automutilação

Violência Comentários 29 de maro de 2018

Intenção é reunir vários segmentos e instituir um protocolo específico para atender os casos dessa natureza


O Juizado da Infância e Juventude e o Ministério Público, através da 13ª Promotoria de Anápolis, estão buscando a elaboração de um protocolo para atendimento a casos de automutilação em crianças e adolescentes. Vários casos têm sido registrados no Juizado da Infância e a intenção é formar uma espécie de rede para atuar tanto na prevenção quantono atendimento em si desses casos.
A Promotora de Justiça Carla Brant Corrêa Sebba Roriz e o Juiz da Infância e Juventude, Carlos Limongi Sterse, se reuniram para discutir as medidas iniciais para a implantação de um protocolo específico para tratar sobre a automutilização. A intenção, segundo eles, é realizar um fórum de debates, onde todos os atores envolvidos direta ou indiretamente com o problema possam debater a ajudar a construir este protocolo. De acordo com a Promotora, são casos muito complexos, pois envolvem várias nuances como, por exemplo: vulnerabilidade familiar; questões de abuso sexual e problemas mentais. E, cada caso exige, observa, exige uma estratégia de atendimento diferenciada. Daí, a necessidade de se buscar um trabalho integrado.
O Juiz Carlos Limongi Sterse confirma que muitos casos de automulização têm, de fato, chegado até o Juizado da Infância e Juventude, causando preocupação em relação ao atendimento que deve ser dado às crianças e adolescentes. Ele lembrou que já existe uma rede estruturada de atendimento em relação à violência sexual e maus tratos e o objetivo, agora, é criar um protocolo específico para a automutilização.

O QUE É?
De acordo com especialistas, a automutilação é definida como um comportamento intencional de agressão direta ao próprio corpo por qualquer meio sem intenção real de suicídio. Ou seja, é o ato de intencionalmente machucar a si próprio fisicamente. Por mais que esse comportamento seja conhecido, ele ainda não é realmente compreendido por muitas pessoas que acreditam que trata-se de um comportamento assumido pela criança e pelo adolescente, apenas, para chamar atenção.
Existem, pelo menos, dois perfis de automutilador: o primeiro é a pessoa emocionalmente abalada, que passou por algum trauma, que sofre muita pressão ou passou por alguma grande rejeição na vida. Essas pessoas costumam ter dificuldade de se expressar verbalmente e de se relacionar com as pessoas, além de possuírem baixa autoestima. A automutilação nesses casos vem como um alívio emocional momentâneo. Outro perfil de automutilador é a pessoa que sente prazer através da dor. Aí não envolve alívio emocional e também não envolve carência de atenção. A atitude passa a ser apenas por prazer.

Autor(a): Claudius Brito

Clique aqui para ler a página em formato PDF


Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

Baixe o PDF de Edições Anteriores

Arte em Propaganda Arte em Propaganda

+ de Notícias Violência

Familiares de vítimas têm apoio psicológico

12/07/2018

A fim de propiciar apoio aos familiares das vítimas de homicídios, bem como minimizar a sensação de insegurança social, ...

Familiares de vítimas têm apoio psicológico

12/07/2018

A fim de propiciar apoio aos familiares das vítimas de homicídios, bem como minimizar a sensação de insegurança social, ...

Detentos de Anápolis mortos em Formosa

05/07/2018

A Polícia Civil, em Formosa, no entorno do Distrito Federal, instaurou inquérito para apurar a morte dos detentos Ítalo Le...

MP e Juizado da Infância querem combate efetivo à automutilação

29/03/2018

O Juizado da Infância e Juventude e o Ministério Público, através da 13ª Promotoria de Anápolis, estão buscando a elab...