(62) 3317 5500 • comercial@jornalcontexto.net

Moradores querem a lei do silêncio na praça

Geral Comentários 10 de fevereiro de 2017

Som automotivo, som ao vivo em bar e canil tiram o sono de muitas pessoas


Há mais de um ano, os moradores do condomínio Rio Jordão, localizado na Rua Pedro Braz de Queiroz, no Bairro Jundiaí, lutam para terem direito ao sossego público, que é uma garantia legal. Um dos principais incômodos é o que eles chamam de “festival de música na Praça Dom Emanuel”. E, obviamente, não se trata de um evento tradicional. São pessoas que estacionam carros com sons potentes durante a madrugada. E, não é só isso. Tem, também, um grupo de motociclistas que, nas manhãs de domingo, estacionam os veículos e ficam acelerando sem parar com o escapamento aberto. E, para completar, há também um bar na Avenida São Francisco, que rompe a madrugada - até cerca de duas horas da manhã - com som ao vivo.
No ano passado, os moradores fizeram um novo documento, denominado: “Manifesto de Indignação”, que foi encaminhado ao comando do 4º Batalhão da Polícia Militar, à Companhia Municipal de Trânsito e Transporte (CMTT) e ao Gabinete de Gestão Integrada do Município (GGIM), solicitando providência acerca dos incômodos.
Agora, novamente, o síndico do prédio de apartamentos, Wanderley Gomes, obteve apoio para um novo manifesto, denominado “Respeito à lei do silêncio e meio ambiente”. Os problemas e os incômodos registrados são praticamente os mesmos de um ano atrás. Agregou-se, apenas, mais um fato novo que é uma residência onde há, pelo menos, 20 cães que fazem muito barulho durante boa parte do dia.
Um morador do “Rio Jordão” narrou que já pensou, até, em se mudar do local, por conta dos problemas. Mas, ele espera que haja boa vontade por parte das autoridades para contornar as situações. “Vimos que há interesse da Polícia Militar e da Divisão de Postura”, ponderou, assinalando que às vezes, a PM passa pela Praça, mas, quando a viatura chega próximo, o som dos carros é abaixado. Ainda, segundo ele, no edifício, residem pessoas idosas e pessoas enfermas, que sofrem muito com os incômodos do barulho.
O novo manifesto é mais uma tentativa de sensibilizar as autoridades municipais, no sentido de que sejam adotadas providências quanto à aplicação das normas que garantem o sossego público, contidas no Código de Postura do Município e que é, também, um direito constitucional.

Autor(a): Claudius Brito

Comentários


Deixe seu comentário Dê sua opinião a respeito desta notícia. Seu e-mail não será publicado.


Código Anti Span Incorreto!
Obrigado! Seu comentário foi postado com sucesso!
Falhou! Preencha todos os campos obrigatórios (*)

+ de Notícias Geral

UniEVANGÉLICA - Seminários destacam direitos da pessoa com deficiência

20/09/2018

Foi promovido nesta semana na UniEVANGÉLICA o Seminário dos Direitos Humanos e da Pessoa com Deficiência, uma iniciativa d...

Regulamenta lei que proíbe fabricação e uso do cerol

20/09/2018

O governo de Goiás editou o Decreto n° 9.316, de 18 de setembro de 2018, que regulamenta a Lei n° 17.700/2012, que dispõe...

Comarca de Anápolis fica de fora do plano para a expansão de novas varas

20/09/2018

A Comarca de Anápolis ficou de fora da primeira fase do plano de reestrutura judiciária, definido pela Lei 20.254/18, que d...

Vereador destaca do Dia do Vicentino

20/09/2018

Em discurso no pequeno expediente, durante a sessão ordinária da última quarta-feira,19, o vereador Lisieux José Borges (...