(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Mortalidade infantil está abaixo da média nacional em Goiás

Saúde Comentários 22 de julho de 2016

Diagnóstico situacional coloca o Estado no 12º lugar no ranking brasileiro. Meta é reduzir ainda mais o indicador


A mortalidade infantil, em menores de um ano em Goiás, diminuiu de 13,86 por mil nascidos vivos em 2013, para 12,84 por mil nascidos vivos, em 2014. Com isso, Goiás ocupa, agora, a 12ª posição do ranking dos estados e fica abaixo da Taxa Nacional – de 12,89.
A gerente de Saúde da Mulher, Criança e do Adolescente da Secretaria da Saúde de Goiás (SES), Jordane Moreira de Melo, informa que os recentes números da mortalidade infantil comprovam a melhoria na qualidade da atenção materno-infantil, no Estado.
Ela explica que a Gerência de Saúde da Mulher, Criança e do Adolescente da SES atua com estratégias previstas na Rede Cegonha, na Política de Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher e na Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança, com a atenção voltada para a humanização e qualificação da gestação, parto, nascimento e ao recém-nascido, além de incentivar o aleitamento materno.
A redução da mortalidade infantil, em Goiás, para o patamar de 10,56, até o ano de 2018, é uma das metas da Saúde no Programa Goiás Mais Competitivo. Hoje, Goiás ocupa o 12º lugar no ranking nacional, com base no diagnóstico situacional do Estado. “Articulados com os municípios, desenvolvemos um trabalho, para alcançarmos essa meta”, diz.
Para avançar na redução desse indicador foi idealizado o Programa Siga Bebê, que promove o acompanhamento, em unidades de saúde, desde o pré-natal. Os cuidados prosseguem, após o nascimento da criança, com o monitoramento do seu crescimento e desenvolvimento, durante o primeiro ano de vida.
Jordane explica que, dentro da política de atenção ao recém-nascido, em 2014, foram realizadas ações como ampliação do teste do pezinho para a fase 4 – com a detecção de seis doenças; aumento da produção da Rede Estadual de Bancos de Leite Humano e implantação do Método Canguru nas maternidades.
Além disso, desde 2013, está sendo implantada nos municípios, a Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância – Componente Neonatal, que fornece a médicos e enfermeiros da Atenção Básica conhecimentos para a detecção precoce e tratamento efetivo das principais doenças que afetam a saúde das crianças menores de cinco anos.
A partir do ano de 2014, a Gerência de Saúde iniciou um programa de capacitação em Reanimação e Transporte Neonatal para todos os médicos e enfermeiros, das Unidades de Suporte Avançadas dos Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) dos municípios, que transportam recém-nascidos às principais maternidades do Estado.

Autor(a): Da Redação

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Saúde

Nova unidade atenderá a cerca de 7 mil pessoas na Região Oeste de Anápolis

15/03/2019

Um espaço próprio que acabou de ser construído vai dar lugar a dois postos que funcionavam em locais alugados e precários...

Mitos e verdades sobre a enxaqueca

15/03/2019

Dor de cabeça forte, enjoo e sensibilidade à luz e ao barulho. Esses são os principais sintomas da enxaqueca, doença neur...

Aulas de Hiit são oferecidas gratuitamente em Anápolis

07/03/2019

São 30 minutos a 40 minutos de uma aula intensa: corrida, bicicleta, peso, abdominal. O céu é o limite para as variações...

Saúde intensifica ações de combate à dengue no Município

07/03/2019

De um lado, um batalhão formado por cerca de 400 agentes –250 comunitários de saúde e 150 de endemias. De outro, o Aedes...