(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Mortes provocadas pela doença caem mais de 80% no País

Saúde Comentários 18 de maio de 2012

Em Goiás, a redução chegou a 90 por cento entre janeiro e início de maio de 2012 em comparação com o mesmo período do ano passado. Apesar disso, população não deve baixar a guarda


O número de óbitos por dengue no Brasil caiu 84% nos quatro primeiros meses de 2012 em comparação ao mesmo período de 2010. Há dois anos foram registradas 467 mortes pela doença entre janeiro e abril. Já no primeiro quadrimestre deste ano o número caiu para 74 óbitos. Os dados foram apresentados na última quinta-feira,17, pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, em Brasília.
O balanço da dengue em 2012 revela outros índices positivos no combate à doença. Houve diminuição de 91% nos casos graves da doença, que passaram de 11.845 em 2010, para 1.083 registros em 2012. Já o número total de casos teve retração de 58% - foram 286.011 casos da doença em 2012, contra 682.130 em 2010.
O ministro destacou o conjunto de ações do Ministério da Saúde - em parceria com estados e municípios - como fatores para a redução da doença. Exemplo disso é o repasse de R$ 92 milhões a 1.158 municípios, como adicional de 20% aos recursos regulares, com foco na qualificação das ações de prevenção e controle.
Dez estados concentram 81,6% (233.488) dos casos notificados em 2012 - Rio de Janeiro (80.160), Bahia (28.154), Pernambuco (27.393), São Paulo (19.670), Ceará (17.205), Minas Gerais (14.006), Mato Grosso (13.802), Tocantins (11.589), Pará (11.223) e Rio Grande do Norte (10.286).
Já os dez municípios com o maior número de casos no período foram: Rio de Janeiro (64.675), Fortaleza (10.156), Recife (6.343), Palmas (4.706), Cuiabá (4.460), Goiânia (4.128), Natal (3.779), Itabuna (3.088), Aparecida de Goiânia (3.022) e Teresina (3.000). Considerando a incidência (calculada na proporção de um caso a cada 100 mil habitantes), os três municípios com as maiores taxas registradas foram: Palmas (2.494,7), Itabuna (1.445,3) e Rio de Janeiro (1.045,4), respectivamente.

Circulação viral
No País, circulam quatro tipos de vírus da dengue. Em 2012, os tipos DENV 1 e DENV 4 foram os mais comuns, com 59,3% e 36,4%, respectivamente. Foram avaliadas 2.098 amostras positivas. No entanto, essa distribuição apresenta variações entre as cinco regiões brasileiras. No Norte o percentual de 85,5% e no Nordeste registrou-se 81,5% de predomínio do DENV 4. Já nas regiões Centro-Oeste e Sul o DENV 1 circulou com maior predominância (53,3% e 83,8%). Já no Sudeste há equilíbrio entre os dois sorotipos - 46,8% de DEN 1 e 49,7% de DEN 4.


A situação em Goiás e em Anápolis

Segundo dados do Boletim Epidemiológico da Secretaria Estadual da Saúde (SES), no período de 1º de janeiro a 5 de maio último, foram notificados no Estado, 14.348 casos de dengue, contra 27.498 no mesmo período de 2011, representando uma redução de 47,83%. O número de óbitos, no mesmo período avaliado, caiu de 51 para 2, ou seja, uma redução de 90%. Os dois óbitos, foram confirmados como Febre Hemorrágica de Dengue, com ocorrência em Goiânia.
O boletim destaca que há 25 casos suspeitos de óbito, sendo destes 25 em Goiânia, quatro em Aparecida de Goiânia, dois em Anápolis e o restante- um caso, nos seguintes municípios: Vicentinópolis, Senador Canedo, Niquelândia, Jataí, Ipameri, Inhumas, Guapó e Acreúna. Em números absolutos, os municípios com maior número de casos de dengue, são: Goiânia (5.768), Aparecida de Goiânia (3.052), Anápolis (903), Luziânia (677),Trindade (394), Rio Verde (264), Edéia (197), Valparaíso de Goiás (192), Jataí (183) e Mineiros (165). Ainda de acordo com a SES, 172 municípios goianos possuem notificação de dengue; 103 são classificados como baixo risco; 51 na faixa de médio risco e 18 na faixa de alto risco.
O Município de Portelândia é o que apresenta maior Índice de Infestação Predial, ou seja, de focos do mosquito Aedes Aegypti, que é vetor da dengue e também da febre amarela. Naquele Município, o IIP chegou a 11,30%, sendo que o ideal, de acordo com o Ministério da Saúde, é ter um índice abaixo da casa de 1%. Os dados da SES apuram também que 47 municípios goianos têm percentual de visitas domiciliares dos agentes de saúde abaixo de 80 e 130 municípios, acima de 80%. O índice mais baixo foi encontrado em Santo Antônio do Descoberto (25,02%). Anápolis se encontra na 38ª. posição com índice de visitação de 78,94%. Goiânia aparece na 16ª. posição, com índice de 58,50% de visitação.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Projeto atende a quase 800 pacientes que estavam na fila

26/05/2017

Há dois anos, a auxiliar de limpeza, Lídia dos Reis, 38, sentia fortes dores de vesícula. As pedras acumuladas no órgão ...

Dengue recua, mas população não deve baixar a guarda

26/05/2017

Em que pese as estatísticas demonstrem um recuo bastante significativo de casos de dengue em Goiás e, particularmente, em A...

Infectologia tem jornada sábado

18/05/2017

A Sociedade Goiana de infectologia realiza neste sábado, 20, a I Jornana de Infectologia de Anápolis. As palestras têm por...

Como superar o fim de um relacionamento?

27/04/2017

Ter o ‘coração partido‘ é uma das experiências mais traumáticas da vida. No entanto, de acordo com um estudo da Univ...