(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Movimentos discutem demolição do Terminal Urbano

Cidade Comentários 06 de dezembro de 2013

De um lado, pessoas buscam alternativas para impedir que o local venha ao chão, de outro, pessoas que acreditam que a determinação precisa ser cumprida


A decisão judicial do Tribunal de Justiça de Goiás que exige a demolição do Terminal Urbano 2 de Anápolis tem divido opiniões da população. Na última sexta-feira, 29, os conselhos das Associações dos Moradores, Estudantes e dos Estudantes do Ensino Superior de Anápolis, se uniram em um movimento que tem por objetivo colher assinaturas para evitar a demolição e transformar o prédio da antiga estação ferroviária em um museu. Mas, também, há quem defenda que a construção precisa vir abaixo para dar mais visibilidade ao prédio que é patrimônio histórico da cidade.
Uma das preocupações que levaram os Conselhos das Associações de Moradores, Estudantes e Estudantes do Ensino Superior de Anápolis a criar o movimento é a centralização do Terminal Urbano 2. De acordo com o presidente do Conselho da Associação dos Moradores de Anápolis (Conama), Paulo Henrique Ribeiro, uma média de 40 mil pessoas toma ônibus no local todos os dias. “Se tirar o terminal daqui, nós vamos gastar, no mínimo, 20 minutos a mais para chegar ao nosso destino, isso sem contar o tempo de espera do ônibus. Esse tempo faz muita diferença para os estudantes e trabalhadores”, apontou.
A proposta do movimento é que o prédio passe por uma restauração, custeada pela Prefeitura de Anápolis e pela empresa de Transportes Coletivos de Anápolis (TCA), e seja transformado no Museu Histórico do Transporte de Anápolis. O movimento garantiu, esta semana, além de seis mil assinaturas de usuários do transporte público, o apoio do vereador Paulo de Lima, que requereu a criação de frente parlamentar para defender a permanência do Terminal Urbano 2 e preservação do Prédio da Estação Ferroviária de Anápolis por meio de um plebiscito para o próximo ano.

As opiniões
Para a professora aposentada, Maria Antunes Silva, o erro foi da gestão que permitiu a construção do Terminal Urbano 2 em 1998, na frente da antiga Estação Ferroviária. “Agora acho que não deve ser demolido, até porque quem vai pagar as despesas da construção de um novo terminal somos nós”, falou. O aposentado, Leison Caixeta também não concorda com a demolição. “Eu já vim de trem de ferro até aqui. Até hoje conheço isso aqui e não vejo motivo para derrubar o terminal, tem que ter outra saída”, opinou.
O assunto já chegou às redes sociais. Foi criada, no Facebook, uma página que já agrega 300 seguidores. Todos são favoráveis à demolição do Terminal Urbano 2. A expectativa, entre eles, é de que a Estação Ferroviária seja restaurada e o local dê sede a um centro cultural. Algumas pessoas que utilizam o transporte público todos os dias também concordam. É o caso da vendedora, Maria Eunice Elias, que entende que a demolição não vai prejudicar a ninguém. “Além da preservação do patrimônio histórico, seria bom ter um terminal mais novo e moderno”, argumentou.
A decisão de demolição do Terminal Urbano 2 foi dada pelo Tribunal de Justiça do Estado de Goiás há dois anos. Uma nova sentença, do dia 30 de outubro deste ano, estendeu para mais 120 dias o prazo. De acordo com a promotora de justiça, e autora da ação que visa assegurar a visibilidade e acesso da população ao patrimônio, Sandra Mara Garbelini, existe uma grande desinformação acerca do caso na Cidade. “O objetivo não é demolir o local do dia pra noite. Para isso foi dado um novo prazo para que se possa correr atrás do tempo e essa é uma decisão que já passou por todos os tribunais competentes”, garantiu. Ainda, de acordo com a promotora, não há com o que a população se preocupar já que um estudo feito por engenheiros de trânsito para o edital de licitação da exploração do transporte coletivo de Anápolis demonstra que não há necessidade de um terminal. “A partir da conclusão dessa licitação, a bilhetagem será eletrônica e por isso haverá a adequação de vários pontos de embarque a passageiros”, explicou.

Autor(a): Wanessa Mereb

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Cidade

UniEVANGÉLICA apoiou evento voltado a idosos

16/11/2017

A UniEVANGÉLICA participou das celebrações dos 15 anos do Instituto de Seguridade Social de Anápolis – ISSA, vinculado ...

Município vai ter encontro do Projeto Goiás 2038

16/11/2017

A secretaria estadual de Desenvolvimento Econômico (SED-GO) reunirá representantes do Governo Municipal e da sociedade orga...

Fechamento de bares mais cedo volta à discussão em Anápolis

16/11/2017

Proposta já aplicada em várias cidades brasileiras e defendida por muitas outras, inclusive Anápolis, a limitação de hor...

Mudança extingue a 137ª Zona e remaneja mais de 46 mil eleitores

09/11/2017

Mais de 46 mil eleitores da 137ª zona eleitoral de Anápolis devem ser remanejados para as 3ª, 141ª e 144ª zonas eleitora...